FlatOut!
Image default
Car Culture Games Projetos Gringos Vídeos

A história do garoto que encontrou um “fantasma” de seu pai em um game de corrida virou um curta emocionante

Em 2014, uma bonita história circulou pela Internet. Era exatamente o que diz o título deste post: um garoto encontrou um “fantasma” de seu pai em um game de rali do XBox. Não um espectro de verdade, naturalmente, mas sim um carro fantasma de uma das voltas que seu pai havia dado no jogo. Agora, esta história virou um belo curta-metragem — daqueles de marejar os olhos, mesmo.

Talvez você não lembre desta história, mas a gente está aqui justamente para refrescar sua memória.

Tudo começou com um vídeo no Youtube, publicado pelo canal PBS Game/Show. O vídeo levanta uma discussão bem interessante a respeito de espiritualidade e jogos eletrônicos: é possível ter uma experiência espiritual jogando videogame?

O apresentador do canal cita relatos de jogadores do MMORPG World of Warcraft que se sentem uma “conexão cósmica” com outros jogadores, vivendo situações virtuais que proporcionam um sentimento de união muito forte, quase transcendental. Alguns chegam até a dizer que se sentem mais em paz consigo mesmos do que na vida real, e que criar um personagem virtual é como controlar uma alma diferente.

É quase como se os games fossem uma religião, ainda que você não precise ser religioso para sentir esta tal “conexão cósmica” com outras pessoas. E você também não precisa ser religioso para compreender que algumas pessoas passam por experiências que, para elas, podem ser consideradas espirituais.

E é aí que a nossa história começa. Na área de comentários, onde os usuários começaram a compartilhar experiências que tiveram jogando videogames, uma das histórias chamou a atenção de muita gente. O comentarista, que se identificou como “00WARTHERAPY00”, falou sobre como conseguiu viver momentos emocionantes com seu pai mesmo depois que ele morreu — tudo graças a um Xbox velho.

Você pode conferir o comentário no screenshot abaixo. Também traduzimos tudo, para quem não anda muito afiado no inglês.

comentario

Bom, quando eu tinha quatro anos, meu pai comprou um Xbox. O primeiro, aquele grandalhão, quadrado, de 2001. A gente se divertia demais jogando todos os tipos de games juntos — até o dia em que ele morreu, quando eu tinha só seis anos.

Eu não consegui tocar naquele console por 10 anos.

Mas quando eu peguei, percebi uma coisa.

A gente jogava um game de corrida, RalliSport Challenge. Na verdade, ele era bem legal para a época em que foi lançado.

E assim que eu comecei a fuçar no jogo… achei um FANTASMA.

Literalmente.

Sabe aquilo que acontece quando a volta mais rápida de uma corrida é gravada como um piloto-fantasma? Sim, você adivinhou: o “fantasma” dele ainda corre pela pista até hoje.

E então eu joguei e joguei, e joguei, até que eu quase conseguia derrodar o fantasma. Até que um dia eu consegui ultrapassá-lo e…

Parei bem na frente linha de chegada, só para ter certeza de que não iria deletá-lo.

Paz.

RalliSport Challenge, lançado em 2002, foi um dos primeiros games de corrida do console da Microsoft, e um de seus primeiros sucessos. Trazia 29 carros de rali — Impreza WRX STI, Lancer Evo VI a Ford Escort RS Cosworth e Saab 9-3. Era possível correr em modos de rali, subida de montanha e ralicross. A gente até ficou com vontade de disputar umas partidas. Mas isto não importa.

O que importa é que o rapaz encontrou um jeito de jogar videogame “junto” com seu pai de novo, e isto fez com que outros comentaristas também se manifestassem. Até que, em 2016, o videomaker John Wikstrom decidiu transformar a história em um curta-metragem, chamado Player Two. É um vídeo bem simples, apenas com uma música de fundo e um jovem narrador lendo o comentário na íntegra. O resultado ficou surpreendentemente bonito, e você não precisa entender inglês para ficar emocionado. Sério.

[vimeo id=”162531355″ width=”600″ height=”350″]

Mesmo se o relato não for verdadeiro, vai dizer que você não ficou com os olhos marejados? Nós ficamos. E por isso decidimos contar esta história de novo.

Este post foi publicado originalmente em julho de 2014 e totalmente reescrito em abril de 2016.

Matérias relacionadas

“Aceleramos” no castelo de Nürburg: conheça sua misteriosa história

Juliano Barata

Roadkill: isto é um Plymouth Roadrunner V8 de 9,8 litros e 1.300 cv!

Leonardo Contesini

O “novo” Top Gear? Clarkson, Hammond e May mostram teaser em vídeo durante show ao vivo!

Dalmo Hernandes