Akrapovič – como um piloto de motos se tornou um dos maiores fabricantes de escapes do mundo

Dalmo Hernandes 12 julho, 2018 0
Akrapovič – como um piloto de motos se tornou um dos maiores fabricantes de escapes do mundo

Quem nunca abriu o Youtube e passou vários minutos (ou horas…) ouvindo roncos de motor? Uma das belezas do mundo moderno é o acesso que ele nos dá a esse tipo de coisa. No começo da década passada não era assim. Você só precisa pensar no ronco que quer ouvir e digitar na caixa de pesquisa. Nós mesmos damos nossa contribuição regularmente.

Não devem existir estatísticas a respeito disto, mas boa parte dos vídeos de ronco de motor no Youtube traz os superesportivos como tema. O que é perfeitamente compreensível – seja um ícone dos anos 80 ou um lançamento, um supercarro costuma representar o estado-da-arte em termos de mecânica, o que quase sempre significa uma experiência sonora memorável. E, para cada vídeo com o ronco de um supercarro com escapamento original, há também o vídeo de um exemplar equipado com escapamento Akrapovič. O que é impressionante por si só, considerando que eles só começaram a fabricar escapamentos automotivos em 2008.

Uma comparação entre a Ferrari 458 Italia com escapamento original e com escape Akrapovič

Porsche 911 GT3 RS com escape Akrapovič

BMW M4 com… você já sabe

O ronco do escape Akrapovič em um Audi RS6 Avant de 750 cv

A Akrapovič é provavelmente a mais conhecida fabricante de escapamentos aftermarket do planeta. O que é um feito notável pelo simples fato de a companhia não ter origem em um país com tradição automotiva, como Itália, Alemanha ou Reino Unido. A Akrapovič vem da Eslovênia, um dos países que integravam a Iugoslávia até 1991 quando, assim como a Croácia e a Sérvia, declarou independência e deu início a um processo de dissolução que se estende até hoje com a indefinição sobre Kosovo. Hoje vamos contar esta história (da Akrapovič, e não da dissolução da Iugoslávia).

0104

A Akrapovič foi fundada por um motociclista, e seu ramo de atuação principal são os escapamentos para motos. Igor Akrapovič começou a pilotar profissionalmente em 1977, em motos com motor dois-tempos de 250 cm³, migrando depois para as de 1.000 cm³, terminando a carreira nas Superbikes e 1989. Depois disto, ele continuou envolvido com o mundo das motos, fundando uma preparadora na cidade de Ivančna Gorica, no coração da Eslovênia, em 1992.

0601 (1)

A companhia, batizada Skorpion, começou com seis funcionários que fabricavam escapamentos de forma artesanal. O próprio Igor Akrapovič, hoje com 59 anos de idade, diz que sua motivação para escolher este nicho em específico foi o alto preço dos escapamentos importados e a má qualidade das opções locais. Segundo ele, a ideia era oferecer ao consumidor final escapamentos mais próximos dos que eram usados pelas equipes de corrida, mais leves e resistentes, de início usando o aço como matéria prima, e mais tarde adotando o titânio e a fibra de carbono.

01 (3)

Não demorou para que o reconhecimento viesse: em 1993 os escapamentos Skorpion foram testados pela Kawasaki e, no ano seguinte, fizeram suas primeiras aparições em campeonatos internacionais de Superbike, categoria que usa versões modificadas de motos produzidas em série – se a MotoGP é como a Fórmula 1 das motos, as Superbikes equivalem aos carros de turismo.

Nos anos que se seguiram, outras equipes de fábrica de nível mundial adotaram os escapamentos de Akrapovič – Yamaha, Honda, Ducati e Suzuki entre elas. Em 1997 o americano Scott Russell foi o primeiro motociclista a vencer um campeonato mundial de Superbike em uma moto com escapamento Skorpion. O primeiro título com o nome Akrapovič veio em 2000, com Colin Edwards no comando de uma Honda RVF750 patrocinada pela Castrol.

01 (11)

Quando a Skorpion começou a ser notada mundialmente, ocorreu uma situação inusitada: em 1997 a companhia foi processada pela Ford. A fabricante alegava que a Skorpion não poderia ter este nome por causa do Ford Scorpio, um sedã executivo vendido apenas por sua divisão europeia. Em uma entrevista à revista Sport Rider em 2010, Igor Akrapovič comentou o assunto:

Os advogados da Ford disseram que a companhia estava ficando muito irritada com o fato de nossos escapamentos de titânio feito à mão colocassem em risco o valor de seus sedãs produzidos em massa. Rimos bastante disso e imediatamente mudamos o nome para Akrapovič para evitar que eles ganhassem ainda mais dinheiro.

01 (4) 02 (1)

Skorpion ou Akrapovič, o crescimento nas vendas foi exponencial nesta época – em torno de 70% ao ano, segundo a própria companhia. Assim, em 1999 o aumento da demanda obrigou a empresa a se mudar para um lugar maior, trocando a oficina de 450 m³ por um galpão de 3.000 m³. Em 2010 o complexo, projetado pela esposa de Igor, já ocupava uma área de 13.000 m³, e o quadro de funcionários passava dos 450.

02 (3)

Na fábrica, que fica a cerca de 50 km ao sul da capital Liubliana, são produzidos cerca e 70.000 escapamentos por ano – dos quais cerca de 40% são sistemas completos e os 60% restantes são abafadores. A Akrapovič diz que os escapamentos de titânio são o foco da companhia, pois são apenas 5% mais pesados do que as versões equivalentes de fibra de carbono e oferecem mais resistência a impactos, além de serem mais fáceis de consertar – tanto que a Akrapovič também oferece kits de reparos para os escapamentos de titânio.

01 (6)

Boa parte dos investimentos da Akrapovič é destinada à compra de matéria prima e maquinário, e Igor Akrapovič faz questão de ressaltar sempre que possível que opta por não pagar por publicidade nas motos de corrida – especialmente porque o preço do titânio aumentou em seis ou sete vezes nos últimos anos. Em termos de maquinário, hoje a Akrapovič possui equipamentos capazes de moldar tubos de titânio com diâmetro entre 18 mm e 85 mm e paredes de menos de 1 mm de espessura. A demanda por peças de fibra de carbono, cada vez mais alta pelo impacto visual dos escapamentos de compósito, fez com que a Akrapovič inaugurasse uma instalação separada apenas dedicada a estas peças.

Nos primeiros anos da década passada a Akrapovič incorporou métodos de design e fabricação computadorizados, incluindo softwares de renderização em 3D. Um grande passo veio em 2004, quando a companhia eslovena assinou um contrato com a equipe BAR-Honda de Fórmula 1, aproveitando para usar a maior categoria do automobilismo como campo de testes e laboratório para aperfeiçoar seus próprios sistemas de escape. Foi ali que começou a incursão pelo meio automotivo, começando por uma parceria com a Porsche em 2007. No ano seguinte, um 911 996 venceu as 24 Horas de Nürburgring usando escapamento Akrapovič.

01 (7)

Além de começar a produzir escapamentos para carros naquele ano, a Akrapovič continuou se envolvendo no automobilismo. Em 2009, os eslovenos começaram a fornecer os sistemas de escape para os protótipos LMP1 da Audi, que entre 2010 e 2014 venceu cinco edições seguidas das 24 Horas de Le Mans.

01 (9)

Em 2015, a Akrapovič chegou à marca de 100 títulos mundiais em diferentes categorias do motociclismo. Atualmente a fabricante está investindo para ampliar sua atuação, com planos para fabricar turbocompressores de titânio nos próximos anos.