A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

“Além da Curva”: websérie com a história e a atual situação do drift no Brasil – imperdível!”

Não há dúvidas de que o drift é uma forma de automobilismo cada vez mais popular, e no Brasil não é exceção: presente no País desde o fim da década de 1990, o drift passou de um simples hobby a uma forma de unir pilotos, equipes e o público, que delira com os pneus cantando, a fumaça subindo e o motor girando no talo enquanto os carros andam de lado. Mas esta é só uma faceta da cena nacional – praticar drift no Brasil ainda é um desafio, em diversos sentidos.

Não é fácil traçar acontecimentos anteriores a meados dos anos 2000, quando a internet começou a se popularizar de verdade e fatos começaram a ser registrados em textos, fotos e vídeos e compartilhados com o mundo todo – e isto é especialmente verdadeiro no Brasil. Por isso a websérie “Além da Curva”, feita pela produtora Lens Flare, é fundamental para conhecer a história do drifting brasileiro.

É o tipo de história que só pode ser contada da forma certa por quem ajudou a escrevê-la. Assim, a Lens Flare foi entrevistar alguns daqueles que podem ser considerados os primeiros a divulgar o drift no Brasil. Caras como Sérgio Hanazono, que conheceu o drift em 1998, quando morava no Japão, e em 2008 voltou para cá trazendo quatro esportivos japoneses. Sua intenção? Montar uma equipe de drift nacional. A Drift Show foi a primeira equipe brasileira a praticar o drift. E mais: ela passou a recrutar outros entusiastas que queriam se tornar pilotos, como Elson Nishimura e Thiago Bortoto, que estão com a Drift Show desde o início.

Luciano Shiratori, de Brasília, e Rodrigo Meireles, de Goiás, também deixaram depoimentos para o documentário, que foi dividido em uma websérie de cinco episódios, todos publicados no YouTube entre março e abril de 2015.

shiratori

Shiratori mudou-se para o Japão a trabalho e, inicialmente, ficaria por um ano – tempo que se estendeu para 11 anos depois que ele conheceu o drift, comprou um carro e começou a praticar. Voltando ao Brasil ele teve uma ideia um pouco diferente. Em vez de trazer um carro de tração traseira do Japão, ele montaria um carro brasileiro: um Chevette. Mesmo que depois tenha vendido o Chevette e comprado carros importados, ele conseguiu provar que um carro nacional conseguiria andar junto com os gringos.

Se hoje temos uma cena de drift cada vez maior e diversificada, com carros nacionais e importados dividindo o mesmo asfalto, por vezes a centímetros de distância um do outro, boa parte disto se deve a estes caras, que logo foram seguidos por entusiastas de norte a sul do País.

drift-br (3)

Agora, não foi fácil, e ainda não é – quando se trata de falar sobre as dificuldades de ser um adepto do dorifuto no Brasil, todos dizem as mesmas coisas: custo e falta de incentivos são os maiores obstáculos – pneus, carros de tração traseira e componentes mecânicos custam, no Japão, uma fração do que se precisa investir por aqui. Além disso, é extremamente difícil encontrar patrocinadores dispostos a colocar dinheiro em uma equipe de drift compreendendo que o retorno não é imediato.

Isto acaba levando o esporte a crescer em um ritmo bastante lento: ainda não é possível, por exemplo, fundar um campeonato nacional unificado – o que ajudaria a atrair mais público e transformar um carro de drift em uma plataforma atraente para patrocinadores e anunciantes. É uma conta que ainda não fecha.

drift-br (2)

Por isso, a maioria das equipes é patrocinada por pequenas empresas ou bancada pelos próprios pilotos. Eles, apesar de tudo, não escondem seus sonhos que, não por acaso, são variações de um mesmo tema: ver o drift como uma competição organizada, atraindo dezenas de milhares de espectadores aos circuitos e conseguir viver do automobilismo. A maioria esmagadora ainda leva o drift como um hobby – são médicos, empresários, funcionários públicos que tentam passar o máximo de seu tempo livre ao volante de um carro fazendo derrapagens controladas.

Mas não vamos contar tudo – você quer assistir não quer? Então aproveite: os cinco episódios estão abaixo. Dê o play, recoste-se na cadeira e conheça melhor a trajetória do drift no Brasil.

[ Sugestão do leitor Miguel V. B. Júnior ]

Matérias relacionadas

GTR: a versão mais radical do Lamborghini Diablo era um monstro para as pistas

Dalmo Hernandes

As teorias sobre carros mais absurdas que nossos leitores tinham quando eram crianças

Dalmo Hernandes

Lendas de Le Mans: a força bruta do Ford GT40, o anglo-americano que superou a Ferrari em La Sarthe – Parte 1

Dalmo Hernandes