A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Top

As cores mais extravagantes e curiosas oferecidas pelos fabricantes de carros – parte 1

Você consegue ver a rua daí? Dê uma espiada pela janela e você certamente irá topar com um carro preto ou prata. Branco, quem sabe. É tão inevitável quanto encontrar um Fusca nas fotos dos anos 1970. Os tons de cinza começaram a dominar as ruas na metade da década passada e se tornaram as “cores” deste nosso tempo.

Como a moda e o design, a paleta de cores dos carros também têm suas tendências. Nos anos 1950 e começo dos anos 1960 a moda eram os tons neutros e pasteis, depois, nos anos 1970 vieram as cores vivas, fortes e marcantes.

54-sao-paulo-sp---avenida-paulista-decada-1970-1439033380248_956x500

Mais tarde, nos anos 1980 foi a vez das cores metálicas e perolizadas, que já eram usadas em modelos de extremo luxo, mas começaram a se popularizar até se tornar o padrão dos carros modernos. Mais recentemente também surgiram pinturas furta-cor (as chamadas “camaleão”) que refletem diferentes tons de acordo com a incidência da luz e até pinturas termo-sensíveis, que mudam de cor de acordo com a temperatura da superfície do carro.

Mas entre modismos e padrões, às vezes os fabricantes dão um pulo fora da curva e ousam na paleta de cores, criando carros que se destacam no mar de tons da moda. É destas cores ousadas, radicais e especiais que iremos falar neste post.

 

Reflex/Chameleon – TVR

cores (6)

Você conhece esse tipo de pintura como camaleão, e certamente a viu em algum carro super-tunado dos anos 2000. Ainda hoje elas são relativamente comuns, mas somente uma fabricante foi ousada o bastante para oferecê-la em seu catálogo regular de cores: a TVR.

cores (4)

As pinturas Reflex e Chameleon entraram no catálogo da marca britânica em 1997 em cinco tons: Chameleon Blue (azul), Chameleon Orange (laranja), Reflex Purple (roxo), Reflex Charcoal (verde), e Cascade Blue (azul/roxo). Inicialmente excêntricas para a época, elas acabaram se tornando mais comuns nos anos 2000, ganhando novos tons e até foram usadas pela marca em fotos de divulgação dos seus modelos. É bem provável que você lembre do Sagaris em uma destas cores, já que ele foi amplamente divulgado com esse tipo de pintura.

 

High Impact Colors – Mopar

challengerjulianobarata-7

Em 1969 a Mopar introduziu um novo catálogo com cores vivas, ousadas e chamativas para a linha 1970 da Chrysler, Dodge e Plymouth. As cores representavam o espírito da época, anos de psicodelia nas artes, prosperidade econômica e o auge dos muscle cars — foram os últimos antes da primeira crise do petróleo — e tinham nomes igualmente excêntricos, que nos fazem pensar o que havia no cafezinho dos executivos da Chrysler: Plum Crazy (algo como loucura ameixa), Green Go, Top Banana, Go Mango, Curious Yellow e Vitamin C.

cores (7)

Foram apenas quatro anos-modelo — as cores entraram na linha 1970 e deixaram de ser oferecidas após a linha 1973 —, mas foi tempo suficiente para que elas marcassem permanentemente a cultura muscle car e até inspirassem o revival do atual Dodge Challenger, que é oferecido em tonalidades muito semelhantes.

 

Desert Gold – Mercedes

cores (8)

Em 2010, a Mercedes levou ao Salão de Dubai uma edição especial do SLS AMG. O superesportivo inspirado no clássico 300SL “Gullwing” havia acabado de ser lançado e, como se já não fosse impressionante o suficiente com seu motor V8 naturalmente aspirado de 6,2 litros e 570 cv (bons tempos…), ainda recebeu uma pintura especial feita com ouro de verdade. Por isso o nome: Desert Gold.

A cor especial traz a curiosa combinação de um tom metálico com acabamento matte, e o contraste fica ainda mais evidente por causa dos detalhes em preto brilhante. A ideia era apenas causar uma bela impressão nas areias de Dubai, mas se houvesse interesse suficiente, o Desert Gold poderia se tornar parte do catálogo do AMG Performance Studio — divisão para clientes que desejam algo mais exclusivo (e caro). Não foi o que aconteceu mas, no ano seguinte, um cliente brasileiro encomendou outro SLS AMG pintado na mesma cor.

 

 

Rosa Pantera – Chevrolet

cores (1)

Foto: Tulio Cerqueira

Em 1974, a Chevrolet lançou uma edição especial do Opala, pintada na extravagante tonalidade Rosa Pantera. Quer dizer, o nome era mais extravagante do que a cor — um rosa suave com uma queda para o laranja, que muitos de nós aprendemos a chamar de “salmão”. Diz-se que a ideia era atrair o público feminino, e que alguns fãs do modelo compraram para agradar às esposas. O problema era que, na hora de vender, o preconceito contra o nome da cor falava mais alto..

c10

Foto: Luiz Carlos Locatelli

O que nem todo mundo sabe ou lembra é que a cor já estava disponível no catálogo da Chevrolet desde 1969 — existem alguns exemplares da picape C10/C14 que saíram de fábrica na cor Rosa Pantera, que deixou de ser oferecida justamente em 1974.

 

Grabber Blue – Ford

O Grabber Blue foi um tom de azul especial introduzido em 1969 para o Mustang Shelby GT500 e, ao contrário do Rosa Pantera, foi um verdadeiro sucesso — tanto que, ainda naquele ano, a cor foi disponibilizada para o resto da linha de cupês do oval azul a partir daquele ano. E isto inclui, é claro, o Maverick — que, no Brasil, tinha uma tonalidade bastante semelhante batizada de Azul Regata.

cores

Foto: Fabio Aro/Carros de Rua

Existiram algumas variações ao longo dos anos, como o Light Grabber Blue (um pouco mais claro) até que, em 1994, a cor desapareceu do catálogo de vez. Em 2010 a quinta geração do Mustang foi reestilizada, e o Grabber Blue voltou a fazer parte do catálogo — idêntico ao tom original de 1969.

cores

Nada mais justo, visto que a quinta geração do Mustang foi a responsável pela onda de muscle cars retrô da década passada.

 

Gul Yellow – Volvo

cores (2)

Só os suecos da Volvo para transformar um tijolo sobre rodas em um esportivo cobiçadíssimo: a 850 T5-R. A perua turbinada lançada em 1994 tinha um cinco-cilindros turbo de 2,3 litros e 228 cv era tão legal que a gente até esquece que o 850 T5-R também estava tão disponível como sedã.

cores (3)

De qualquer forma, ambas as versões estavam disponível na cor Gul Yellow, um amarelo suave, porém nada discreto. Não é exatamente o tipo de cor que se espera de um carro grande e sisudo, mas aí você lembra que esta é a versão mais nervosa e, de repente, faz sentido querer chamar a atenção. Não é à toa que esta é a cor favorita dos fãs do modelo.

É óbvio que estas não são as únicas cores extravagantes que as marcas já ofereceram em seus carros — temos certeza de que você lembra de outros exemplos. Pode mandar brasa nos comentários!

Matérias relacionadas

Por dentro da coleção secreta de carros de corrida da Toyota Motorsports GmbH

Dalmo Hernandes

Os presentes de natal perfeitos para um entusiasta – parte 2: “de última hora” ou “o que vale é a intenção”

Dalmo Hernandes

Tafheet, ou Hajwalah: o perigoso mundo do drift ilegal na Arábia Saudita

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados