A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Barn find do mês: quatro Shelby dos anos 1980 zero quilômetro à venda

Quando se pensa em Shelby, duas coias podem vir à cabeça logo de cara: o Shelby Cobra e sua carroceria diminuta em volta de um V8 427, ou a linhagem dos Mustang Shelby, que começou com o GT350 e o GT500 lá na década de 1960 e voltou com força total em 2005, com o lançamento do Mustang de quinta geração (e, agora, com o novo GT350!). Se você for um cara mais undergrond, talvez pense no Shelby GLHS, a resposta americana ao Golf GTI.

Dificilmente as primeiras lembranças serão do Shelby CSX, do Shelby Lancer e da picape Shelby Dakota — eles foram feitos na década de 1980, um período não exatamente glorioso para a Chrysler, que havia quase falido e, para tentar se recuperar, contou com a ajuda de Carroll Shelby, que em 1978 deixou a parceria com a Ford de Lee Iacocca.

charger

O Dodge Charger nos anos 1980

Os carros ainda sofriam com a a crise do petróleo, e nomes como o do Charger, que já havia batizado o muscle car mais maléfico do mundo, agora era um cupê de tração dianteira baseado em um hatch francês, o Omni — este é só um dos exemplos.

Sendo assim, Carroll Shelby, acostumado a trabalhar com o Mustang, viu-se diante de um desafio: trabalhar com carros menores, menos potentes e de tração dianteira. O Shelby GLHS é o resultado mais famoso desta parceria, mas não é o único: além dele, houve o Shelby Charger e o Shelby CSX — este, um cupê feito sobre a onipresente plataforma K da Chrysler —, só para citar alguns.

shelby-1 (4)

Isto aconteceu já aconteceu há três décadas e é fato que os entusiastas agradecem até hoje pelo fato de a Shelby voltar a trabalhar com a Ford, mas também é fato que as versões esportivas feitas por Shelby para a Chrysler ajudaram a recuperar a marca economicamente. E, mesmo que não tivesse sido, encontrar quatro Shelby da década de 80 zero quilômetro depois de tanto tempo certamente deve ser incrível.

shelby-1 (7)

Além de dois Shelby CSX — um vermelho 1987 e um preto 1989, também há um Shelby Lancer e uma Shelby Dakota. O Shelby Lancer é baseado no Dodge Lancer. Embora a Dodge e a Mitsubishi tenham uma parceria desde a década de 1970 (rendendo frutos como o Dodge Colt, gêmeo do Mitsubishi Galant; e o Dodge Stealth, versão rebatizada do Mitsubishi 3000GT), o Dodge Lancer nada tem a ver com o Mitsubishi Lancer (muito menos com o Evo).

Não se sabe a história por trás destes carros — todas as informações disponíveis estão na breve descrição publicada pelo vendedor do eBay. Segundo ele, os quatro carros foram comprados da concessionária e desde então, guardados em um ambiente seco e climatizado — todos com adesivos da concessionária, plástico nos bancos e menos de 25 milhas (cerca de 40 km) no hodômetro.

shelby-1 (12)

O anúncio ainda diz que ainda dá para sentir o cheiro de carro novo, e que os carros pertencem, cada um, a uma série numerada — todos com o mesmo número: 6. Aparentemente a concessionária fez um acordo com a Shelby para ficar com a primeira unidade disponível para o público de cada modelo.

Quanto aos carros em si, eles são mais obscuros, mas nem por isso devem ser ruins — pelo contrário. Os dois CSX usam motores de 2,2 litros com turbo e intercooler, capazes de entregar 175 cv e 24,2 mkgf de torque — o bastante para ir de 0 a 100 km/h em 6,8 segundos declarados. Equipado com o mesmo motor, porém maior e mais pesado, o Dodge Lancer faz o mesmo em 7,2 segundos.

shelby-1 (6)

Já a Dodge Dakota era feita sobre a versão de entre-eixos curto e usava um V8 de 5,2 litros e… 175 cv, como os quatro-cilindros turbinados, porém com um pouco mais de torque — pouco mesmo, 37,3 mkgf. Foi o suficiente para que a Shelby Dakota fosse a picape mais potente do mundo na época, e abrisse caminho para modelos realmente esportivos, como a famosa GMC Syclone.

Os carros ainda não fizeram trinta anos — caso tenha se interssado, desista de tentar trazê-los. De qualquer forma, o dono pede pelo lote de quatro carros (que acompanham seus certificados de autenticidade originais emitidos pela Shelby) a bagatela de US$ 120 mil — aproximadamente R$ 304 mil — ou “a melhor oferta”. O que esperamos é que alguém compre estes carros e os coloque para andar — carro nenhum merece ficar parado, mesmo que seja um Shelby “lado B”.

[ eBay ]

Matérias relacionadas

Este é um Mini Cooper 1978, com volante do lado direito, à venda no Brasil!

Dalmo Hernandes

Este Porsche 924 Turbo 1981 é raro, íntegro, original e está à venda no Brasil

Dalmo Hernandes

Gurgel BR-800 à venda: eis a sua chance de colocar um carro popular 100% brasileiro na garagem

Dalmo Hernandes