A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Eventos Top

Battle of the Builders: os dez melhores projetos do SEMA Show 2016

A maior feira de carros modificados do planeta chegou ao fim de sua edição de 2016, na qual mais de 60.000 pessoas puderam conferir de perto as últimas tendências do aftermarket e, principalmente, centenas de carros preparados – que são as verdadeiras estrelas do evento, no fim das contas.

Sem dúvida que um dos projetos mais comentados de todos os presentes no SEMA Show 2016 foi o Underdog U3, Maverick de Sung Kang que mistura influências americanas, japonesas, europeias e até mesmo brasileiras em um carro realmente impressionante – seja por causa do motor 2.3 turbo Ecoboost (uma homenagem ao nosso Maveco quatro-cilindros), seja apesar dele.

Sung, no entanto, decidiu não se inscrever na competição que acontece dentro do SEMA Show para escolher o melhor carro do evento. O SEMA Battle of Builders é aberto para qualquer um que tenha um carro exposto no showroom em Las Vegas. Então, um time de juízes escolhe os dez melhores, que votam entre si para decidir quem é o vencedor.

Ou seja: os dez carros que estão aqui formam a lista dos dez melhores do SEMA Show, escolhidos pelos organizadores do evento. Podem não ser seus ou nossos favoritos, mas todos certamente são impressionantes.

 

Chevrolet Chevelle Onyx 1967 – The Roadster Shop

1967 Chevy Chevelle Onyx 23613

Partindo de um Chevrolet Chevelle 1967 – para muitos, um dos modelos mais bonitos – os caras da The Roadster Shop criaram um monstro. O motor é um V8 small block Chevrolet da Wegner Motorsports com compressor e nada menos que 870 cv.

O visual é o clássico do street rod: suspensão rebaixada, rodas maiores (um jogo de RS Forgeline RS6) e pneus com faixa vermelha; pintura preta impecável contrastando com os detalhes cromados dos para-choques e grade; e interior todo revestido de vermelho.

 

Willys Coupe 1941 – Detroit Speed

1941 Willys 2Door Coupe 23719

O Willys Coupe 1971 foi encomendado à oficina Detroit Speed por um casal. Mike e Janie Braswell são entusiastas de verdade, e queriam que seu carro, que havia passado a maior parte de sua vida em arrancadas, voltasse a rodar nas ruas.

O carro se transformou em um hot rod modernizado, com um V8 Chevrolet de sete litros debaixo do capô, pintura negra impecável, para-lamas alargados, suspensão completamente refeita e uma gaiola de proteção de oito pontos no interior – que, aliás, ficou matador com o acabamento preto minimalista.

 

Chevrolet Camaro G-Code 1969 – Ringbrothers

1969 Chevy Camaro Ring Bros

Mike e Jim Ring, da Ringbrothers, se inscreveram com dois carros na competição. O primeiro deles é este Chevrolet Camaro 1969, chamado G-Code. O motor é um small block LS3 que teve o deslocamento ampliado para 416 pol³ (6,8 litros) e, com compressor mecânico, é capaz de entregar “mais de 1.000 cv”.

O visual funde muito bem elementos clássicos e modernos: as linhas da carroceria não sofreram grandes alterações, mas foi instalado um kit aerodinâmico exclusivo, além de um jogo de rodas maiores e mais largas e de novos espelhos retrovisores, de visual atual. Apesar dos contrastes, todas as partes do projeto conversão bem entre si e o resultado estético é bem interessante.

 

Cadillac 1948 Madam V – Ringbrothers

1948 Cadillac 22351

Mas foi o outro projeto que a Ringbrothers levou para o SEMA Show que realmente roubou a cena. Se a carroceria diz aos olhos que se trata de um Cadillac 1948, logo vem a bomba: na verdade, trata-se de um Cadillac ATS-V 2016, rival do BMW M3 e do Mercedes-Benz C63 AMG, dotado de um V6 biturbo de 470 cv.

Na verdade, foram usados componentes de quatro carros para montar o Madam V: um par de Cadillac 1948, um ATS-V 2015 e um ATS-V 2016 zero-quilômetro.

Uma carroceria foi feita com painéis modificados dos dois Cadillac antigos, enquanto a estrutura de um dos ATS-V (a Ringbrothers ainda não esclareceu qual foi a contribuição de cada um dos carros no projeto) foi alongada em 35 cm, a fim de acomodar carroceria. Naturalmente, a carroceria também recebeu modificações – os pneus e as bitolas do ATS-V são mais largos. No fim das contas, o encaixe ficou perfeito. Ainda que o visual divida opiniões, certamente o tanto que este carro deve andar será unanimidade.

 

Ford F-150 Raptor – Brad DeBerti

2017 Ford Raptor 22200

Brad DeBerti, da DeBerti Design, foi o jovem customizador contratado pela Ford para modificar uma F-150 Raptor 2017 – o único exemplar do modelo que a fabricante levou para o SEMA Show.

A gente curtiu o estilo: uma customização estética minimalista, com tudo em preto fosco, faróis auxiliares no teto, suspensão elevada e interior aliviado, equipado com uma gaiola de proteção de oito pontos feita sob medida. A cereja do bolo são os para-lamas alargados para acomodar os gigantescos pneus de 40” de diâmetro. O V6 biturbo Ecoboost de 460 cv foi mantido original, recebendo apenas um sistema de admissão de ar frio e novo escapamento.

 

Chevrolet 1961 “Double Bubble” – Joe Greening

1961 Chevy 2Door Sedan

Esta perua Chevrolet 1961 começou sua vida como um Impala sedã de duas portas. De acordo com Greening, nenhum dos painéis da carroceria escapou de modificações, e diversas peças foram usinadas – as roda, inclusive.

O interior foi todo revestido em couro, até o porta-malas, enquanto o motor é um V8 de 6,7 litros com corpos de borboleta individuais e injeção eletrônica.

 

Chevrolet Camaro 1969 “Under Pressure” – Cam Miller/HS Customs

1969 Chevy Camaro Cam Miller

O Chevrolet Camaro 1969 foi o vencedor do Battle of the Builders, escolhido pelos próprios finalistas. De fato, trata-se de um projeto extremamente criativo, com pintura branca fosca, rodas douradas, uma nova grade usinada e faróis com projetores. A carroceria foi toda alisada, e a suspensão a ar dá conta de garantir o stance característico.

O interior foi completamente transformado, mesclando elementos modernos com componentes feitos sob medida. O visual é único, sem dúvida, mas talvez o aspecto geral tenha ficado um tanto inovador demais para nosso gosto. Nada pessoal, claro.

Além disso, o motor compensa: é um V8 LSX de 454 pol³ (7,4 litros) equipado com um par de turbocompressores Nelson Racing e acoplado a uma caixa automática Hughes 4L80E de quatro marchas. Considerando o histórico da Nelson Racing Engines, podemos apostar seguramente que este motor arranha os 1.000 cv.

 

Honda Prelude 1991 Martini – Big Mike

1992 Honda Prelude 24843

Meio que perdido entre tantos muscle cars está o Honda Prelude 1992 de Big Mike, nome conhecido na cena import americana. Seu Honda Prelude, que já teve algumas encarnações diferentes e até um motor naturalmente aspirado preparado pela Bisimoto, apareceu no SEMA 2016 com pintura cinza, um novo body kit e, para arrematar, decoração com as cores da Martini Racing. Que, por acaso, também são as cores do Flatout!

Agora o motor de dois litros é sobrealimentado por um turbocompressor Garrett GTX28. Mike diz que sua inspiração foram os carros que competiam em provas de turismo na Europa e no Japão da década de 1990 – o que é visto não apenas do lado de fora, mas também no interior com rollcage integral, revestimento todo em Alcantara (no painel de instrumentos, inclusive) e cluster digital.

 

Jeep FC170 1958 – Mark Turner

1958 Jeep FC170

Até pouco tempo atrás este Jeep Forward Control 170 tinha largartas no lugar de pneus, como um verdadeiro tanque de guerra. Agora, ele tem pneus lameiros, mas continua fodástico: além da pintura verde igual à do Dodge Viper ACR (como costumamos dizer, nosso tipo de carro verde), ele tem um Hemi de 5,7 litros abaixo da cabine.

O motor é acoplado a uma caixa automática de cinco marchas Dodge e uma caixa de transferência Jeep, garantindo a tração necessária. E, claro, os pneus ceder seu lugar de volta às lagartas a qualquer momento.

 

Toyota Prius G – Gordon Ting

2016 Toyota Prius 24800

Encomendado pela Toyota, este é um Toyota Prius que a gente gostaria de acelerar. Inspirado na versão de corrida GT300, ele pode não ter um motor V8, mas tem pintura com as cores da TRD, novo kit aerodinâmico e rodas Volk TE37 de 18×10,5” na dianteira e 18×9,5” na traseira.

O foco do projeto é a aderência e a estabilidade. De acordo com a fabricante, o Prius G é capaz de atingir até 1G de aceleração lateral, colocando-no ao lado de caras como o Nissan GT-R, o Chevrolet Corvette e o Dodge Viper. Mesmo que seja um pouco de exagero, não dá para dizer que o visual ficou ruim.

Matérias relacionadas

Que segredos possui este Astra GSi para fazer curvas como um superesportivo?

Juliano Barata

Um legítimo Audi Quattro de rali é a melhor forma que existe de gastar R$ 700 mil

Dalmo Hernandes

Fiat Seicento Michael Schumacher: o pequeno “hot hatch” de 54 cv assinado pelo heptacampeão mundial de F1

Dalmo Hernandes