A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Motos

BMW R5: a beleza atemporal de uma das motos mais inovadoras da história

A BMW apresentou nesta semana a belíssima R18 e, honestamente, há tempos não via um design retrô executado de forma tão impressionante em uma moto. À primeira vista ela parece uma motocicleta bem mais antiga, feita na década de 1930.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Até mesmo o motor, o mais recente boxer desenvolvido pela BMW, tem estética retrô e, sozinho, já parece uma obra de arte.  Só depois de examinar os detalhes – farol de LED, a tipografia moderna dos emblemas, a suspensão monoshock quase escondida, os comandos no guidão – é que você percebe que se trata de uma moto feita em 2020.

No caso do conceito, mostrado em meados de 2019, o ar retrô fica ainda mais acentuado pela ausência destes elementos obrigatórios.

Isto só é possível porque, diferentemente dos carros, as motos não têm sua estética ditada por questões de engenharia e segurança – afirmando o óbvio, as motos não têm carroceria, zonas de deformação programada ou reforços estruturais. À parte as evoluções técnicas e estilísticas, o layout básico de uma moto permanece o mesmo desde que a motocicleta foi inventada.

A BMW R18, no caso, traz inspiração direta de um modelo específico da BMW Motorrad – a R5, que foi produzida por apenas dois anos, entre 1936 e 1937, e teve 2.652 exemplares fabricados. De fato, colocando as duas motos lado a lado, é incrível pensar que elas são separadas por mais de oito décadas.

A BMW R5 era, tecnicamente, uma versão mais dócil e legalizada para as ruas das motocicletas de competição da BMW, como a Type 255 Kompressor. A construção era a mesma, bem como o design básico de tanque, para-lamas e outros elementos; mas a R5 tinha farol, lanternas, buzina e partida a pedal. Esta proximidade com as BMW de competição era o grande trunfo da R5.

O quadro era do tipo berço duplo, feito tubos de aço soldados – antes dela, as motos da BMW usavam chapas de metal prensadas. Como isto, conseguia-se um quadro mais leve e resistente, e a técnica também permitia mais liberdade com as formas. A partir dali, a construção tubular tornou-se padrão na BMW Motorrad.

O motor era diferente da moto de corrida, porém – em vez de um avançado boxer com comando duplo nos cabeçotes e supercharger como na Type 255, a BMW R5 apostava em um flat-twin de 494 cm³ (curso e diâmetro de 68 mm) com 24 cv a 5.500 rpm. Era um motor todo de alumínio e bastante compacto – note como havia um vão livre entre o motor e o quadro, característica estética que acabou se tornando uma das coisas mais bacanas da R5.

O motor era acoplado a outra inovação: um câmbio de quatro marchas operado pelo pé esquerdo do piloto – algo que era incomum em motos de rua na época. Até a chegada da R5, as pessoas achavam normal ter um pedal de embreagem e uma alavanca de câmbio nas motos, exigindo que o motociclista tirasse a mão do guidão para trocar de marcha. Em uma curva, trocar a marcha acabava exigindo que o condutor se concentrasse mais para não perder o equilíbrio e não errar a marcha. Era contra-intuitivo e nem um pouco prático, mas era assim que as coisas funcionavam. A BMW pensou: “se o câmbio no pé é bom para as pistas, também é bom para as ruas” e, sem cerimônia, adotou o sistema na R5.

Um detalhe interessante era o a alavanca da neutra, que ficava do lado direito e foi utilizado em todas as motos da BMW até 1955. Com ele, podia-se colocar a moto na marcha neutra mais rapidamente – bastava pressionar a embreagem e acioná-la.

Pesando 165 kg, a BMW R5 era uma moto ágil e fácil de conduzir. A suspensão dianteira tinha garfo telescópico e amortecedores ajustáveis com reservatório externo de óleo – a maior revolução da R5, que logo em seguida foi adotada em massa pela indústria – e melhorava consideravelmente a absorção de impactos e a estabildiade da moto. Contudo, ainda não havia suspensão traseira: a R5 era uma “rabo-duro” (razão pela qual, aliás, era possível o uso de um eixo não-articulado para transmitir a força do motor para a roda traseira).

Com tudo isto, a BMW R5 era uma das motos mais sofisticadas e caras que o dinheiro poderia comprar na época. Enquanto ela era fabricada, porém, a BMW já trabalhava em sua sucessora, que era em essência uma evolução do projeto, e empregava e um sistema de suspensão traseira com dois amortecedores telescópicos verticais que tornou o rodar bem mais confortável.

Verdade seja dita: a BMW poderia ter se inspirado em qualquer uma de suas motocicletas clássicas da linha R – todas elas eram belíssimas. Mas a R5 foi escolhida por sua importância – ela simplesmente revolucionou a indústria e colocou a BMW Motorrad no primeiro escalão das fabricantes de motos.

Na verdade, a fabricante já vinha brincando com a ideia de reviver a R5 havia algum tempo. Em 2016, antes de apresentar o conceito da R18, a fabricante mostrou no Goodwood Festival of Speed a R5 Hommage, em comemoração dos 80 anos da moto original.

Usando o motor de uma R5 que havia sofrido um acidente em uma corrida, a BMW Motorrad construiu uma moticicleta totalmente nova, com quadro, tanque e outros elementos feitos artesanalmente por sua divisão de veículos históricos. O motor recebeu um supercharger, os amortecedores dianteiros foram feitos sob medida com visual clássico e performance atual, e a traseira recebeu um sistema de suspensão monoshock ajustável. Os freios passaram a usar discos modernos e as ponteiras de escape receberam acabamento de fibra de carbono.

Eu não estranharia se a BMW dissesse que o projeto da R5 Hommage foi que acendeu a chama para a criação da R18, aliás – me parece uma bela evolução natural. Que não seja a última vez que o passado inspira uma criação da BMW Motorrad tão diretamente.

Matérias relacionadas

Estas são as motos de rua mais potentes que se pode comprar hoje em dia

Dalmo Hernandes

Divindades nas máquinas: as incríveis motos customizadas Deus Ex Machina

Dalmo Hernandes

NMoto Nostalgia: um tributo à BMW R7, uma das motos mais bonitas do planeta

Dalmo Hernandes