A história da Honda na Fórmula 1

Leonardo Contesini 3 outubro, 2014 65
A história da Honda na Fórmula 1

Nesta semana a Honda apresentou seu novo motor V6 turbo que será usado na temporada de 2015 da Fórmula 1 pela  McLaren, revivendo uma das parcerias mais bem sucedidas da história do automobilismo. Antes da McLaren, a Honda também teve uma parceria vencedora com a Williams, a primeira grande equipe a utilizar estes propulsores japoneses.

A presença da Honda na Fórmula 1, contudo, tem uma origem mais garagista e uma trajetória fascinante. Vamos recapitular esta história.

 

O início: Honda Racing Company — 1964 a 1968

Nascida como fabricante de motocicletas, a Honda formou sua equipe de Fórmula 1 em 1964, apenas um ano depois do lançamento de seu primeiro carro, o S500. A equipe era completamente japonesa, com exceção da dupla de pilotos, os americanos Ronnie Bucknum e Richie Ginther.

Os novatos japoneses surpreenderam por ter construído seus próprios motores e chassis, algo que só a Ferrari e a BRM haviam feito até então, especialmente em uma época na qual o Japão ainda não tinha o status tecnológico atual. O RA271 tinha um V12 transversal e foi o primeiro carro japonês de Fórmula 1. O primeiro pódio veio na temporada seguinte, no GP do México de 1965 vencido por Richie Ginther.

3282-640x465

A equipe, contudo, só voltaria ao topo em 1967, quando John Surtees venceu o GP da Itália a bordo do RA301, apelidado de “Hondola” pela imprensa devido ao chassi desenvolvido pela Lola.

2764-640x312

No ano seguinte Surtees ainda conquistou outros dois pódios com o Hondola, antes de a equipe introduzir um novo carro, o RA302. Em sua corrida inaugural, o GP da França de 1968 em Rouen-Les-Essarts, o piloto Jo Schlesser perdeu o controle do carro e sofreu um acidente fatal que motivou a fábrica a se retirar da Fórmula 1 ao fim da temporada.

 

Os anos de ouro — 1983 a 1992

Em 1983 a Honda voltou à Fórmula 1 como fornecedora de motores, incialmente para a pequena Spirit, e na última etapada do campeonato para a Williams, que abandonou o Cosworth DFV aspirado em favor do Honda V6 turbo.

Na temporada seguinte a Williams tornou-se a única equipe a usar os motores Honda. Keke Rosberg venceu o GP de Dallas e conquistou a primeira das 40 vitórias dos motores da fabricante na era turbo.

1984_Dallas_06_K_Rosberg_Williams_FW09_Honda-640x422

Em três anos os motores Honda já haviam se tornado os mais confiáveis e econômicos do grid. Ainda equipando os carros da Williams eles fomentaram o duelo entre Nigel Mansell e Nelson Piquet e levaram a equipe ao título mundial de construtores de 1986.

piquet-e-mansell-640x360

No ano seguinte a Honda passou a fornecer motores para a Lotus, que tinha Ayrton Senna como principal piloto. Foi o início da relação entre Senna e os japoneses da Honda que, dizem, ter sido fundamental para a parceria com a McLaren no ano seguinte. Com o novo motor Senna ficou em terceiro lugar no campeonato de pilotos.

Jalopnik-2013-05-16-às-14.17.30-640x426

O duelo entre Mansell e Piquet se repetiu em 1987, com vantagem para o brasileiro. A Williams conquistou seu segundo título de construtores consecutivo, enquanto Piquet faturou seu tri-campeonato.

1987_GB_06-640x429

Com o sucesso dos Williams-Honda e o fracasso dos motores TAG-Porsche, a McLaren passou a usar os motores Honda em 1988. Junto com os motores veio Ayrton Senna, que enfim conseguiu a combinação ideal de chassi (MP4/4) e motor (RA168) e ganhou seu primeiro título mundial.

O McLaren MP4/4 usava como base um antigo projeto de Gordon Murray feito ainda na Brabham (contamos a história neste post). Com uma linha mais baixa na porção traseira para reduzir o arrasto aerodinâmico, o carro era brilhante no papel, mas só funcionou com a chegada dos motores V6 de 80º da Honda, que mantinham o centro de gravidade mais baixo. Venceu 15 das 16 corridas da temporada e os campeonatos de pilotos e construtores.

IMGP465-640x448

Em 1989 a Lotus perdeu o fornecimento da Honda, que passou a fazer seus motores exclusivamente para a McLaren. O V10 de 3,5 litros manteve o equilíbrio entre desempenho e confiabilidade do antecessor turbinado e levou a McLaren ao bicampeonato de construtores e Alain Prost ao seu terceiro título. O motor permaneceu o mesmo até 1990, quando Ayrton Senna sagrou-se bicampeão e a McLaren levou o tricampeonato consecutivo de construtores.

A Honda ainda forneceria uma versão V12 para a McLaren que equipou o MP4/6, usado por Ayrton Senna na conquista de seu terceiro título em 1991. Com a ajuda de Gerhard Berger a equipe faturou o quarto título seguido, o sexto da Honda em seu retorno à categoria. Uma variação do V12 foi usada em 1992, mas ao fim da temporada a Honda sofreu os efeitos do período de recessão econômica e cancelou suas atividades ligadas à Fórmula 1.

Honda_RA121E_engine_Honda_Collection_Hall-640x514

 

A volta da equipe de fábrica — 2006 a 2008

Depois de oito anos fora da F1 a Honda anunciou o fornecimento de motores para a British American Racing (BAR) em 2000. Em 2004 os japoneses compraram 45% da equipe e chegaram ao vice-campeonato de construtores, atrás apenas da então onipotente Ferrari. No fim de 2005, a Honda adquiriu os 55% da equipe que ainda pertenciam à British American Tobacco, formando a Honda Racing F1 Team.

Com controle da própria fábrica e uma dupla de pilotos formada pelo jovem talento Jenson Button e pelo experiente Rubens Barrichello, recém saído da Ferrari, a equipe parecia promissora, mas decepcionou com apenas uma vitória — uma belíssima vitória, por sinal, conquistada por Jenson no GP da Hungria de 2006 largando da 14ª posição.

800px-Button_BAR_qualifying_at_USGP_2005-640x260

Em 2007 a equipe perdeu o patrocínio da British American Tobacco (Lucky Strike). Sem dinheiro e com um carro incapaz de acompanhar os times de ponta — e até mesmo novatos como a Super Aguri, que usou os carros da temporada anterior da Honda — a equipe não passou do 10º lugar.

barr_inte_hond_2008_helmet_2-640x426

Ross Brawn e Nick Fry foram trazidos da Ferrari para renovar a equipe e torná-la competitiva, mas a crise econômica mundial mais uma vez abalou a fabricante japonesa. Ao fim da temporada a equipe foi vendida para Ross Brawn, tornando-se a Brawn GP, que disputou sua única e vitoriosa temporada com motores Mercedes. Ao fim da temporada a fabricante alemã posteriormente comprou a Brawn e a transformou na atual Mercedes-AMG.

 

Revivendo os bons tempos?

Em 15 de maio de 2013 a Honda anunciou que voltaria a fornecer motores V6 turbo para a McLaren a partir de 2015. A expectativa é reviver a bem-sucedida parceria entre 1988 e 1992, que rendeu 44 vitórias, quatro títulos de pilotos e quatro de construtores.

Como eles pretendem fazer isso? Ao que tudo indica eles contarão com acesso a todos os dados de desenvolvimento e desempenho dos motores Mercedes ao longo desta temporada — que por sorte são os melhores do grid — e, segundo boatos, com a ajuda da experiência de Fernando Alonso, que pode estar saindo da Ferrari para defender a McLaren.

lch6hbhcaiarqi1reqwq

[Fotos: Honda, Honda F1, LAT Photography, Wikimedia Commons]