A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Lançamentos Zero a 300

Bugatti Divo: um Chiron mais leve, mais rápido e mais exclusivo que custa R$ 24 milhões

Faz pouco mais de um mês que a Bugatti anunciou um novo superesportivo, pegando todo mundo de surpresa – assim, tão rápido? No entanto, não demoraria para ficar claro que o chamado Bugatti Divo seria, na verdade, feito com base no Chiron. Ao que a fabricante logo acrescentou que, apesar disso, o novo hipercarro seria bem diferente.

Depois de soltar alguns teasers (até que não foram tantos), a Bugatti enfim revelou hoje (24) o Divo. E ele é mesmo diferente do Chiron, embora nem tanto – suas proporções gerais deixam bem claro o parentesco entre os dois carros. O que é compreensível: de acordo com a Bugatti, o Divo reprenta um retorno à tradição do coachbuilding – pela definição da própria fabricante, a arte de pegar um chassi já existente e dar a ele uma nova carroceria, como a própria Bugatti fazia nas décadas de 1920 e 1930. O resultado nem sempre era radicalmente diferente, mas tinham características próprias suficientes para ser considerados exclusivos, ou mesmo “únicos”. Que o diga o Bugatti Type 57 Atlantic, com suas várias versões.

bugatti_divo_37_035f011509a10663 bugatti_divo_71_037000c10a2a06d4

No caso do Divo, a inspiração para o nome também vem daquela época. Albert Eugène Divo, nascido em Paris, foi um piloto que começou sua carreira em 1919 com carros da Sunbeam e da Talbot-Darracq. Só em 1928 ele entrou para a equipe da Bugatti, onde marcou presença: já naquele ano ele venceu a Targa Florio, importante corrida de longa duração disputada em vias públicas na Europa, com o Bugatti Type 35B. E repetiu o feito no ano seguinte. Ele ainda ficou com o terceiro lugar nas 24 Horas de Spa.

Ao batizá-lo com o nome de um piloto importante em sua história, a Bugatti ligou seu novo hipercarro a seu passado nas pistas – algo que nunca havia sido feito desde que a marca foi comprada pela Volkswagen, em 1998. A Bugatti, que sequer mencionava tempos de volta, declarou que o Divo é oito segundos mais rápido que o Chiron no traçado misto do circuito de Nardò (não no traçado circular, onde costumam ser realizados testes de velocidade máxima). Dito isto, os tempos em si não foram divulgados – nem do Chiron, nem do Divo.

Um ponto importante: o conjunto mecânico do Bugatti Divo é exatamente o mesmo do Chiron. Isto quer dizer que o hipercarro tem o mesmo motor W16 de oito litros com quatro turbos, 1.500 cv a 6.700 rpm e 163,15 mkgf de torque entre 2.000 e 6.000 rpm; e o mesmo câmbio de dupla embreagem e sete marchas com tração integral. As mudanças se concentraram nos elementos aerodinâmicos e no acerto de suspensão, sobre os quais vamos falar mais adiante.

bugatti_divo_2_01dd014d0c4b0873

bugatti_divo_3_02ff015209d906a4bugatti_divo_9_01a200960c8b085d

Antes, vamos comentar o visual. Como já foi observado, o formato geral do carro ainda lembra bastante o Chiron. Especificamente três elementos foram mantidos: a grade em formato de ferradura, a linha curva na lateral (ainda que esta tenha ficado mais fechada e agressiva) e a “barbatana no teto” – as três coisas que, segundo a marca, identificam um Bugatti moderno.

bugatti_divo_64 bugatti_divo_52

Dito isto, há um body kit bem mais agressivo, com entradas de ar maiores e angulares ao lado da grade, respiros nos para-lamas, dutos no capô dianteiro, um spoiler dianteiro maior e saias laterais bem mais salientes. Os faróis são radicalmente diferentes, é verdade: em vez dos retângulos iluminados em cavidades horizontais, eles agora são peças verticais com formato de “C”, iluminados por LEDs que ficam atrás de uma lente difusora, iluminand0-se por completo. Aparentemente há luzes auxiliares nas fendas horizontais na parte interna dos faróis.

Já a traseira conseguiu ficar ainda mais impressionante que no Chiron. As lanternas fazem parte da grade traseira – inúmeras placas translúcidas impressas em 3D formam a peça, e 44 destas placas se iluminam por LEDs para compor as lanternas. Nas bordas externas as placas são mais largas, criando uma luz mais intensa. Em direção ao centro do carro, as placas vão ficando mais estreitas, resultando em uma luz gradualmente mais suave. Mesmo em fotos o resultado estético é impressionante, e é incrível que a Bugatti tenha conseguido homologar as lanternas para uso nas ruas.

bugatti_divo_30 bugatti_divo_1_02ff031909f506d4

Dito isto, a fabricante faz questão de dizer que as formas do Divo seguem sua função. Segundo a Bugatti, cada elemento externo do carro contribui para melhorar a eficiência aerodinâmica e aumentar o downforce. De fato, apesar de ser um carro mais largo graças ao spoiler e as aletas nas extremidades dos para-choques, o Divo tem uma área frontal menor que o Chiron, resultando em um menor coeficiente aerodinâmico.

O spoiler dianteiro aumenta o downforce e leva mais ar para as aletas dianteiras, que guiam o fluxo de ar em direção aos radiadores e também aos freios. Estes recebem ar de quatro canais independentes em diferentes áreas do carro: o ar escorre da zona de alta pressão acima do para-choque dianteiro, dos dutos nos para-lamas dianteiros, de um duto na grade frontal e dos difusores à frente dos pneus. O fluxo de ar frio é direcionado destas quatro fontes por aletas, que o despejam diretamente sobre os freios. Também há um escudo de calor em cada uma da rodas que escoa o ar quente através delas, evitando que os freios superaqueçam e ajudando os pneus a ficarem sempre na temperatura ideal. Vale lembrar que este sistema já é usado no Chiron, mas no Divo sua eficiência é aumentada pelo vácuo gerado pela cortina de ar que formada pelos pneus do carro em movimento.

bugatti_divo_31

Também há um enorme duto NACA no teto, que abriga uma entrada de ar para o motor. Esta trabalha em conjunto com a tampa do cofre, cujo desenho foi concebido especialmente para aumentar o fluxo de ar frio para o compartimento onde fica o W16.

Seguindo em direção à traseira, o Divo conta com uma nova asa ajustável em altura. Ela atua como freio aerodinâmico quando posicionada para a frente, e assume um ângulo diferente em cada um dos modos de direção (EB, Autobahn e e Handling). A asa tem 1,83 m de largura, sendo 23% mais larga que no Chiron. Desse modo ela contribui significativamente para o aumento da downforce, ao que também serve o novo difusor traseiro (que abriga quatro saídas de escape). Além disso, o duto NACA no teto trabalha em conjunto com a barbatana fixa no teto e com a asa traseira para evitar turbulência sobre a região posterior do carro.

bugatti_divo_40

Segundo a Bugatti, todas estas medidas proporcionam 456 kg de downforce, ou seja, 90 kg a mais que no Chiron. A aceleração lateral também é impressionante, chegando a 1,6G. Para se ter ideia, a aceleração lateral do Porsche 911 GT2 RS é de 1,17G.

A Bugatti afirma que o principal objetivo com o Divo foi melhorar o desempenho nas curvas, embora tenhamos ficado um pouco decepcionados (porém nem um pouco surpresos) com a ausência de menções à performance do hipercarro na pista. A fabricante diz, em vez disso, que alterou o ângulo de cambagem das rodas, e que ajustou os sistemas de direção e suspensão para assegurar respostas mais diretas e “comportamento dinâmico significativamente mais esportivo” nos três modos de direção. Como resultado desta filosofia, a velocidade máxima do Bugatti Divo é limitada em 380 km/h e não há modo “Top Speed”.

Por outro lado, o Divo é 35 kg mais leve que o Bugatti Chiron graças à adoção de rodas mais leves, intercooler com cobertura de fibra de carbono, suportes mais leves para o spoiler dianteiro e um sistema de som mais leve. Além disso, o Bugatti Divo traz menos isolamento acústico e elimina porta-objetos no console central e nas portas. Falando no interior, o Bugatti Divo tem um interessante acabamento bicolor: o lado do motorista é revestido em boa parte com Alcantara azul “Divo Racing Blue”, enquanto o lado do carona é predominantemente acinzentado.

bugatti_divo_10 bugatti_divo_822

Ao que tudo indica não há opções de personalização: todo Bugatti Divo aparentemente será cinza “Divo Grey”, com detalhes em fibra de carbono azul petróleo de alto brilho e “Divo Racing Blue”. Por dentro a fibra de carbono exposta também é azul, porém com acabamento fosco, e há detalhes em metal e Alcantara cinza. Dito isto, não duvidamos que os proprietários do Bugatti Divo possam pagar um extra para conseguir novas combinações de cores e materiais.

bugatti_divo_11 bugatti_divo_20_000001110a6f0856

Quanto aos proprietários e valores, aliás: a Bugatti diz que a produção limitada do Divo, de 40 unidades, já está esgotada – o carro foi oferecido a uma seleta parcela de donos de Bugatti pelo mundo e todos eles compraram o carro na hora. Por quanto? Nada menos que € 5.000.000. CINCO MILHÕES DE EUROS. Convertendo diretamente, são cerca de R$ 23,9 milhões.

 

Matérias relacionadas

Volkswagen lança Golf Variant manual, Prefeitura de SP pode ter usado dinheiro de multas de forma irregular, Bugatti Chiron flagrado de frente e mais!

Leonardo Contesini

Dobro da potência, injeção de água e metanol: o Citroën DS3 preparado de Luiz Otávio Mesquita é um canhão de bolso

Juliano Barata

Toyota Hilux ganha novo visual, Bugatti Divo terá asa fixa e barbatana aerodinâmica, The Grand Tour agora é um game para Xbox e Playstation e mais!

Leonardo Contesini