A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Técnica Zero a 300

Calibrar os pneus do seu carro com nitrogênio é mesmo uma boa?

Quando você espeta a mangueira do calibrador na válvula da roda do carro, você está preenchendo o pneu com uma mistura de nitrogênio, oxigênio, uma quantidade minúscula de gases nobres, um pouco de gás carbônico e até água em estado gasoso.

Se você prestou atenção nas aulas no ensino fundamental, provavelmente lembra que tudo isso é simplesmente a composição do ar atmosférico, que respiramos o tempo todo. E se você fez a lição de casa direitinho, também vai lembrar que cada elemento que compõe o ar tem suas próprias características físico-químicas.

É por isso que a pressão dos pneus do carro varia com a temperatura: ao ser aquecido o ar se expande, aumentando a pressão interna. Ao ser resfriado, o volume diminui, diminuindo também a pressão. Essa variação se deve principalmente à expansão e contração do oxigênio e do vapor de água. Estima-se que a pressão varia cerca de 1 psi a cada 5º C e, por esse motivo se recomenda calibrar os pneus ainda frios.

Em carros de passeio essa variação não afeta significativamente seu desempenho e dinâmica, porém em carros de corrida a estabilidade da pressão é fundamental no acerto e no desempenho dos pneus. Daí veio a ideia de usar um fluido mais estável para calibrar os pneus. Algo como o nitrogênio.

O nitrogênio é um gás inerte, ou seja, não reage naturalmente com outros elementos. Suas propensão à difusão é menor que a do oxigênio, por isso ele teoricamente “vazaria” mais lentamente que ar comprimido. Além disso, o nitrogênio sofre menos variação de volume quando aquecido ou resfriado.

les-schwab-nitrogen-filled-tires-H

Ao encher os pneus com nitrogênio as equipes notaram muito menos alterações de pressão, mesmo com a variação térmica causada pelo uso intenso na pista. O fato de se difundir mais lentamente pelos poros dos pneus também colaborou com essa estabilidade da pressão.

oxinitro

Como muitas soluções do automobilismo, a ideia de calibrar os pneus com nitrogênio logo chegou às ruas, porém com benefícios um pouco diferentes.

Como dissemos mais acima, a pequena variação da pressão causada pela expansão/contração do ar atmosférico não afeta significativamente o desempenho do carro de passeio, mas o uso do nitrogênio puro mantém a calibragem correta por mais tempo.

O principal benefício acontece a longo prazo – algo que não existe em pneus de corrida. O oxigênio contido no ar comprimido é o elemento responsável pela oxidação de materiais como borracha e ferro. O processo é agravado pelo contato com a umidade presente no ar. A oxidação do ferro é a combinação do ferro ao oxigênio, algo que chamamos de ferrugem e que ocasiona a corrosão — que, por sua vez, também pode danificar a válvula da roda ou as paredes dos pneus, ocasionando vazamentos.

Com o nitrogênio puro, tais problemas simplesmente não ocorrem.

Não é à toa que, em diversas categorias do automobilismo, como a Fórmula 1, os pneus costumam ser calibrados com nitrogênio ou ar desumidificado (a umidade presente no ar é condensada e drenada; muitos compressores de ar já vêm com sistemas integrados de desumidificação), que também reduz bastante o risco de oxidação. O nitrogênio também é utilizado em pneus de aviões.

 

Vale a pena usar em meu carro?

Na prática, o nitrogênio será responsável por uma pequena economia de combustível por manter a pressão correta por quase o dobro do tempo. Além disso, por prevenir a oxidação, o nitrogênio também ajuda a reduzir o desgaste dos pneus em longo prazo.

No entanto, não há nenhuma diferença perceptível no conforto ao rodar ou no desempenho em aceleração e frenagem. Em média, encher um pneu de carro com nitrogênio custa R$ 5 em oficinas e borracharias — ou seja, R$ 20 para os quatro pneus.

Matérias relacionadas

Como funciona o motor sem comando de válvulas da Koenigsegg

Leonardo Contesini

Ultima ganha versão de 1.200 cv com câmbio manual, Corvette C8 terá câmbio de embreagem dupla, a plataforma elétrica Toyota-Subaru e mais!

Iso Autoveicoli, parte 1: de geladeiras a um muscle car europeu – passando por um carro-bolha

Dalmo Hernandes