A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Chevaux fiscaux: por que o Citroën 2CV não tinha mesmo 2 cv?

Não lembro quantos anos tinha quando soube da existência do Citroën 2CV, mas faz tempo. Lembro de duas coisas: imediatamente coloquei aquele curioso francês entre meus carros favoritos, pelo exotismo do design (sempre gostei de carros pequenos e cheios de personalidade); e fiquei impressionado com a potência tão baixa do motor. Só 2 cv!? Como? Se o Fusca 1600 do meu pai tinha 67 cv?

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Demorou um pouco mais para que eu descobrisse que o nome do Citroën 2CV não era uma referência à potência do motor. Na verdade, o Citroën 2CV tinha, na época do lançamento, um motor boxer de dois cilindros com 375 cm³ de deslocamento e 9 cv, e velocidade máxima de 64 km/h. Ele realmente não era muito potente e nem rápido mas, como eu desconfiava, não tinha só 2 cv.

Nos anos seguintes – e o 2CV foi produzido por mais de quatro décadas, de 1948 a 1990 – foram adotados motores maiores e mais potentes. No fim de sua vida, o 2CV vinha com um boxer de 602 cm³ e 30 cv, suficientes para atingir os 115 km/h.

Reiterando: nenhuma variante do 2CV tinha, de fato, 2 cv. Mas por que ele tinha esse nome?

A verdade é que, no caso do Citroën 2CV, o “CV” realmente quer dizer “cavalos” (chevaux). Mas não são os “cavalos-vapor” (chevaux vapeur) que usamos para medir a potência do motor, e sim “cavalos fiscais” (chevaux fiscaux) – uma unidade de medida criada para fins tributários. Também usa-se o termo tax horsepower, em inglês, que quer dizer a mesma coisa.

O conceito de chevaux fiscaux foi introduzido na França após a Segunda Guerra Mundial. Antes do conflito, os franceses eram conhecidos por seus carros grandes e luxuosos, com motores enormes, fabricados por companhias como a Delhaye, a Talbot-Lago e, claro, a Bugatti.

Bugatti Type 49 Drophead Coupe

Depois da Guerra, porém, a França não era mais um cenário propício para carros luxuosos, caros e beberrões – assim como toda a Europa, na verdade. Por isto, o governo francês decidiu regulamentar a fabricação de automóveis criando uma classificação baseada em uma fórmula matemática. Esta fórmula levava em consideração o curso dos pistões e diâmetro dos cilindros, bem como sua quantidade, entre outros fatores. Carros que tivessem menos chevaux fiscaux tinham vantagens tributárias, o que estimularia tanto as fabricantes a desenvolvê-los quanto o público a comprá-los.

A fórmula introduzida em 1956 era a seguinte:

P = K × n × D² × L × ω

Sendo que:

Pcv fiscais
n = número de cilindros
D = diâmetro dos cilindros em centímetros
L = curso dos pistões em centímetros
ω =  rotações por segundo
K = 0,00015

As rotações por segundo eram calculadas com base nas rotações por minuto, e eram definidas de forma quase arbitrária: carros que pesassem menos de 2.250 kg levavam em conta 1.200 rpm, ou seja, ω = 20. Se tivessem mais de 2.250 kg, o número levado em conta era 1.800 rpm, chegando a ω = 30.  Isto posto, para carros com peso entre 1.250 kg e 2.250 kg, ω era igual a 30 se fosse um carro de passeio. Se fosse um veículo de carga ou transporte público, ω era igual a 25. E, para motores a diesel, o resultado da equação deveria ser multiplicado por 0,7.

Vamos usar o 2CV como exemplo. O motor boxer de dois cilindros tinha curso e diâmetro de 62 mm (ou seja, 6,2 cm). Com isto, calculava-se assim:

P = 0,00015 × 2 × (6,2²) × 6,2 × 30

Resultando em P = 2,144952. Arredondando-se para baixo, chegava-se a P = 2. Ou seja, 2CV.

Era meio complicado, não? Por isto, não muito depois que a primeira fórmula foi definida, chegou-se a uma mais simples: P = C × K, onde:

P = cavalos fiscais
= deslocamento em litros
K = coeficiente de 5,7294 para motores a gasolina, ou 4,0106 para motores a diesel

Tomando novamente o Citroën 2CV como exemplo, fica assim:

P = 0,375 × 5,7294

Resultando em = 2,148525. Arrendondava-se para baixo novamente. Bem mais simples.

À medida que o deslocamento do Citroën 2CV foi aumentando, o número de chevaux fiscaux também mudava – e o preço aumentava. Mas a Citroën não iria mudar o nome do carro por causa disso, não é?

Com o passar dos anos, as autoridades francesas foram modificando a fórmula para levar outras variáveis em consideração. Em 1978, a fórmula passou a levar em consideração a teórica do carro a 1.000 rpm em todas as marchas, e o método de cálculo mudava de acordo com o tipo de transmissão – manual ou automática.

Já em 1998, foi adotada uma nova fórmula que compreendia o nível de emissões de carbono em gramas por km rodado e a potência do motor em kW – e é assim até hoje. O cálculo ficou bem mais complexo, e os números de chevaux fiscaux atualmente são muito mais próximos da potência do motor do que na época do Citroën 2CV.

Matérias relacionadas

Il Commendatore: a trajetória de Enzo Ferrari, dos Grand Prix aos carros mais rápidos do mundo – Parte 6

Dalmo Hernandes

Jagston Martin: como o primeiro F-Type da história virou um Aston que virou um Jaguar

Leonardo Contesini

Mega-galeria: encontro de Volkswagen raros e customizados em SP marca lançamento da VW Klassik

Juliano Barata