A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Chevaux fiscaux: por que o Citroën 2CV não tinha mesmo 2 cv?

Não lembro quantos anos tinha quando soube da existência do Citroën 2CV, mas faz tempo. Lembro de duas coisas: imediatamente coloquei aquele curioso francês entre meus carros favoritos, pelo exotismo do design (sempre gostei de carros pequenos e cheios de personalidade); e fiquei impressionado com a potência tão baixa do motor. Só 2 cv!? Como? Se o Fusca 1600 do meu pai tinha 67 cv?

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Demorou um pouco mais para que eu descobrisse que o nome do Citroën 2CV não era uma referência à potência do motor. Na verdade, o Citroën 2CV tinha, na época do lançamento, um motor boxer de dois cilindros com 375 cm³ de deslocamento e 9 cv, e velocidade máxima de 64 km/h. Ele realmente não era muito potente e nem rápido mas, como eu desconfiava, não tinha só 2 cv.

Nos anos seguintes – e o 2CV foi produzido por mais de quatro décadas, de 1948 a 1990 – foram adotados motores maiores e mais potentes. No fim de sua vida, o 2CV vinha com um boxer de 602 cm³ e 30 cv, suficientes para atingir os 115 km/h.

Reiterando: nenhuma variante do 2CV tinha, de fato, 2 cv. Mas por que ele tinha esse nome?

A verdade é que, no caso do Citroën 2CV, o “CV” realmente quer dizer “cavalos” (chevaux). Mas não são os “cavalos-vapor” (chevaux vapeur) que usamos para medir a potência do motor, e sim “cavalos fiscais” (chevaux fiscaux) – uma unidade de medida criada para fins tributários. Também usa-se o termo tax horsepower, em inglês, que quer dizer a mesma coisa.

O conceito de chevaux fiscaux foi introduzido na França após a Segunda Guerra Mundial. Antes do conflito, os franceses eram conhecidos por seus carros grandes e luxuosos, com motores enormes, fabricados por companhias como a Delhaye, a Talbot-Lago e, claro, a Bugatti.

Bugatti Type 49 Drophead Coupe

Depois da Guerra, porém, a França não era mais um cenário propício para carros luxuosos, caros e beberrões – assim como toda a Europa, na verdade. Por isto, o governo francês decidiu regulamentar a fabricação de automóveis criando uma classificação baseada em uma fórmula matemática. Esta fórmula levava em consideração o curso dos pistões e diâmetro dos cilindros, bem como sua quantidade, entre outros fatores. Carros que tivessem menos chevaux fiscaux tinham vantagens tributárias, o que estimularia tanto as fabricantes a desenvolvê-los quanto o público a comprá-los.

A fórmula introduzida em 1956 era a seguinte:

P = K × n × D² × L × ω

Sendo que:

Pcv fiscais
n = número de cilindros
D = diâmetro dos cilindros em centímetros
L = curso dos pistões em centímetros
ω =  rotações por segundo
K = 0,00015

As rotações por segundo eram calculadas com base nas rotações por minuto, e eram definidas de forma quase arbitrária: carros que pesassem menos de 2.250 kg levavam em conta 1.200 rpm, ou seja, ω = 20. Se tivessem mais de 2.250 kg, o número levado em conta era 1.800 rpm, chegando a ω = 30.  Isto posto, para carros com peso entre 1.250 kg e 2.250 kg, ω era igual a 30 se fosse um carro de passeio. Se fosse um veículo de carga ou transporte público, ω era igual a 25. E, para motores a diesel, o resultado da equação deveria ser multiplicado por 0,7.

Vamos usar o 2CV como exemplo. O motor boxer de dois cilindros tinha curso e diâmetro de 62 mm (ou seja, 6,2 cm). Com isto, calculava-se assim:

P = 0,00015 × 2 × (6,2²) × 6,2 × 30

Resultando em P = 2,144952. Arredondando-se para baixo, chegava-se a P = 2. Ou seja, 2CV.

Era meio complicado, não? Por isto, não muito depois que a primeira fórmula foi definida, chegou-se a uma mais simples: P = C × K, onde:

P = cavalos fiscais
= deslocamento em litros
K = coeficiente de 5,7294 para motores a gasolina, ou 4,0106 para motores a diesel

Tomando novamente o Citroën 2CV como exemplo, fica assim:

P = 0,375 × 5,7294

Resultando em = 2,148525. Arrendondava-se para baixo novamente. Bem mais simples.

À medida que o deslocamento do Citroën 2CV foi aumentando, o número de chevaux fiscaux também mudava – e o preço aumentava. Mas a Citroën não iria mudar o nome do carro por causa disso, não é?

Com o passar dos anos, as autoridades francesas foram modificando a fórmula para levar outras variáveis em consideração. Em 1978, a fórmula passou a levar em consideração a teórica do carro a 1.000 rpm em todas as marchas, e o método de cálculo mudava de acordo com o tipo de transmissão – manual ou automática.

Já em 1998, foi adotada uma nova fórmula que compreendia o nível de emissões de carbono em gramas por km rodado e a potência do motor em kW – e é assim até hoje. O cálculo ficou bem mais complexo, e os números de chevaux fiscaux atualmente são muito mais próximos da potência do motor do que na época do Citroën 2CV.

Matérias relacionadas

Puma Al Fassi: a história desconhecida do Puma árabe de Muhammad Ali

Dalmo Hernandes

Você pode comprar a limusine de Vladimir Putin e se tornar o cara mais poderoso do planeta

Dalmo Hernandes

A história dos fãs de carros que criaram um partido político para representar os gearheads

Leonardo Contesini