A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Chevrolet apresenta nova Blazer, Audi RS3 ganha pacote de 500 cv da Abt, uma Ferrari de R$ 170 milhões e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas (ou não) do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Chevrolet apresenta nova Blazer inspirada no Camaro

584f8236-2019-chevrolet-blazer-12

Sem muito alarde a Chevrolet apresentou uma nova geração da Blazer, durante um evento em Atlanta, nos EUA. Confuso com a ressurreição do nome Blazer em um carro que não parece em nada com a S-10? À primeira vista é confuso mesmo, mas a Chevrolet historicamente já usou o nome para várias versões fechadas de picapes, como as séries C/K, a S-10 e até da Silverado.

b7453993-2019-chevrolet-blazer-14

Lá fora, o carro que conhecemos aqui como Blazer, vendido nos anos 1990 e 2000, era conhecido como S-10 Blazer, enquanto a outra Blazer era a Blazer K5. Como curiosidade, as demais Blazer são a TrailBlazer (atual SUV da S10) e a Grand Blazer, que era a versão sul-americana da Tahoe (que é o nome atual da linhagem da Blazer K5).

53a4782d-2019-chevrolet-blazer-004

 

Esta nova Blazer, contudo, não deriva de nenhuma picape, nem tem carroceria sobre chassi como as demais Blazers. Ela usa um monobloco, tem seu visual inspirado no Camaro SS 2019 e ficará posicionada entre a Equinox e a Traverse  — o que no Brasil seria entre a Equinox e a TrailBlazer. O visual é, de fato, mais moderno e instigante que o dos demais SUVs/crossovers da Chevrolet, com faróis afilados de LED, uma imensa grade preta, teto “flutuante”, laterais vincadas e uma traseira igualmente agressiva, com lanternas afiladas e o suporte da placa destacado por dois vincos.

Sob o capô ela terá um 2.5 aspirado de 195 cv e 25,9 kgfm ou um V6 de 3,6 litros de 310 cv e 37,1 kgfm — ambos com start-stop e combinados ao câmbio automático de nove marchas. O modelo de quatro cilindros terá tração dianteira, enquanto o V6 terá tração nas quatro rodas por demanda, rodando com tração dianteira em condições normais. O modelo chega às lojas em 2019.

 

 

Mais uma Ferrari 250 GTO prestes a se tornar o novo carro mais caro já leiloado

the-most-valuable-car-ever-offered-at-auction-1962-ferrari-250-gto-to-headline-rm-sotheby-s-flagship-monterey-sale-0

No início do mês uma das 39 Ferrari 250 GTO existentes se tornou o carro mais caro do planeta ao ser negociado por US$ 80 milhões em uma venda privada. Agora, menos de 20 dias depois, uma outra Ferrari 250 está prestes a quebrar outro recorde: a de carro mais caro lá vendido em um leilão.

the-most-valuable-car-ever-offered-at-auction-1962-ferrari-250-gto-to-headline-rm-sotheby-s-flagship-monterey-sale-2

O recorde atualmente é de uma outra Ferrari 250 GTO, leiloada em 2014 por US$ 38,2 milhões. O modelo é o chassi 3851GT da 250 GTO, que passou 49 anos na mesma família, desde que foi adquirida pelo jovem entusiasta Fabrizio Violati, que foi o quarto dono do carro. Ela foi a 17ª 250 GTO fabricada e, entre 1962 e 1964, participou de diversos eventos. Seu primeiro dono foi o francês Jo Schlesser, que participou da Tour de France de 1962 e chegou em segundo lugar. O italiano Paolo Colombo foi seu dono seguinte, comprando o carro em 1963, e o vendeu a Ernesto Prinoth, que competiu com a 250 GTO em subidas de montanha e circuitos fechados antes de vendê-la a Fabrizio.

the-most-valuable-car-ever-offered-at-auction-1962-ferrari-250-gto-to-headline-rm-sotheby-s-flagship-monterey-sale-4

Mesmo com este histórico impressionante da 3851GT, esta outra 250 GTO que está anunciada pela RM Sotheby’s tem potencial para ser ainda mais cara: estima-se um preço de US$ 45 milhões. O motivo é um pedigree ainda maior: ela foi usada pelo então recém-campeão de F1 Phil Hill durante os treinos para a Targa Florio de 1962. Depois da corrida o carro, de chassi 3413, foi vendido ao cliente da Ferrari Edoardo Lualdi-Gabardi, que disputou mais dez corridas, vencendo nove delas. Em 1963 Gabardi vendeu o carro para Gianni Bulgari, que venceu sua categoria na Targa Florio de 1963 e 1964.

the-most-valuable-car-ever-offered-at-auction-1962-ferrari-250-gto-to-headline-rm-sotheby-s-flagship-monterey-sale-1

Depois disso a Ferrari ainda disputou mais 20 corridas sem nenhum incidente, e por isso, mesmo com mais de 50 anos, ainda mantém o motor, caixa, eixo traseiro, e a carroceria original da Série 2, feita pela Carrozzeria Scaglietti em 1964 a mando da própria Ferrari.

 

 

Audi RS3 Sedan ganha pacote de 500 cv da Abt

80af2bd5-audi-rs3-sedan-abt-tuning-1

Depois do RS3 Sportback a Abt agora colocou suas mãos na versão de três volumes do esportivo, o RS3 Sedan. O pacote de preparaçãoe levou a potência do 2.5 turbo de cinco cilindros em 100 cv por meio de uma reprogramação da ECU, um novo intercooler e um escape de aço inoxidável. O resultado são 500 cv e 57,9 kgfm.

5bbbcddc-audi-rs3-sedan-abt-tuning-3

Além do upgrade no motor, o RS3 Sedan ganhou novos freios, novas molas e novas barras estabilizadoras para lidar com a potência extra. Mudanças providenciais já que o carro passa a acelerar de zero a 100 km/h em apenas 3,7 segundos em vez de 4,1, e agora chega aos 300 km/h.

018b081b-audi-rs3-sedan-abt-tuning-6

Para deixar claro que este não se trata de um RS3 Sedan convencional sem a necessidade de comprovação dinâmica, a Abt ainda deu ao carro um visual próprio, com uma nova grade, saia traseira, lip frontal, respiros nos para-lamas dianteiros e saídas de escape com dois canos de cromo preto e 4 polegadas. As rodas podem ser de 19 ou 20 polegadas, e têm diversas opções de design no catálogo da Abt. Por dentro, ele ganha um novo revestimento com a marca Abt, detalhes de fibra de carbono e uma plaqueta de identificação no painel.

 

 

Pirelli divulga preview do GP da França

unnamed

Depois de uma pausa para Le Mans e em meio à Copa do Mundo de futebol, a Fórmula 1 retoma seu calendário de 2018 com a reestreia do GP da França, depois de uma ausência de dez anos. A prova será realizada no tradicional circuito de Paul Ricard em Le Castelet.

Para esse retorno à pista de Paul Ricard, a Pirelli selecionou os compostos macio, supermacio e ultramacio. Como o último Grande Prêmio da França em Paul Ricard foi disputado pela última vez em 1990, ele é essencialmente um novo circuito para as equipes e para os pilotos, apesar de ser bem conhecido como um local para testes, graças ao clima ameno e instalações de ponta.

unnamed

As escolha dos compostos levou em conta que a pista foi completamente recapeada para o Grande Prêmio da França, resultando em um asfalto suave e com alta aderência, similar ao de Barcelona. Por isso, eles terão uma redução de 0,4 milímetros em suas bandas. Também foi considerado que o clima no sul da França nesta época do ano tende a ser quente, o que pode aumentar os índices de uso e degradação dos pneus, e que Paul Ricard tem uma das voltas mais longas do calendário, com 5,8 km, e uma série de pontos de ultrapassagem em seu traçado.

unnamed-1unnamed-1

“Paul Ricard é um circuito totalmente novo para todos, porém temos algumas ideias do que esperar não somente por causas dos testes da Fórmula 1, mas também por nossa experiência nas corridas de GT. A pista recebeu recentemente a última rodada do Blancpain GT Series. A partir disso, podemos esperar uma alta aderência com baixa degradação, como em Barcelona. Outro fator deve ser o clima. Podemos ter altas temperaturas de pista nesse fim de semana, aumentando a degradação térmica. Com as equipes não sendo tão familiarizadas com o traçado, os treinos livres serão ainda mais importantes que o normal para se obter uma leitura precisa do comportamento dos pneus. Somente após isso teremos uma ideia melhor de quais serão as estratégias mais prováveis.” – Mario Isola, chefe de motorsport da Pirelli

 

 

McLaren 600LT aparece em testes

img-20180621-wa0024

Ele deveria aparecer somente daqui a seis dias, mas… bem, não preciso dizer de novo a mesma coisa de sempre. O McLaren 600LT foi flagrado pelos britânicos da Autocar com uma leve camuflagem durante testes.

img-20180621-wa0023

Como esperado, ele receberá uma traseira mais longa (a chamada “long tail”, daí a sigla LT) para otimizar o desempenho aerodinâmico, produzindo mais downforce. Além da carroceria modificada, o 600LT também terá uma versão atualizada do motor V8 3.8 biturbo do 570S, modelo no qual é baseado. A potência deverá chegar aos 600 cv, daí o nome 600LT. O sistema de escape também terá função aerodinâmica, algo evidenciado pelas saídas no topo da traseira.

A McLaren já confirmou que ele será mais leve que o 570S, de 1.440 kg mas não anunciou nenhum dado. Considerando que o 675LT era 100 kg mais leve que o 650S, é possível que o 600LT chegue a algo entre 1.300 e 1.350 kg. Também como o 675LT, ele será produzido em série limitada de, no máximo 500 unidades. A estreia está prevista para a próxima quinta-feira, dia 28 de junho.

 

Matérias relacionadas

Chevrolet Opala e Caravan: os mais legais anunciados no GT40

Dalmo Hernandes

Uma breve história dos pilotos brasileiros nas 24 Horas de Le Mans

Dalmo Hernandes

Rali da Alemanha, 2006: como a equipe da Subaru reconstruiu o carro de Petter Solberg em 14 horas depois de um acidente

Dalmo Hernandes