FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

Cinco cilindros, turbo, tração integral e 900 cv: a insanidade do Dahlback Golf RSi

Todos os dias somos bombardeados com project cars do mundo todo – é esta uma das coisas legais da Internet que temos hoje em dia: não apenas sites, mas páginas e perfis nas redes sociais nos dão acesso a fotos, vídeos e informações sobre carros preparados e modificados o tempo todo. E não, não estamos reclamando. Pelo contrário: isto é muito legal.

Acontece que já existiram muitos outros projetos bacanas feitos no mundo antes de a internet fazer parte de nosso cotidiano o dia todo, todos os dias. Carros como este: o Dahlback Golf RSi, que ficou conhecido em 2002, quinze anos atrás – quando nós aqui do FlatOut sequer sonhávamos em ser o FlatOut, pois os sites de carro ainda não eram comuns e simplesmente não existiam redes sociais.

É o caso deste Volkswagen Golf. Que, na verdade, de Golf tem o monobloco e algumas peças de acabamento, por que todo o resto, do motor ao interior, foi modificado e melhorado de alguma forma. O Dahlback Golf RSi, como foi chamado, é o projeto mais famoso da Dahlback Racing, preparadora sueca fundada em 1983 por Hans Dahlback.

dbr2_1024x768

Há, contudo, um motivo a mais para falarmos do Golf RSi. Hans Dalhback morreu ontem, aos 58 anos de idade, de causas não divulgadas. Este post é nossa homenagem.

Dahlback começou a se dedicar ao Golf RSi em 1998, quando a ideia era simplesmente pegar o hatch, que ainda era novidade – o Golf Mk4 foi lançado na Europa em 1997 – o conjunto mecânico mais potente possível, utilizando como base componentes do Grupo Volkswagen.

Sendo assim, o primeiro passo foi comprar um Golf novo, na cor preta, com carroceria de duas portas, e arrancar dele praticamente tudo, transformando o monobloco em uma tela em branco. É possível que apenas faróis e grade tenham sido mantidos.

dahlback_002

Para começar, o motor original foi substituído por um cinco-cilindros de 2,1 litros vindo do Audi Sport Quattro (um projeto similar ao do Volkswagen AP), montado na longitudinal e sobrealimentado por um turbocompressor e resfriado com o auxílio de dois intercoolers. O turbo é um KKK K27 modificado, igual ao utilizado pelo Audi 90 IMSA GTO, operando a 3,7 bar de pressão (até 4,7 bar em overboost), com potência entre 850 cv e 950 cv usando gasolina de 98 octanas. O torque é de 94,5 mkgf a 5.250 rpm, dependendo do nível de pressão escolhido. No entanto, algumas fontes mais recentes dizem que o motor é capaz de entregar até 1.200 cv.

golf-dahlback-motor2

Como você sabe, o motor do Golf Mk4 é originalmente montado na trasnversal. Para acomodar o novo motor na nova posição, a Dahlback simplesmente fez um subchassi dianteiro sob medida, usando tubos de cromo-molibdênio, além de torres dos amortecedores feitas de titânio – o cofre foi todo picotado, e agora o motor é sustentado pelo subchassi. Atrás, outro subchassi, porém feito usando componentes do Audi RS2 Avant e do Audi Sport Quattro. Na frente e na traseira, foram colocados reforços estruturais na forma de barras de titânio. O sistema de tração integral da RS2, com um diferencial central Torsen que distribui o torque em 40%/60%, dianteira/traseira também foi aproveitado. Para moderar a força do motor, foi instalada uma caixa manual de seis marchas sequencial, com as mesmas especificações do Audi 90 que competiu na IMSA em 1989 e relação final de diferencial de 4,11:1. Para quem não lembra, este cara:

O chão do carro foi completado com rodas BBS de 19×10 polegadas e, dentro delas, freios Alcon com discos de 378 mm na frente e 356 mm atrás, ventilados. Para acomodar as rodas e pneus mais largos, foram comprados para-lamas alargados diretamente com a VW Motorsport, que também forneceu os para-choques.

dbr1_1024x768 dahlback_018

Repare que a tampa traseira é vazada: é para escoar o ar quente em volta do radiador, que foi deslocado para o porta-malas simplesmente porque o motor cinco-cilindros ocupou todo o espaço do cofre. Prioridades: quem levaria alguma coisa no porta-malas de um carro desse?

dahlback_005

Até porque o interior não é exatamente prático e confortável: a Dahlback removeu a maioria dos acabamentos originais e substituiu por peças de fibra de carbono, como o painel de instrumentos e os revestimentos das portas; trocou os bancos de couro originais por bancos Recaro do tipo concha, com apoio para a cabeça e tudo; e instalou uma gaiola de proteção integral que entra pelo painel e invade o cofre do motor. O que ajuda a explicar como este carro consegue se mover com tanta compostura neste vídeo que já é antigo, mas talvez você ainda não tenha visto.

Matérias relacionadas

Como foi assistir ao Goodwood Revival ao vivo na Inglaterra

Leonardo Contesini

Por que as lanternas traseiras do seu carro são vermelhas?

Dalmo Hernandes

Um Golf de 400 cv e 300 km/h, BMW Série 1 de cara nova, Dodge Charger alfineta Volkswagen em propaganda e mais!

Leonardo Contesini