A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos

Cinquecento Trofeo: o Fiat de rali que você não conhecia

O Fiat Cinquecento lançado em 1991 é um membro obscuro da linhagem – o clássico dos anos 1950, o atual e até mesmo o Topolino original da década de 30 são mais conhecidos. Único da família com nome escrito por extenso, o Cinquecento foi projetado na Itália e fabricado na Polônia para substituir o simpático 126 em diversos mercados – e acabou sendo vendido também na Europa.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Talvez ele não tenha ficado mais conhecido porque estava “sobrando” na gama. Na Polônia, o 126 permaneceu extremamente popular até o ano 2000, e os europeus tinham o excelente Fiat Panda de primeira geração como opção de entrada. Então, o Cinquecento acabou tendo uma vida curta, sendo descontinuado em 1998 para dar lugar ao Seiscento (que era, em essência, um Cinquecento com formas mais arredondadas).

O que é uma pena, porque ele tinha potencial – como todo carro pequeno, leve e italiano (eles entendem do assunto). Ele tinha suspensão independente nas quatro rodas, pesava só 700 kg e não precisava de mais que 38 cv, vindos de um motor de 899 cm³, para ser plenamente utilizável no dia-a-dia (a versão polonesa tinha um motor 0,7 de 30 cv).

Mas o melhor dos Fiat Cinquecento foi sua verão Trofeo, versão de competição que até ganhou sua categoria monomarca. E era um lance muito interessante, porque era um campeonato voltado a pilotos jovens e iniciantes – algo que seria legal ver hoje em dia, com os carros pequenos ainda mais potentes e bem acertados que temos atualmente.

O Cinquecento Trofeo usava uma versão mais forte do motor 0,9, com novo cabeçote, comando mais agressivo e escape mais livre para entregar e 55 cv. Ele era ligado ao mesmo câmbio manual de cinco marchas do carro de rua – porém com embreagem reforçada. E havia várias outras modificações, ilustradas na bela foto de divulgação abaixo: volante de competição e bancos concha da Sparco, gaiola de proteção integral, suspensão Bilstein com amortecedores ajustáveis, peito de aço, rodas de liga leva da Abarth, strut bar no cofre do motor e radiador de óleo. E, claro, extintores de incêndio.

A produção começou em 1992 e a competição monomarca teve início em 1993, com categorias específicas para mulheres, iniciantes e pilotos com menos de 21 anos de idade. E foi um sucesso – só na primeira corrida, em Mugello, 70 pilotos participaram de corridas durante dois dias. Ainda naquele ano ocorreram edições na França, na Polônia e na Alemanha.

No final, os melhores de cada país disputariam a grande final e teriam a oportunidade de correr no Rally Monte Carlo em um Fiat Cinquecento preparado pela Abarth, com todo o apoio de fábrica. E, se você acha que as corridas eram sem graça só porque a maioria dos pilotos era iniciante… pense de novo:

Nos anos seguintes outros países passaram a participar do Fiat Cinquecento Trofeo (o campeonato recebeu o mesmo nome do carro), como Espanha, Dinamarca e Grécia. E em 1995, com a chegada do Cinquecento Sporting, o motor passou a ser o Fire 1.1 preparado para entregar 105 cv – sim, quase o dobro de antes. O nível da competição também aumentou, e pilotos mais velhos e experientes começaram a ser atraídos. E assim foi até 1997, quando o Fiat Seiscento foi anunciado e o Cinquecento Trofeo deixou de ser disputado.

Muitos destes carros tiveram seu fim nas pistas – incluindo em competições fora do Cinquecento Trofeo, como o WRC e subidas de montanha, e por isto é difícil encontrar um exemplar em boas condições hoje em dia.

Mas o pessoal concessionária parisiense Straderial Motorcars conseguiu colocar as mãos em um dos que correram na edição francesa do campeonato, totalmente restaurado e acompanhado de toda a documentação da época, como fotos, passaportes e papéis de homologação. É um carro que merece um novo dono, seja para uma coleção ou para provas históricas – ou os dois, por que não?

Matérias relacionadas

Acredite: os Mustang Revology desta foto são licenciados pela Ford e são 2016!

Dalmo Hernandes

Tiago e seu Fiat Uno 1.5 R frente alta | FlatOut Classics

Dalmo Hernandes

16 cilindros, dez litros, 600 cv e peças de Fusca: conheça o Isdera Autobahnkurier 116i

Dalmo Hernandes