A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Técnica

Cinto de segurança atrás: não deixe de usar, na cidade ou na estrada

Em cada feriado prolongado as notícias das polícias rodoviárias não são muito animadoras: aumento do número de carros, motoristas ansiosos e muitas vezes despreparados, acidentes e estatísticas trágicas. As mortes como sempre, são atribuídas ao “excesso de velocidade”. Mas como já falamos por aqui, a velocidade sozinha não mata ninguém, ela só agrava uma situação de risco que foi ignorada.

Uma dessas situações é a não utilização dos cintos de segurança — em especial no banco traseiro —, algo que a fiscalização eletrônica ainda não consegue flagrar.

Os cintos de segurança tornaram-se obrigatórios nos carros nacionais a partir de 1968, mas sua utilização só passou a ser exigida por lei em meados dos anos 1990 e reforçada pelo novo Código de Trânsito, publicado em 1998. A fiscalização intensa nos primeiros anos e a subsequente conscientização sobre os riscos de não se usar o cinto fizeram com que o ato se tornasse natural para os novos motoristas.

Contudo, o uso dos cintos no banco traseiro ainda não se tornou um hábito natural como nos bancos dianteiros. Em parte por causa da falta de fiscalização intensiva — ainda que a obrigatoriedade esteja prevista desde 1998 pelo Código de Trânsito —, em parte por causa da falta de conscientização.

Pode reparar: afivelar o cinto no banco de trás é quase uma ofensa a alguns motoristas e o gancho para piadas intermináveis sobre sua coragem e hombridade. É como se o passageiro prevenido estivesse prevendo um acidente catastrófico e não apenas cumprindo uma regra de segurança tão básica quanto dirigir de olhos abertos. Claro: isso só acontece quando os cintos traseiros não estão escondidos embaixo do assento ou atrás do encosto, afinal, eles só incomodam, não é?

Há ainda quem pense que o fato de haver dois encostos de banco logo à frente dos passageiros de trás os protege de ser atirados pelo para-brisa, ou quem ache que o fato de a traseira estar menos exposta a impactos os cintos não são necessários. Logicamente isso não poderia ser mais equivocado. Por quê? É o que veremos a seguir.

 

Como o cinto de segurança te protege?

Os institutos de segurança de todo o mundo, como o IIHS, dos EUA, e o ADAC, da Alemanha, estimam que o simples uso do cinto pode reduzir o risco de mortes em acidentes em até 45%. Mas como pode uma simples tira de tecido ser tão eficiente para salvar vidas?

Quando você está sentado em um carro em movimento, parece que o seu corpo e o carro são um só objeto, mas na realidade essa impressão é causada pelo fato dos dois objetos estarem se movendo na mesma direção e à mesma velocidade.

Se o carro bater em algum obstáculo, ele irá parar, mas seu corpo tende a continuar em movimento até que encontre um obstáculo que o faça parar. É a velha inércia, a Primeira Lei de Newton, que você aprendeu assistindo ao Mundo de Beakman ou na Ciranda da Ciência.

Esse obstáculo pode ser o banco da frente, o para-brisa, o retrovisor interno, ou o muro onde o carro no qual você estava dentro bateu. Ou então, você pode ser parado por um cinto e uma bolsa inflável, dois dispositivos planejados absorver a inércia do seu corpo da forma mais segura e menos dolorosa possível. Claro, a explicação pode ser resumida em: o negócio te amarra no banco e impede que você bata com a cara no painel ou saia voando do carro.

Os cintos de segurança apesar da aparente falta de elasticidade, cedem minimamente na hora em que seu corpo é projetado para a frente para que você não seja parado de forma tão abrupta como o carro — se fossem inflexíveis, os cintos causariam o mesmo efeito de bater o peito em uma barra de ferro. A elasticidade do cinto absorve a força do impacto do seu corpo contra ele pois a força é usada na deformação elástica do cinto (ele estica e volta ao normal).

Além disso, eles abrangem uma grande parte do seu corpo (toda a sua cintura e todo o seu tronco) de forma que a força da inércia não se concentre em apenas uma área pequena — como aconteceria com a sua cabeça contra o vidro dianteiro, ou com a cabeça do seu filho contra o banco de trás. Aqui a explicação é simples: a pressão é inversamente proporcional à área de contato. Quanto mais largos os cintos, menor será a pressão que seu corpo irá aplicar sobre eles — é o mesmo princípio da cama de pregos dos faquires.

Por isso também alguns fabricantes começaram a desenvolver os cintos infláveis, que se enchem de gás como os airbags no momento do impacto, aumentando a área de retenção do corpo em até cinco vezes em relação aos cintos comuns — o que significa que você sairá menos dolorido e ainda mais protegido.

 

Não é só para a frente!

Embora o cinto de segurança passe a impressão de que só serve para te impedir de bater a cabeça no vidro (e de pegar algo no porta-luvas durante uma aceleração) ele também impede seu corpo de ser projetado para todos os lados e até mesmo de ser arremessado pelas aberturas do carro.

É por esse motivo que muita gente acha que os cintos são dispensáveis no banco de trás — afinal, os bancos de frente teoricamente impedem que os passageiros saiam voando pelo para-brisa, mas o negócio vai muito além disso.

Em primeiro lugar por que um passageiro grande e pesado sem cinto de segurança pode ser arremessado contra o encosto dos bancos, esmagando os ocupantes da frente do carro. Em 2013 um contrabandista morreu esmagado por 500 kg de maconha que estavam soltos no banco traseiro depois de bater o carro em uma árvore. Claro, estamos falando de 500 kg de carga, mas a árvore é um obstáculo estático, então a velocidade resultante é a velocidade do carro mais zero. Quando você anda a 120 km/h e bate de frente com um caminhão a 90 km/h, a resultante é 210 km/h. Nesse caso não é preciso tanto peso solto para esmagar o banco da frente e reduzir ainda mais as chances de sobrevivência.

E não é só isso: muitos carros modernos têm sistemas multimídia no encosto dos bancos, que não absorvem os impactos como um banco acolchoado e ainda têm telas de cristal líquido, com elementos cortantes — que sempre devem ficar bem longe dos seus olhos.

Mesmo que você esteja andando tranquilamente pelas ruas do seu bairro, sempre existe a possibilidade de algum irresponsável furar a preferencial e acertar a lateral do seu carro, o que poderia arremessar os passageiros pela janela. Você também pode ter um pneu estourado na entrada de uma curva a 100 km/h e acabar capotando o carro. Se o vidro traseiro se quebrar Durante uma rolagem, um passageiro solto dentro do carro fica como um cubo de gelo em um liquidificador sem tampa: ele pode bater nas paredes ou simplesmente sair voando pela abertura.

Embora a traseira seja aparentemente mais protegida que a frente do carro, os vidros laterais geralmente não são laminados e podem se quebrar com a simples torção da carroceria. Em um capotamento o passageiro solto pode acabar com alguma parte do corpo para fora da janela e sofrer algum tipo de mutilação.

E por último, o cinto de segurança é indispensável para a eficácia do airbag — de cortina, inclusive. As bolsas infláveis são projetadas levando em consideração a retenção do ocupante do carro pelo cinto de segurança — em especial a tira sub-abdominal. Por ter uma inflação violentíssima, os airbags podem até causar sérios ferimentos nos ocupantes sem cinto de segurança.

Em 2008, o Dr. William F. Donaldson III da Universidade de Pittsburgh publicou uma pesquisa que estudou 12.700 pacientes com lesões vertebrais decorrentes de acidentes com carros equipados com airbags entre 1990 e 2002. O estudo concluiu que, dos 5.500 dos pacientes que tiveram lesões cervicais (nas vértebras do pescoço até a base dos ombros) 54% não usavam cintos de segurança, o que significa que o airbag sozinho não é suficiente para salvar vidas ou evitar lesões gravíssimas, que podem te deixar sem movimentos nas pernas ou tetraplégico.

Por fim, é bem provável que você vá pegar a estrada nos próximos dias, quando o trânsito tem uma combinação potencialmente perigosa de excesso de carros, pressa, distração consumo de álcool, motoristas inexperientes nas estradas, ultrapassagens e conversões em local proibido. Por isso, o FlatOut recomenda fortemente que você se proteja de todas as formas possíveis.

Claro, você certamente já evita beber ao dirigir, redobra a atenção no trânsito, mantém pneus calibrados e em bom estado, farois regulados e tudo mais. Mas, por favor, não esqueça de conferir se os passageiros estão com o cinto. Esse não é apenas um problema deles: você pode ser multado e, na pior das hipóteses, perder para sempre alguém querido. Tome por hábito perguntar se todos estão de cinto antes de arrancar. Queremos todos de volta.

Matérias relacionadas

Como o antigo motor de pistões opostos pode se tornar uma alternativa eficiente para o futuro

Leonardo Contesini

Como funciona o insano câmbio Light Speed Transmission da Koenigsegg?

Leonardo Contesini

Side drafting: os efeitos aerodinâmicos das ultrapassagens mais insanas dos últimos tempos

Leonardo Contesini