A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Citroën C4 Cactus chega ao Brasil por R$ 69.000, Lamborghini terá hipercarro acima do Aventador SVJ, fabricante do AK-47 apresenta carro elétrico e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas (ou não) do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Citroën C4 Cactus é lançado por R$ 69.000 com motores 1.6 e 1.6 THP

C4Cactus-22

A Citroën lançou nesta terça-feira (28) seu primeiro SUV compacto no mercado brasileiro, o C4 Cactus. O modelo é o principal lançamento da marca desde 2013, quando a atual geração do C3 foi lançada. Considerado pela marca o lançamento mais importante de sua história no Brasil, o C4 Cactus chega com preços competitivos frente à concorrência e aposta na combinação de visual descolado e pacote de equipamentos para conquistar espaço neste disputado segmento.

 

A motorização será a mesma do seu irmão da PSA, o Peugeot 2008: o 1.6 16v aspirado de 122 cv combinado ao câmbio manual de seis marchas ou automático de seis marchas nas versões de entrada e intermediárias, e o 1.6 THP turbo de 173 cv, sempre com o câmbio automático de seis marchas, nas versões de topo. Os preços partem de R$ 69.000 na versão Live manual, e podem chegar aos R$ 99.000 na versão Shine Pack 1.6 THP automático.

C4Cactus- 10.39.13

Todas as versões saem da fábrica com DRL, sistema multimídia com tela de 7 polegadas, quadro de instrumentos digital, Isofix e ar-condicionado digital, mas controles de tração e estabilidade são oferecidos somente nas versões intermediárias com câmbio automático, que também ganham airbags extra, sensor de pressão dos pneus e assistente de partida em rampas. Já o motor turbo está disponível somente nas versões Shine, que parte de R$ 95.000, e também traz bancos de couro e um sistema de distribuição de torque baseado nos freios

C4Cactus- 10.39.12(2)

Apesar de ser menor que seus principais rivais (Captur, Renegade, HR-V, EcoSport, Tracker, Kicks e Creta), o entre-eixos de 2,60 metros é o mesmo do Honda, Nissan e Hyundai e maior que nos demais concorrentes. O ponto fraco, contudo, vai para o porta-malas de apenas 320 litros.

C4Cactus- 10.39.01

Veja abaixo os preços, versões e equipamentos do C4 Cactus:

Live 1.6 manual – R$ 68.990 – DRL, sistema Isofix para assento infantil, vidros elétricos nas quatro portas com função one-touch, ar-condicionado digital, sistema multimídia com tela de 7 polegadas e conectividade com Android Auto e Apple CarPlay, Isofix com sistema Top Tether.

Feel 1.6 manual – R$ 73.490 – os equipamentos anteriores mais câmera de ré, faróis de neblina, alarme perimétrico, rodas aro 17″ de liga leve, controle de velocidade de cruzeiro, acabamentos dos faróis de neblina e airbump em preto brilhante.

Feel 1.6 automático – R$ 79.990 – os equipamentos anteriores mais câmbio automático de seis marchas, controle de estabilidade, assistente de partida em rampa e detector de pressão dos pneus.

Feel Business 1.6 automático para PCD – R$ 69.990 – idêntico ao pacote Feel automático comum.

Feel Pack 1.6 automático – R$ 84.990 – os equipamentos anteriores mais sistema de chave presencial e botão de partida, rodas de 17″ de liga diamantada, ar condicionado digital, sensor de chuva e crepuscular, volante em couro, rack de teto do tipo flutuante, alarme volumétrico, air bags passam a ser 4 no total.

Shine 1.6 THP – R$ 94.990 – acrescenta em relação ao Feel automático o powertrain 1.6 THP, bancos em couro, sistema grip control, freios à disco na traseira.

Shine 1.6 THP Pack – R$ 98.990 – acrescenta em relação ao Shine sistema com seis airbags no total, alerta de saída de faixa, alerta de atenção ao condutor, sistema de frenagem autônoma, alerta de colisão, indicador de necessidade de descanso, retrovisor eletrocrômico.

O FlatOut está presente no evento de lançamento e, nos próximos dias, traremos o vídeo com nossas primeiras impressões sobre o carro.

 

Lamborghini planeja novo modelo acima do Aventador SJV

lamborghini_veneno_7

A Lamborghini mal apresentou o Aventador SVJ e já está planejando um hipercarro ainda mais radical que seu recordista de Nürburgring. É o que diz o CEO da marca, Stefano Domenicali.

Em entrevista à revista Autocar, Domenicali disse que a marca está considerando a produção de um modelo ultra-exclusivo com aerodinâmica extrema. Segundo o italiano, o carro será desenvolvido “com a mesma pegada do Centenario e do Veneno”, o que significa que ele será baseado no Aventador e será equipado com o V12 de 6,5 litros da marca.

Infelizmente isso foi tudo o que Domenicali revelou sobre o próximo modelo — o que não diz muita coisa, na verdade. Acredita-se que o carro será uma resposta da Lamborghini ao Aston Martin Valkyrie e ao McLaren Senna — o que talvez signifique que a Lamborghini pode estar cogitando uma participação no WEC quando as novas regras entrarem em vigor. Por que não?

 

Diretor da FIA acredita que halo protegeu Leclerc em Spa

57fa695e-f1-fia-thinks-halo-saved-leclerc-3

Caso você não tenha visto o GP da Bélgica no último domingo, a largada da corrida viu um acidente que lançou o McLaren de Alonso por cima do Sauber de Charles Leclerc. Ao investigar o acidente, o diretor de prova da FIA, Charlie Whiting, disse que tanto o cockpit quanto o halo ficaram marcados pelo impacto com o fundo do McLaren, e “provavelmente” evitou piores consequências para o piloto monegasco.

418bdc81-f1-fia-thinks-halo-saved-leclerc-1

“Já tínhamos um exame dos componentes em curso e ainda é cedo para dizer. Mas o que ficou claro foram as marcas significativas no chassi e no halo. Seria especulação, mas não é preciso imaginação para perceber que as marcas poderiam ter sido no capacete de Charles. Teria sido meio milagroso não atingir a cabeça, caso o halo não estivesse lá”.

55adcbd1-f1-fia-thinks-halo-saved-leclerc-2

Segundo Whiting, as investigações do acidente seguem em andamento para avaliar os parafusos e a ancoragem do halo e descobrir se a estrutura sofreu algum tipo de deformação.

 

Fabricante do AK-47 apresenta carro elétrico “retrô”

0f5a5788-kalashnikov-cv-1-4

Ainda não sabemos se é um projeto sério para produção em escala ou se é apenas um conceito divertido, mas a Kalashnikov, mais conhecida por seu rifle AK-47, acaba de revelar um conceito elétrico com inspiração no passado.

Batizado CV-1, o modelo não é exatamente “inspirado no passado”, e sim um carro antigo restaurado e equipado com um powertrain elétrico e elementos de design modernos. O carro é a perua IZH-21252 Kombi, produzida entre 1973 e 1997, que recebeu uma nova grade e seis unidades de LED como faróis, rodas de liga leve brancas, pneus esportivos e uma tomada de recarga na tampa traseira, onde originalmente ficava o bocal do tanque de combustível.

cbfacc26-kalashnikov-cv-1-8

A Kalashnikov não revelou os detalhes do powertrain, limitando-se a dizer que ele tem “diversos sistemas desenvolvidos pelo grupo”, incluindo a bateria de 90kWh, o sistema de recarga rápida e um “inversor revolucionário”. Sem dizer a potência, a fabricante declarou que o carro vai de zero a 100 km/h em seis segundos e pode rodar até 350 km com uma carga.

13a64efb-kalashnikov-cv-1-7

A parte engraçada é que a porta-voz da Kalashnikov, Sophia Ivanova, disse que  a empresa pretende competir com a Tesla. Sim. Com a Tesla. Porque, atualmente, ela é a marca mais bem-sucedida no campo dos veículos elétricos. Logicamente, os modelos de produção em série não serão baseados na velha perua comunista — ela serve apenas como mula de testes para os sistemas elétricos. Melhor assim.

 


z-gasrubberbranca-camiseta-1140x448

Matérias relacionadas

Peugeot 3008 lançado no Brasil, Roush lança Mustang P-51 de 737 cv com inspiração aeronáutica, Tesla e motorista falharam em acidente fatal com carro semi-autônomo

Leonardo Contesini

Um Citroën ZX Coupe, um Passat GTS íntegro e bem cuidado, um C4 Sport com 151 cv e câmbio manual e mais no GT40

Dalmo Hernandes

Lancia Stratos Zero: o supercarro em forma de cunha mais absurdo dos anos 70

Dalmo Hernandes