Clarkson, Hammond e May mostram seu talento nos games, Chevrolet Equinox irá substituir Captiva, as cores mais populares de 2016 e mais!

Leonardo Contesini 11 janeiro, 2017 0
Clarkson, Hammond e May mostram seu talento nos games, Chevrolet Equinox irá substituir Captiva, as cores mais populares de 2016 e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Jeremy Clarkson, James May e Richard Hammond mostram seu “talento” em Forza Horizon 3

A habilidade de Jeremy Clarkson, James May e Richard Hammond ao volante já foi demonstrada centenas de vezes nos episódios de Top Gear e The Grand Tour. O que nunca vimos é como o trio de tiozinhos se sai ao volante de carros virtuais. Ao menos até agora.

O trio de apresentadores foi convidado pela Microsoft para uma sessão de Forza Horizon 3 transmitida pelo Twitch. Na sessão cada um dos apresentadores tenta alguns desafios de Forza Horizon 3, como os Monthly Rivals e os Bucket List. O vídeo tem pouco mais de uma hora (fique atento para não arruinar sua produtividade) e além de mostrar o talento (ou a falta dele) do trio nos games, também traz uma conversa com os apresentadores, que respondem as perguntas dos fãs e dão suas dicas sobre os jogos.

Jeremy, por exemplo, menciona que você deve resistir à tentação de começar o jogo com um supercarro, e diz que a melhor forma de aprender é escolher algo mais pacato para começar, como um hot hatch. Ele também comenta sobre a física do jogo ao comparar a dinâmica do Viper virtual com a do Viper real e até fala sobre como seria um game produzido por eles: “Uma combinação de Call of Duty e jogos de corrida”, diz Clarkson.

Mercedes apresenta GLA reestilizado em Detroit

16c1131_078

A Mercedes levou para o Salão de Detroit a versão atualizada do seu crossover de entrada, o GLA. Se você está procurando as novidades e não encontrou, não se preocupe: elas são assim discretas mesmo.

Nesta segunda fase de sua carreira o GLA ganhou apenas uma nova grade dianteira, para-choques sutilmente remodelados e rodas redesenhadas. Os faróis também são novos e agora usam somente LEDs em vez de lâmpadas de xenônio. Segundo a Mercedes, a simples modificação da grade e dos para-choques ajudou a otimizar a aerodinâmica do carro para torná-lo mais econômico e mais rápido. Outra novidade é a suspensão elevada em 3 cm, um opcional para quem usa o carro também fora do asfalto.

O novo GLA continua equipado com os mesmos motores: 1.6 turbo e 2.0 turbo, com potência variando de 156 cv (GLA 200) a 211 cv (GLA 250). A novidade é que o 2.0 AMG do GLA 45 ganhou mais potência, saltando de 360 cv para 385 cv, suficientes para levar o crossover de zero a 100 km/h em 4,3 segundos.

Como você já deve saber, o GLA também é produzido no Brasil, na fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis/SP, desde setembro de 2016. A chegada do novo modelo, contudo, deve acontecer somente no segundo semestre deste ano.

 

Chevrolet Equinox irá substituir Captiva no Brasil

chevrolet-equinox-2018

A menos que você tenha um Chevrolet Captiva ou seja um grande admirador da marca, é bem provável que você nem lembrasse que o SUV ainda era oferecido pela GM no Brasil. Não é para menos: lançado em 2008, o SUV de gravata teve seus dias de glória em seus primeiros anos de Brasil, porém sem grandes novidades nos últimos anos, o modelo acabou esquecido e ofuscado pelos rivais mais modernos. Foram menos de 90 unidades vendidas por mês em 2016.

chevrolet-equinox-2018-side

Além disso, o modelo já deixou de ser vendido nos EUA e no México, onde ainda era fabricada apenas para os mercados latino-americanos. Em seu lugar, a Chevrolet irá vender o novo Equinox, um crossover médio baseado na plataforma do Cruze, que foi apresentada em setembro de 2016 nos EUA.

2018-chevrolet-equinox-007

O modelo será posicionado entre o Tracker e a Trailblazer, e deverá ser equipado com um motor 1.5 turbo de 175 cv — embora ele também seja vendido nos EUA com um 2.0 turbo de 255 cv. A potência é pouco inferior à do atual 2.4 do Captiva, que tem 184 cv, porém com a indução forçada pelo turbo, o torque é maior: são 28 mkgf do turbo versus 23,3 mkgf do 2.4. O Equinox também é ligeiramente maior que o Captiva: são 70 mm a mais no comprimento (4,65 m vs. 4,58 m) e 20 mm a mais no entre-eixos (2,73 m vs. 2,71 m). A largura é 10 mm menor no Equinox, com 1,84 m.

2018-chevrolet-equinox-002

Por enquanto o Equinox é produzido somente no Canadá, mas com o fim do Captiva em alguns meses, a fábrica mexicana da GM começará a produzir o modelo para os mercados latinos — em especial o Brasil, que mantém acordo comercial de isenção de imposto de importação com o México. Isso não significa, contudo, que o Equinox será mais barato que o Captiva. Sendo um projeto mais recente seu preço deve ficar acima dos R$ 120.000, enquanto o Captiva 2.4 é oferecido atualmente por pouco mais de R$ 100.000.

 

As cores mais populares no mundo em 2016

fab440a090aa56a81516e8d16aa228b8

A fabricante de tintas automotivas Axalta revelou nesta semana sua pesquisa anual sobre as cores automotivas mais populares em todo o mundo. Pela sexta vez consecutiva a cor favorita na maioria dos mercados foi o branco, com 37% da preferência mundial. Logo atrás ficaram o preto com 18%, os tons de prata com 11% e os tons escuros de cinza também com 11%.

Segundo o relatório da Axalta, o branco tem 57% da preferência na China, 48% na Ásia, 47% na África, 41% na América do Sul, 34% no Japão, 29% na Índia, 28% na Rússia, 27% na Europa, 24% na América do Norte e 19% na Coreia do Sul.

O preto ficou com 22% no Japão, 21% na América do Norte, 20% na Europa, 18% na China e 16% no restante da Ásia. Na Coreia e na Rússia o preto também ficou com 16% da preferência, porém atarás dos tons de prata. O mesmo aconteceu na América do Sul, onde o preto teve 15% da preferência, e na África, onde a cor teve apenas 11% da preferência. O prata foi a cor mais popular na Índia, onde teve 31% da preferência. Na América do Sul, Rússia e África o prata foi vice-colocado, com 24%, 17% e 16%, respectivamente.

Você pode baixar o relatório completo no site oficial da Axalta.