A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos Vídeo

Como é dirigir o clássico Lamborghini Countach, afinal de contas?

Você já deve ter ouvido diversas histórias sobre o Lamborghini Countach – aliás, nós mesmos contamos algumas delas quando listamos alguns dos motivos pelos quais ele é fodástico. Acontece que, enquanto fazíamos aquele post, esbarramos com várias razões pelas quais ele, supostamente, não é tão fantástico assim. Ainda esbarramos de tempos em tempos, na verdade.

Isto nos faz pensar naquela velha frase que ninguém sabe quem disse pela primeira vez: “never meet your heroes“. Dizem que a maneira mais eficiente de destruir a imagem que você tem de um ídolo é encontrá-lo pessoalmente, pois as chances de ele ou ela ser uma pessoa completamente diferente do que aparenta em público — ou pior, um verdadeiro babaca — são bem altas.

Se os entusiastas tendem a antropomorfizar os automóveis, atribuindo a eles características tipicamente humanas – mesmo no dia a dia, quando dizemos que certo carro é esperto, nervoso ou cheio de personalidade —, não é absurdo algum aplicar esse negócio de “nunca encontre seus heróis” a eles. O Lamborghini Countach, por exemplo, é o ídolo de quatro rodas de muita gente.

Claro, como é que não vai ser? Para começar, o Countach pegou a missão dura de substituir o belíssimo Miura e a tirou de letra. Como? Fora o fato de ter um motor V12 e ser um Lamborghini, todo o resto era completamente diferente: as formas sensuais deram lugar às retas marcantes (desenhadas pelo mesmo projetista, Marcello Gandini), o V12 passou a ser longitudinal e o exagero futurista típico da então recém-chegada década de 1970 tomou conta de tudo.

countach (12)

O carro ficou mais baixo e largo. Do bico ao topo do para-brisa inclinadíssimo, forma-se uma linha quase ininterrupta, e o mesmo pode ser dito do topo teto até a traseira. As portas ao estilo tesoura são sua marca registrada e facilitam o acesso ao interior. E, supondo que você tivesse passado sua vida toda esperando o momento de entrar em um Countach para uma volta, seria nesta hora que, supostamente, você começaria a se decepcionar com ele.

Foi exatamente nesta situação que Antony Ingram, da Evo Magazine, se viu. Na verdade, exatamente com estas palavras, ele disse que havia aguardado o momento de dirigir um Countach sua vida toda. Claro, é pouco provável que um dos jornalistas da Evo jamais tenha ao menos sentado em um Countach, mas até dá para deixar passar a licença poética.

De qualquer forma, Antony diz que, como a gente, já ouviu muitas coisas ruins sobre o Countach — sobre o modo como ele é apertado, difícil de manobrar, traiçoeiro e todas aquelas coisas que, no fim das contas, ouvimos falar sobre qualquer superesportivo anterior à década de 1990, quando o lendário McLaren F1 mostrou que era possível tornar o carro mais rápido do mundo em algo utilizável regularmente.

countach (8) countach (9)

 

O Lamborghini Countach, no entanto, chegou antes disso. Ele foi o topo-de-linha da marca por quase vinte anos (de 1974 a 1990), e ainda tinha a obrigação moral de ser chocante e valorizar o desempenho acima de qualquer tipo de conforto. E a imprensa comprou o argumento: fora todos os reviews escritos que exaltavam seu desempenho e seu visual e, ao mesmo tempo, diziam que era um carro quase impossível de ser guiado por mais que vinte minutos, Jeremy Clarkson — goste você dele ou não, um dos mais influentes jornalistas/críticos automotivos dos últimos anos — colaborou com isto ao demonstrar em vídeo todas as agruras de se dirigir um Countach no mundo real.

countach (18) countach (15)countach (14) countach (3)

Você provavelmente já viu este vídeo e, dependendo da sua idade, é provavelmente por causa dele que você tem até medo de um dia dirigir um Countach. Imagine só, ter que sentar na soleira da porta e olhar para trás se quiser andar de ré, pois o vigia traseiro é praticamente decorativo!

Esta parte não era exagero. Na verdade, quase nada do que Clarkson diz no vídeo é exagero, como Antony confirma ao longo de quase nove minutos com um Countach LP400 S 1981. Ele nem é um cara tão alto, mas suas pernas ficam tortas. O volante fica mais para a esquerda e os pedais, mais para a direita, por causa das enormes caixas de roda. Não dá para enxergar muita coisa além do que se vê pelo para-brisa, pois as colunas “A” tornam gigantescos os pontos cegos do carro. E o interior cheio de quinas, botões e materiais (de qualidade apenas razoável) é quente como o inferno, pois o sistema de ar-condicionado só foi se tornar um opcional disponível lá em 1989, quando o Countach já estava para dar lugar ao Diablo. E a direção é mesmo pesada, sem qualquer tipo de assistência.

countach (19) countach (20) countach (21)

E tem mais: o motor é um belíssimo V12 de quatro litros capaz de girar a mais de 8.000 rpm e entregar… 355 cv, potência que já está sendo superada por hatchbacks com motor de quatro cilindros (Ford Focus RS e Mercedes-Benz A45 AMG, estamos falando com vocês). Era o suficiente para levar o LP400 S até os 100 km/h em menos de seis segundos, com máxima de 254 km/h. Mesmo que isto pareça pouco para os padrões atuais, ainda é um desempenho para lá de interessante. E que ajuda esquecer os defeitos do Countach.

countach (11)

Claro, você se senta todo torto e não consegue enxergar muita coisa para fora do carro — tudo isto enquanto sua feito um porco. Mas, em alta velocidade, o volante fica leve. A suspensão trabalha da forma como foi projetada para fazer. O ronco do V12 a centímetros dos seus ouvidos ensurdece e estimula. Você deixa de se preocupar com a dificuldade para entrar no carro porque, honestamente, você não quer mais sair. E, cara, honestamente, esta experiência barulhenta e totalmente mecânica é um dos principais argumentos da galera que defende com unhas e dentes que qualquer carro antigo é melhor que qualquer carro novo. Mesmo que você não concorde, admita, dá para entender este argumento.

countach (10)

O Lamborghini Countach LP400S que aparece nos vídeos e fotos foi cedido pela RM Sotheby’s, que o leiloará durante o Retromobile em Paris no início de fevereiro, e a agência espera arrecadar algo entre £ 200 mil e £ 250 mil — por volta de R$ 1,17 e R$ 1,47 milhão, em conversão direta. Talvez seja uma boa ideia comprá-lo e descobrir, na prática, como é conviver com um Countach…

countach (2) countach (6) countach (4) countach (16) countach (17) countach (13)

Matérias relacionadas

Akira Nakai, Magnus Walker, Bisimoto criam Porsche 911 para Need for Speed – com a ajuda dos fãs

Dalmo Hernandes

Toyota Sports 800: a história do primeiro esportivo da Toyota – e de sua versão de corrida!

Dalmo Hernandes

As subidas de montanha da Polônia devem ser as corridas mais insanas do planeta

Leonardo Contesini