A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Como eu me sinto sendo namorada de um gearhead

Para quem não sabe, “gearhead” é um termo criado pelos ingleses para descrever aquele cara apaixonado por carros, veículos em geral, basicamente tudo o que tem motor e engrenagem. Daí eu pensei, “ótimo, em datas especiais dou umas miniaturas, uns Hot Wheels e está tudo certo”. Atualmente temos uma coleção com mais de 50 carrinhos e algumas miniaturas em maior escala. Mas eu não imaginava que ser namorada do Igor seria muito mais que isso.

Namorar um gearhead é uma viagem. Uma viagem a muito mais de 200 km/h.

É sentir um friozinho na barriga, não de ansiedade ou de emoção após uma declaraçãozinha, mas porque ele ultrapassou a milhão….NA CHUVA! Morrer do coração, quando faz uma curva com o freio de mão puxado (E sai rindo enquanto eu falo todos os palavrões que eu sei, e os que acabara de inventar).

É morrer de ciúmes, não das amiguinhas, ou de alguma garota que passa na rua, mas de outros carros, no meu caso, de um Dodge Viper GTS blue pearl. Caso sério, até eu caí no encanto.
Quando demora a me responder: “o que será que ele está fazendo?” Minutos… Horas depois, “Desculpe, amor, estava vendo um vídeo aqui… Formula Truck! Foda!”.

Ele sabe dizer o modelo, ano e versão de um carro apenas vendo um pedaço de para-choque. Sabe dizer o país de origem e a história da fabricação do carro que você puder imaginar. Posso aceitar que ele esqueça nosso aniversario de 1 mês e 5 dias de namoro? O horário em que demos o primeiro beijo? Ou que não saiba o número do meu CPF? ELE NÃO SABE NEM O NÚMERO DO MEU TELEFONE!

Não sei se o carro dele tem nome e sobrenome, mas ele conversa, faz carinho, fala sobre o trânsito, diz a ele que tudo vai ficar bem quando algo parece não funcionar bem, e parabeniza quando ele se mostra eficiente. E eu do lado, sem entender nada.

E quando eu penso em me aproximar do carro. NOSSA. É possível notar o desespero, dele e do Polo.

– Amor, posso dirigir?
– Melhor não. Tenho medo…
– Awn, que lindo. Não se preocupe, não vou me machucar.
– Eu sei, o medo é pelo carro, querida.

Ok. Eu entendo, e aceito tudo. Eu amo o meu namorado gearhead, e confesso, estou me apaixonando por esse universo, também. Não tenho a beleza de um Muscle Car, e nem o ronco de um esportivo (ainda bem). Mas, assim como o seu carro, quero ser sempre sua companheira, nos tempos bons e nos ruins. No trânsito, ou sozinhos pelas ruas. A mil por hora no asfalto e a menos de dez na estrada de terra. Tenho os meus defeitos, e dou alguns probleminhas também, espero que tenha a mesma paciência comigo. Quero ser o seu refúgio também e te dar alegria em viver.
É isso, namorar um gear é “viver de loucura”

Quero que o meu gearhead preferido saiba que sou feliz por ele ser assim, pois além de ser um excelente piloto, essa paixão por carros, motos, trucks e etc, o faz feliz e lhe proporcionou ótimos momentos, experiências e boas amizades. Que eu adoro o VW dele, rebaixado, lindo, verde e com barulhão. Amo o meu gear do jeito que ele é – e corro junto com ele daqui até o fim da estrada.

 

Escrito por Fernanda Lopes, namorada do leitor gearhead Igor Diogenes. Happy Valentine’s Day!

poloo

O carro – Polo 2.0 2003

Filtros esportivo K&N com cold air intake
Velas Iridium
Abafador de inox Zelo Sport, entrada de 2,5″ e saída de 3″
Molas Eibach, amortecedores Macaulay
Pneus Pirelli Phanton 195/55 R15

Matérias relacionadas

Esta é a única Ferrari que venceu as 24 Horas de Le Mans duas vezes – mas ninguém sabia disso

Dalmo Hernandes

Como é pilotar o Jaguar XJR-9 que venceu as 24 Horas de Daytona? Matador, claro!

Dalmo Hernandes

Afinal, o que é Alcantara?

Dalmo Hernandes