A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Técnica Vídeo

Como o HANS salvou um piloto de uma manobra suja na pista

O automobilismo é um esporte perigoso, sim — toda e qualquer visita a um autódromo é imprevisível e uma tragédia pode estar esperando para acontecer. Prevenção é sempre importante e equipamentos de segurança são fundamentais. O ideal é nunca precisar contar com eles, mas uma hora ou outra você acaba realizando um teste prático.

Circula pelas redes sociais e sites um vídeo que mostra o que acontece quando se divide a pista com gente irresponsável — para dizer o mínimo. Por que o que aconteceu com o piloto Darren Langevelt em uma corrida regional no Reino Unido não tem outra explicação se não a imprudência e o egoísmo do cara ao volante do Porsche 968 que estava à frente de seu Renault Clio Cup 172.

Felizmente o Renault Clio era todo modificado e preparado para as pistas, com gaiola de proteção, cintos de competição e bancos concha. Por esta razão, o habitáculo ficou protegido enquanto a dianteira virou uma massa de metal retorcido. Mas o que aconteceu, então?

Por um bom tempo o Renault Clio perseguiu o Porsche bem de perto, e não foram poucas as oportunidades que ele teve para ultrapassar. Contudo, defendendo sua posição com unhas e dentes o dito piloto do Porsche não perdeu uma oportunidade de costurar a pista e trancar a passagem do Clio algumas vezes — como se o circuito de Cadwell Park, conhecido como “mini-Nürburgring”, já não fosse estreito e traiçoeiro o bastante.

Em determinado momento, suas ações fazem com que um Lotus Elise saia da pista (por volta de 1:22 no vídeo), mas é a partir dos 1:35 que começa o espetáculo principal de estupidez: ao tentar uma ultrapassagem por dentro em uma curva à direita, o Clio é empurrado sem cerimônia pelo cara no Porsche 968. E o pior: a curva acaba, começa a reta e no meio do gramado está o muro da reta dos boxes.

As palavras de Langevelt descrevendo o que passou por sua cabeça no momento em que o piloto do Porsche o empurrou com o carro impressionam?

Quando percebi que aquilo ia virar um incidente, a primeira coisa que pensei foi ‘minha esposa vai me matar se eu bater hoje. Aí, quando me dei conta de que era só um passageiro indo direto para o impacto, e que ia doer… pensei nos meus filhos.”

Relembrando o acidente, Langevelt elogia a empresa que construiu seu carro, mas também diz que deve sua vida ao HANS.

HANS é a sigla em inglês para Head and Neck Support (“Suporte para Cabeça e Pescoço”), e ele faz exatamente isto: dá suporte à cabeça e ao pescoço para que, no caso de uma desaceleração extrema e repentina (no caso de uma colisão em alta velocidade), sejam evitadas fraturas basilares como as que mataram Senna e Roland Ratzenberger no mesmo fim de semana.

Feito de fibra de carbono para ser leve e resistente, o HANS consiste em um suporte em forma de U que fica atrás da cabeça e preso ao capacete por duas âncoras em cada lado, mais dois braços que avançam sobre os músculos peitorais. Além de evitar que a cabeça chicoteie com violência, o HANS transmite a energia do impacto para o tórax, que é muito mais resistente do que o pescoço.

Dale

Como você deve ter visto no post da nossa coluna Doctor Gas sobre o acidente de Dale Earnhardt, da NASCAR, o HANS foi inventado na década de 1980 mas demorou quase duas décadas para que ele fosse aceito pela maioria dos pilotos, que o julgavam desconfortável e diziam que ele obstruía a visão e poderia causar mais acidentes. Depois da morte de Dale Earnhardt em 2001, porém, a NASCAR não demorou a torná-lo obrigatório e, dois anos depois, a FIA seguiu os passos e tornou o HANS obrigatório também na Fórmula 1.

Dizem que você não se dá conta da importância dos equipamentos de segurança até precisar deles. E Langevelt, o piloto do Clio, diz que deve sua vida ao HANS — e que sequer cogita a possibilidade de entrar na pista de novo sem um protetor cervical. “Se você está se preparando para correr sem um destes, você não está nem um pouco preparado”.

silver-shit

O HANS é caro — nos EUA, o preço de um protetor profissional chega perto dos mil dólares. No Brasil, fica entre R$ 2.500 e R$ 3.500, e você ainda precisa de um capacete compatível e de cintos de quatro, cinco ou seis pontos. Contudo, é preciso lembrar que ele salva vidas — o próprio Langevelt provavelmente não estaria sentado ao lado de seu Clio (que era conhecido como “Silver Shit”) todo destruído, contando como foi seu acidente, se não fosse pelo HANS.

 

Matérias relacionadas

A atitude destes dois pilotos depois de um acidente impressionante na Bathurst 1000 foi surpreendente

Dalmo Hernandes

Quais os riscos de rodar com o tanque de combustível na reserva?

Leonardo Contesini

Adolescentes capotam Golf a 150 km/h ao fugir da polícia em Santa Catarina

Leonardo Contesini
error: Direitos autorais reservados