A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos Notícias Zero a 300

Conheça os detalhes do Jaguar E-Type elétrico usado no casamento do príncipe Harry

Se você acessou a internet nos últimos dias, provavelmente foi bombardeado com notícias a respeito de mais um casamento real: a união entre o príncipe Harry, neto da rainha Elizabeth II, e a atriz norte-americana Meghan Markle. A cerimônia no Castelo de Windsor aconteceu no último sábado, dia 19 de maio, e não se fala de outra coisa na TV, na internet e nas redes sociais – o que o príncipe Harry e o irmão William conversaram antes do casamento, a cor do vestido de Kate Middleton, fotos do bolo, conversas dos convidados e mais.

Pois vamos falar um pouco do casamento real aqui no FlatOut também. Mas nosso foco é outro: o carro no qual os recém-casados – agora Duque e Duquesa de Sussex – deixaram o castelo: um Jaguar E-Type elétrico.

O carro não é exatamente novidade, pois foi apresentado pela Jaguar em setembro de 2017, mas aparentemente ninguém deu tanta atenção a ele. Trata-se de um restomod feito pela própria fabricante no Jaguar Land Rover Classic, seu centro de manutenção, customização e restauração de clássicos de onde já saíram muitas coisas interessantes – como os Range Rover e E-Type da série Reborn, exemplares selecionados, desmontados e reconstruídos com componentes novos e originais.

Enquanto os modelos Reborn são séries limitadas, com dez exemplares de cada um, o chamado Jaguar E-Type Concept Zero é um one-off. O carro, um E-Type 1968 totalmente restaurado, foi idelizado pelo chefe da JLR Classic, Tim Hanning. Ele é um entusiasta de verdade e tem alguns clássicos impecáveis em sua própria garagem, e disse à Autocar em 2017 que carros como o Jaguar E-Type elétrico podem ser a solução que os entusiastas precisam para manter seus carros antigos na ativa, oferecendo o visual clássico e a dinâmica de um esportivo clássico, porém sem emissões de poluentes, sem gastar combustível e – palavras do próprio Hanning – “sem vazamentos de óleo”.

jaguar_e-type_zero_1 jaguar_e-type_zero_6

No lugar do bocal de combustível… uma tomada

O carro foi restaurado por uma divisão interna da Jaguar, o que significa que, tecnicamente, a restauração foi perfeita – painéis da carroceria novos, com tratamento melhor que o usado na época (e com tratamento anti-corrosão); componentes de suspensão e freios; revestimentos e acabamentos internos; rodas e, claro, a estrutura do roadster são perfeitos.

jaguar_e-type_zero_3

 

Agora, originalmente o E-Type usava um seis-em-linha de 4,2 litros – o famoso motor XK, que em 1968 entregava 268 cv e era capaz de levar o Jag de zero a 100 km/h em 6,4 segundos, com velocidade máxima de 240 km/h. O E-Type Zero, por sua vez, usa um motor elétrico com potência equivalente a 300 cv, e com isto é capaz de acelerar de zero a 100 km/h em 5,5 segundos, enquanto a velocidade máxima permanece em 240 km/h. A autonomia do carro é de 273 km em uso misto, de acordo com a JLR Classic – razoável para um carro esportivo feito para se curtir aos fins de semana.

jaguar_e-type_zero_31 jaguar_e-type_zero_9

O motor leva a força para as rodas traseiras através do diferencial original dispensa a embreagem – o E-Type Zero tem apenas duas marchas, uma à frente e uma à ré, e alterna-se entre elas através de um seletor giratório no painel. Com o novo conjunto mecânico, incluindo o inversor e toda a eletrônica no porta-malas, além das baterias, o carro ficou 46 kg mais leve, o que é impressionante por si só.

jaguar_e-type_zero_79

Do lado de fora, exceto pela ausência do escapamento, não há modificações visíveis. Do lado de dentro há um novo revestimento de fibra de carbono no painel, que recebeu uma tela sensível ao toque e um cluster de instrumentos digital; e um novo console central com o seletor de marchas. E, abrindo o enorme capô do tipo clamshell (toda a porção dianteira do carro se levanta, revelando boa parte da estrutura e da suspensão), se vê o motor elétrico. De acordo com a Jaguar o novo motor foi instalado sem quaisquer alterações na estrutura do carro, o que permite que se coloque de volta todos os componentes mecânicos originais.

jaguar_e-type_zero_22 jaguar_e-type_4.2-litre_open_two_seater_81

Nós mesmos já falamos aqui sobre conversões elétricas em carros clássicos – um Fusca elétrico, por exemplo, pode não ter o ronco gostoso do boxer arrefecido a ar, mas pode ser feito na garagem de um entusiasta usando um kit pronto (já se pode comprar um deles lá fora por US$ 7.000, ou cerca de R$ 27.000 em conversão direta) e se tornar um carro confiável, estiloso e bem mais rápido que o original. Em um mundo cada vez mais “verde”, motores elétricos podem ser a salvação dos carros clássicos – depende do quanto os entusiastas estão dispostos a abrir mão. E o fato de o conjunto mecânico original poder ser colocado de volta no lugar sem tanta dificuldade é até que encorajador.

Agora, voltando ao casamento real: o príncipe Harry e a lady Meghan deixaram o Castelo de Windsor no E-Type elétrico, encerrando assim o casamento real “prafrentex”, com uma noiva engajada em causas sociais e um coral protestante do Harlem cantando Stand by Me em uma capela anglicana. A presença de um E-Type elétrico nos parece uma maneira de simbolizar a “modernização” da família real britânica – um carro antigo adaptado aos tempos modernos. É algo análogo ao o modo como como a monarquia inglesa se adaptou ao mundo atual, transformando a realeza em uma marca e a vida de seus membros em uma espécie de reality show.

britain-us-royals-wedding-1 (3)

Temos nossas opiniões a respeito dos carros antigos convertidos para usar eletricidade em vez de suco de dinossauro – sabemos que não há sentido em tentar lutar contra eles, até porque não acreditamos que eles tomarão totalmente o lugar dos motores a combustão. E a gente até entende o que a Jaguar está fazendo, porque apesar de custar estimados US$ 300 mil, o E-Type elétrico tem até alguns clientes em potencial de acordo com a marca.

britain-us-royals-wedding-1 (2)

Mas este carro elétrico em especial é um esportivo clássico dos anos 60 transformado em “carro verde”. Algo que, neste contexto em específico – o casamento de um príncipe transformado em um circo midiático em pleno 2018 – acaba se tornando uma analogia um tanto incômoda. É só lembrar que em 2011, quando o irmão mais velho de Harry, o príncipe William, casou-se com Kate Middleton, o carro usado foi um Aston Martin com motor movido a “vinho” – etanol feito com uvas. Entende o que estamos dizendo?

Matérias relacionadas

Jaguar volta a fabricar o E-Type depois de 50 anos (ou quase isso)

Leonardo Contesini

Por que as lanternas traseiras do seu carro são vermelhas?

Dalmo Hernandes

Conheça o Porsche 356 em detalhes que você nunca viu!

Leonardo Contesini