A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Dá gosto ver um Honda Civic Ek4 sendo pilotado assim em uma subida de montanha

Às vezes, menos é mais. E nesse caso, não encare o “menos” com conotação negativa: o que a gente quer dizer é que este Honda Civic hatch amarelo não é um carro preparado ao extremo, nem corre em uma categoria extrema. Trata-se simplesmente de um Ek4 com motor B16 muito bem acertado e muito bem conduzido em uma subida de montanha. É um daqueles casos em que tudo está sob medida e o entretenimento é garantido.

O piloto do carro é o romeno Alex Mirea, que participa daquelas subidas de montanha em estradas rurais que são tão comuns no Leste Europeu. Elas não são cobertas por grandes veículos de mídia, mas não tem problema: os próprios organizadores dão um jeito de filmar as baterias e colocar tudo no YouTube – algo que também fazem os espectadores e os próprios pilotos. E, assim, podemos apreciar estes belos vídeos de Mirea em seu Civic.

O carro está muito esperto, muito bem ajustado dinamicamente e, por mais que não esteja preparado até as tampas, certamente o motor B16 está com uma pimenta a mais – naturalmente aspirado, claro. Vale a pena ver até o final.

O Civic EK, hatch de sexta geração, é um dos melhores carros de tração dianteira já feitos em termos de dinâmica. No aspecto técnico, ele é uma evolução do anterior, o EG: traz o mesmo arranjo de suspensão, com braços triangulares sobrepostos na dianteira e multilink na traseira e, embora tenha ganhado peso (1.100 kg contra 1.050 kg, considerando a versão Si) , é um carro mais sofisticado e melhor estruturado, sem perder sua crueza e sua comunicatividade.

Também é um carro que pode assustar iniciantes, mesmo original: nas curvas, seu lift-off oversteer é bastante agressivo em alta velocidade. lift-off oversteer é o sobresterço que acontece quando você alivia o pé do acelerador em uma curva. Ele ocorre porque, devido à transferência de peso da traseira para a dianteira, a carga vertical sobre o eixo traseiro diminui. Com isto, os pneus traseiros perdem aderência, podendo ocasionar uma surpresa bem desagradável caso o piloto não saiba o que fazer. Alex sabe o que fazer e usa as saídas de traseira a seu favor, neutralizando o subesterço típico dos tração dianteira.

Neste vídeo onboard dá para ter uma noção melhor da tocada de Alex. Repare nas frenagens com o pé esquerdo, e também no cluster digital do Honda S2000

É claro que o carro também ajuda: além de aliviado e com suspensão preparada, o EK é equipado com o motor B16B, versão mais potente do B16. O quatro-cilindros de 1,6 litro é um dos motores naturalmente aspirados com maior potência específica da história: são 185 cv a 8.200 rpm (com redline nas 8.400 rpm e corte de giro às 9.000 rpm), o que dá nada menos que 115 cv por litro. Sem qualquer tipo de indução forçada! Não é à toa que o B16B é o motor do Civic Type R de primeira geração, a versão mais radical do EK.

Isto sem falar no kick do comando variável VTEC: o B16B é de uma época em que a mudança no perfil do comando não era gradual, e sim abrupta: às 5.800 rpm a árvore assume sua graduação mais agressiva e a mudança no ronco e no desempenho do motor é notável.

Agora, Alex não pilota apenas o Civic EK. Em seu canal do YouTube, vemos que ele também tem um Civic EP3 (a geração seguinte do hatchback) com motor K20 – mesma família do motor do “nosso” Civic Si. Ele já é um carro mais pesado, com um motor maior, e não deixa de ser afiado e divertido.

Embora as coisas nem sempre saiam como o esperado…

Matérias relacionadas

Que tipo de maluco viaja da Coreia do Sul até Nürburgring com uma Honda Dream… e dá só DUAS voltas?

Dalmo Hernandes

Teorias da conspiração: o carro a álcool de Ford foi boicotado por um magnata do petróleo?

Leonardo Contesini

HSV Maloo GTS: afinal, como é acelerar a Ute mais rápida de todos os tempos?

Dalmo Hernandes