A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

De volta à garagem secreta da BMW Motorsport

Lá no comecinho do FlatOut, em janeiro deste ano, vimos uma série de vídeos da galera do Bimmerposts no depósito secreto de conceitos não produzidos que fica escondido em algum lugar de Munique, na Alemanha. Hoje vamos repetir a dose com um vídeo que pingou na internet nesta semana — e dar uma volta ainda mais longa, detalhada e simplesmente orgástica para os fãs da companhia bávada e de suas ultimate driving machines. O que você iria fazer na próxima meia hora, mesmo?

Você não precisa ir até Munique — até porque, caso fosse, dificilmente encontraria o lugar. Caso encontre, você só entra com permissão especial, como os caras do fórum Bimmerpost fizeram no início do ano e como os apresentadores do programa Grip — uma das melhores opções para os alemães entusiastas na TV. Ou você vai dizer que não iria gostar de ligar a televisão e ver vários BMW que você talvez nem sabia que existiam sendo mostrados em detalhes (e a té dirigidos!) por quase 30 minutos? É, nós também adoraríamos.

Por sorte existe a internet, e o canal do programa no YouTube disponibilizou a matéria na íntegra, e você confere a seguir. Está em alemão, mas a linguagem dos carros é universão, não é o que dizem?

O vídeo começa com um carro inusitado — o Mini Cooper amarelo que ficou famoso com Rowan Atkinson ao volante no papel de Mr. Bean (ainda que, às vezes, ele fosse sentado em uma poltrona no teto do carro, mas você entendeu). Faz sentido pois, ainda que o Mini clássico seja a essência do carro popular britânico (incluindo as várias trocas de fabricante ao longo de sua história), hoje em dia é a BMW quem mantém a marca viva — os carros estão maiores, sim, mas são mais potentes e muito bons de guiar. E isto é só o começo.

Como já dissemos, a BMW M mantém um exemplar de cada carro lançado pela divisão — do M1 ao Série 1 M —, mas eles estão longe de ser os únicos carros ali: vários conceitos e protótipos também dividem o enorme espaço, que é preenchido por toda sorte de Bimmers estranhos, únicos ou altamente desejáveis (ou as três coisas juntas) que você possa imaginar.

Não é exagero: por acaso você esperava encontrar por lá o Project Goldfish — um Série 7 com um motor V16 experimental? Claro, ele tinha 6,6 litros e entregava 413 cv a 5.200 rpm e 64,9 mkgf de torque a 3.900 rpm — mas estamos falando de um motor projetado em 1987. Era o que havia de mais extremo. O carro aparece por volta dos 3:30 do vídeo, e se você reparar, vai ver que ele tinha entradas de ar nos para-lamas traseiros. Isto era necessário porque os radiadores ficavam no porta-malas — o V16 era tão comprido que não deixava espaço para eles na dianteira.

E isto é só o começo: o depósito também guarda coisas como um BMW X5 equipado com um motor V12 de seis litros e 700 cv vindo direto de um protótipo Le Mans — o V12 LMR, que deu à BMW sua primeira e única vitória no circuito de La Sarthe, em 1999 (e que também aparece no vídeo, por volta dos 12:30). Como os caras do Carthrottle bem observaram, este carro pode ser considerado o precursor dos atuais “super SUVs” da divisão Motorsport, como o X5M e o X6M.

Se você gosta de swaps com motores V12, então também vai curtir o Z3 com motor V12 (provavelmente vindo do 750i de meados da década de 1990) que é mostrado por volta dos 15:45. Agora, se o seu negócio são carros de cinema, não se preocupe: o 650i que Tom Cruise dirige em “Missão: Impossível – Protocolo Fantasma” (Mission: Impossible — Ghost Protocol, 2011) também está guardado — e nem foi lavado ou recuperado (provavelmente porque agora ele vale muito mais do que quando era novo).

Prefere a elegância do James Bond interpretado por Pierce Brosnan? Sem problemas, pois o 750i que 007 blindado e armado com um lança-mísseis em um teto solar falso é outra das preciosidades do depósito. Só que o recurso mais interessante é o complicado sistema que permite que o carro seja guiado por alguém no banco de trás — necessário nas cenas mais extremas —, com volante, pedais e alavanca de câmbio. Aliás, o câmbio é automático, e o terceiro pedal aciona os freios apenas nos pneus traseiros.

Isto sem falar em todos os carros mais “normais”, como uma bela coleção de M3 de todas as gerações e variações (como os E30 Evolution)  e o icônico 3.0 CSL conhecido como “Batmóvel” (6:50). Desenvolvido pela Alpina e dotado de um conjunto aerodinâmico que se tornou sua marca registrada. Seu seis-em-linha preparado era suficiente para chegar aos 100 km/h em menos de sete segundos (em 1972!) e tinha um ronco maravilhoso:

Soa apetitoso, não? Então melhor pararmos de falar e deixarmos vocês assistirem logo ao vídeo e matar a vontade. Certifique-se apenas de que ninguém vai precisar de você na próxima meia hora, por que você simplesmente não vai conseguir parar e sair da frente do monitor.

[Foto de abertura: Grip/Facebook]

Matérias relacionadas

Este Porsche 911 venceu nos ralis, correu em Le Mans, pode ser usado nas ruas e está à venda

Dalmo Hernandes

Os modelos de rodas aftermarket  favoritos dos leitores do FlatOut!

Dalmo Hernandes

Os melhores hot hatches do universo: Volvo C30 Polestar

Leonardo Contesini