FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

Delta Automotiva: conheça a primeira equipe universitária de arrancada do Brasil – e seu Fiat Uno!

Na década de 1990 a Universidade Federal de Uberlândia, em Minas Gerais – a UFU – e a Fiat Automóveis S/A, com sede na cidade de Betim, mantinham uma forte parceria. A fabricante ítalo-brasileira usava os dinamômetros de bancada do laboratório de engenharia mecânica da universidade para testar seus motores. Estamos falando de quase 30 anos atrás, claro, e já faz alguns anos que esta relação entre a Fiat e a UFU foi encerrada.

No entanto, por esta razão havia um motor Sevel 1.6 disponível para que a Equipe Delta Automotiva, formada por estudantes de engenharia da UFU, pudesse montar um Fiat Uno de arrancada. Hoje eles participam de campeonatos profissionais com o carro – com desempenho nada menos que excelente. Contra equipes profissionais, inclusive!

Não deve ter sido por acaso que fui encarregado de conhecer um pouco melhor a história e o trabalho da equipe Delta Automotiva, da Faculdade de Engenharia Mecânica (FEMEC) da UFU – certamente tem a ver com minha afeição pelo Fiat Uno. E eu acabei batendo um papo com o Victor Spini, um dos membros da Delta. Ele me contou um pouco sobre a formação da equipe, suas motivações e seus objetivos, além de dar um panorama muito interessante a sobre a experiência de montar um carro de arrancada e competir para valer no mundo real.

27628956_741682236023796_3919863314716098888_o

A Delta Automotiva foi fundada em fevereiro de 2015, desde o início com o objetivo de ser uma equipe de arrancada – o que por si só representava um grande desafio.

“A ideia surgiu quando um dos membros fundadores voltou de intercâmbio da França, e lá teve contato com equipes universitárias que competiam no meio automobilístico. No Brasil, ele procurou amigos que simpatizaram com a ideia e tinham a mesma paixão por carros para então formar a equipe. A disponibilidade de uma pista de arrancada na região de Uberlândia/MG, a Arena Race, foi um dos estímulos para o surgimento da equipe”, explica Victor. “Atualmente a Delta Automotiva participa da modalidade arrancada, regulamentada pela Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), e realiza pesquisas e implementação de tecnologias para obter resultados melhores nas competições da categoria.” Na época com apenas cinco membros (hoje são 20), a Delta Automotiva contou com o apoio do Prof. Dr. José Antônio Ferreira Borges para regulamentar a equipe como projeto de extensão junto à FEMEC.

Foi um longo caminho até a Delta chegar onde está. Geralmente os projetos dos cursos engenharia envolvem competições universitárias de monopostos e protótipos off-road, com motores de baixa cilindrada e por volta de 10 cv, ou aeromodelos Tucano, que colocam para disputar entre si equipes de universidades de todo o País. No caso da arrancada, estes campeonatos simplesmente não existem.

“A Delta é a única equipe universitária arrancada a competir no País atualmente. Existem outras duas no Sul do Brasil, mas elas ainda não tiraram seus projetos do papel, não chegaram a montar o carro e não estão competindo. Fomos a primeira”, conta Victor.

WhatsApp Image 2018-05-16 at 19.16.26 (4)

Há um motivo para isto. “Há mais de 100 equipes no Brasil todo que fazem o campeonato universitário, ou seja, o Baja da UFU corre contra o Baja da USP, contra o Baja do ITA. Da mesma forma, a Tucano é uma competição de aeromodelos, com o pessoal da [engenharia] aeronáutica”, explica Victor. E esta foi uma das razões, no início do projeto houve certa resistência por parte da reitoria da UFU. “A gente teria de disputar contra profissionais, contra equipes que têm muito mais recursos.”

Outra barreira a ser vencida seria o preconceito. “A arrancada é muito mal vista. Não tanto no âmbito da universidade, mas aos olhos da sociedade”, lamenta Victor. “Para as maioria das pessoas, é o cara que fica acelerando na porta da boate, o caras que dá ‘corte de giro’, pipocando o escapamento do carro. Há até quem pense que são os caras que andam de carro rebaixado, com rodões. É um imagem ruim à qual a arrancada está vinculada em nosso País, e que tivemos que desconstruir com o tempo.”

Também houve preocupação com a segurança dos estudantes. “O Baja é um buggy que não atinge velocidades tão elevadas, enquanto o Tucano é um aeromodelo não-tripulado. Na arrancada há um risco real à vida do piloto, com velocidades superiores a 100 km/h, mas ainda assim a Delta conseguiu permissão para colocar seu projeto em prática.”

Mas aí havia a questão financeira. “Os cortes de verba na educação que acontecem atualmente no país acabam afetando a instituição e reduzindo recursos dentro da faculdade. Como a FEMEC é uma voltada para o meio acadêmico, com formação de professores, eles preferem investir em bolsas iniciação científica antes de dar incentivos aos projetos de extensão, que são mais de 20 e são muito bons.”

Mesmo com todos os obstáculos, porém, a Delta Automotiva conseguiu o feito inédito não apenas de montar um carro de arrancada para competir na categoria Street Race 10 Segundos: um Fiat Uno Furgão 2006, movido originalmente por um motor Fire 1.3 de 71 cv, doado ainda em 2015 por… uma empresa de assistência técnica de telecomunicações. O carro estava praticamente destinado a correr desde o início.

WhatsApp Image 2018-05-16 at 19.16.26 (2)

Brincadeiras à parte, o Uno que seria descartado ganhou vida nova nas mãos do pessoal da Delta. Algo que, novamente, não foi fácil e nem rápido. Victor explica: “mesmo com um motor e uma estrutura, muito ainda faltava para se alcançar os objetivos do grupo. Ao longo do ano de 2016, a Delta Automotiva concentrou-se em reunir material e recursos físicos necessários para desenvolver o carro. Várias dificuldades tiveram que ser vencidas para tirar o projeto do papel, principalmente com relação a levantamento de recursos financeiros”. Então, a equipe enfrentou outra situação comum no automobilismo brasileiro, em qualquer categoria: a jornada em busca de patrocínio. “Como a equipe levaria meses para atingir resultados, não participava de competições e não gozava de boa visibilidade, o setor privado também ofereceu muita resistência em patrocinar a equipe, salvo raras exceções.”

Victor prossegue: “Expandida para doze membros, a equipe deu início ao trabalho de recuperação e reconstrução do veículo, usando de ferramentas levadas pelos próprios membros e recursos financeiros levantados por meio de contribuição mensal do professor e dos alunos envolvidos no projeto. Além disso, contou com enorme ajuda do técnico administrativo Luiz Quirino que participou ativamente nos reparos feitos. Por fim, após meses de trabalho e mais patrocínios de materiais e mão de obra (principalmente da Mecânica Sul por meio do proprietário Wander Ligeiro), a Delta finalizou o projeto mais simples do carro, que ligou pela primeira vez e pôde realizar os primeiros testes em pista no final do ano de 2017, constatando que o Átila já estava apto a competir.”

Átila, como alguns devem ter sacado, é o apelido do carro – um trocadilho com Átila, o Huno, temido comandante que governou o maior império europeu entre os anos 434 e 453.

aaaaa IMG_8338

O Fiat recebeu o já citado motor Sevel 1.6 8v, que está com um cabeçote de 16 válvulas, com fluxo retrabalhado em parceria com a Japa Cabeçotes Especiais; e é alimentado por um sistema de injeção programável MegaSquirt MS1 Racing. Os componentes internos (pistões, bielas, anéis, mancais) são standard. Já o câmbio é, pasme, o original do Uno Furgão, sem qualquer alteração. “É por isso que ele dá alguns pepinos às vezes”, brinca Victor, bem humorado.

IMG_20170410_203819552 IMG-20150803-WA0023 WhatsApp Image 2017-04-24 at 20.42.35IMG_8291

“O carro é todo aliviado para melhorar a relação peso potência, usa rodas de 15” do Marea Turbo na dianteira, com as 13” originais na traseira”, explica Victor. “Já a suspensão é a mais baixa possível sem prejudicar o trabalho dos amortecedores. O centro de gravidade deslocado para frente, e também o mais baixo possível”. O Uno pesa 720 kg sem o piloto.

WhatsApp Image 2017-05-03 at 19.56.31WhatsApp Image 2018-05-16 at 19.25.25 (2)

Alguns testes em dinamômetro foram feitos para calibrar o carro, mas antes que se pudesse realizar o teste específico para aferir torque, potência e rotações, o equipamento quebrou. A última medição, porém, mostrou que o Sevel rende 135 cv a cerca de 8.000 rpm – o limite é de 9.000 rpm. Se você acha que soa bem, achou certo:

Átila, o Uno, participou pela primeira vez de um evento de arrancada em 18 de novembro de 2017. “A previsão era participar de categorias não homologadas pela CBA e entrar na modalidade menos competitiva possível, como
a desafio Street Race 10.5 Segundos”, Victor comenta. “Mas, com o bom desempenho do carro, logo a gente almejou subir uma categoria”.

IMG_8358 27164815_741683699356983_6750360413353850138_o

E os resultados? “O primeiro tempo em de pista, medido no final de 2017, foi de 10.6 segundos no tempo total de pista (201 metros). O carro foi evoluindo e o melhor tempo foi de 9,876 segundos.

Lado a lado, o Uno bateu Jetta TSI, BMW 320i e Marea turbo original, só para citar alguns. O melhor tempo nos 60 pés, que é onde o primeiro sensor da arrancada fica localizado, foi de 2,069 segundos.”

E assim, com números para dar confiança, logo no primeiro mês de 2018 a Delta Automotiva fez sua estreia em uma competição. Aqui, fica o relato um breve escrito pelo próprio Victor:

A estreia como competidor na pista de Uberlândia, em parceria com o Arena Race, foi no dia 14 de janeiro de 2018 no evento Rei da Pista – Desafio entre Áreas. Como resultado de vários meses de trabalho em equipe, contribuição de vários colaboradores e muita dedicação dos alunos, a Delta Automotiva consagrou-se campeã da categoria Street Race 10 segundos. No dia 11 de março de 2018, a Equipe participou do segundo evento Rei da Pista, realizado no Arena Race, e tornou-se bicampeã na categoria 10 segundos.

Com os resultados, novos desafios surgiram. Buscamos incentivos e parcerias para realizar modificações no carro, a fim de participar de categorias mais rápidas e competitivas, consequentemente dar maior visibilidade ao projeto.Tais mudanças permitiram a participação no Campeonato Arena Race de Arrancada em nível nacional e homologado pela CBA. Entramos na categoria desafio 9.5 Segundos e conquistamos a segunda colocação na primeira etapa realizada nos dias 20, 21 e 22 de abril de 2018.

WhatsApp Image 2018-05-16 at 19.14.09 (2)

Para conseguir a isenção da inscrição, os membros da Delta Automotiva toparam ajudar na organização dos eventos – pré-alinhamento e alinhamento dos carros, cronometragem, manutenção da pista e outras funções. “A parceria foi dando tão certo que os outros competidores começaram a elogiar nosso trabalho, que melhorou a dinâmica da competição. E a gente acabou ganhando mais um patrocinador: a Arena Race hoje nos dá apoio de diversas formas, é muito bacana”, explica Victor. E acrescenta: “nesse ponto também é uma parceria inovadora, acredito que única no Brasil, pois em outras pistas são contratados funcionários para estes serviços.”

IMG_8351_DSC0058a

O esforço compensa. “De dois a três meses para cá nossa visibilidade aumentou bastante. O pessoal vê a gente nos campeonatos regionais, no campeonato nacional. Eles vêem que a gente faz o curso na faculdade de dia e, e depois fica até tarde da noite preparando o carro. Agora sim as empresas estão abrindo os olhos e nos procurando para dar apoio em troca de divulgação”, comemora Victor.

É claro que nem tudo dá certo sempre. Pergunto sobre os perrengues, e ele dispara: “A gente passa perrengue diariamente com aquele Unão. Antes das competições a gente planeja, faz cronogramas, realiza testes uma semana antes, mas não adianta: no dia da competição, minutos antes de começar a bateria, lá estamos nós batendo chave e apertando parafuso. Sempre tem uma surpresa”, diz, bem humorado. “O diferencial já quebrou três vezes, pois a peça original e não foi feita para suportar tanto torque. Em uma delas, durante nossa primeira competição regional, se não consertássemos o diferencial até o início da bateria no domingo, seríamos eliminados.”

_DSC0200

Victor conta, empolgado: “Em uma competição, quando acontece uma quebra assim, há duas possibilidades: uma equipe profissional estruturada, com muitos recursos e um trailer com uma oficina completa, consegue realizar praticamente qualquer reparo, trocar qualquer peça. Uma equipe menor, amadora, coloca o carro na carretinha e vai para casa planejar a competição seguinte. A gente, não: saímos às 8 da noite do Arena Race e fomos para a oficina de um colega, muito longe dali, que tinha o diferencial de que precisávamos. Tivemos que soldar limpar o diferencial, soldar, tirar o câmbio, colocar o diferencial, recolocar o câmbio. Viramos a madrugada e, no outro dia, de manhã, estávamos nas finais. E fomos campeões, nosso primeiro título. Foi muito emocionante. É sempre assim: muita luta, e depois vem a recompensa.”

Peço um comentário sobre toda a experiência, e Victor deixa claro que a evolução da Delta Automotiva nos campeonatos dá motivação de sobra. “É uma experiência fantástica. Não há palavra melhor: fantástica. No início os competidores nos olhavam e diziam ‘ah, esses meninos não sabem nem o que estão fazendo, não entendem nada’. Hoje em dia, nos chamam assim com carinho, mas na primeira vez não foi assim. E acabou que fomos campeões na nossa primeira vez, desbancando gente que está há anos e anos competindo. Aos poucos ganhamos respeito. É incrível, sensacional.”

_DSC0072

Da equipe do FlatOut ficam os parabéns à equipe Delta Automotiva e a seus membros: Victor Spini, Bruno Marra
Caio Guimarães, Lucas Fernandes, Vitor Fernandes, Victor Paiva, Marcus Filipe, Sergio Soares, Leonardo Godoy, Douglas Vieira, João Vitor Reis, Bruno Prado, Carlos Teruo, Matheus Luiz, Paulo Vitor, Bryan Caixeta, Lucas Ferreira, Vinicius Carvalho, Derick Barrientos, Marcio Rodrigues, Cleiton de Morais, Pedro Albuquerque e Hudson Pires. Desejamos muito mais conquistas daqui em diante!

WhatsApp Image 2018-05-16 at 19.16.26 (7)

Matérias relacionadas

Três anos sem Paul Walker: relembre a coleção do astro de “Velozes e Furiosos”

Dalmo Hernandes

Este Honda Civic 1979 restomod com motor K20 de 240 cv é nosso novo sonho de consumo

Dalmo Hernandes

FlatOut em Araxá: confira a mega galeria do Brazil Classics Renault Show!

Leonardo Contesini