A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Sessão da manhã

Delta Integrale, Escort Cosworth e Celica GT-Four: uma bela disputa entre três lendas do WRC

Nesta eterna ânsia de ter o que não podemos, nós somos verdadeiramente fãs de carros que jamais foram vendidos no Brasil. Como os especiais de homologação para carros que disputaram o WRC, maior categoria do rali mundial. Sendo fãs de rali (a ponto de fazermos uma série especial com todos os carros que venceram o WRC, e até alguns que não venceram), temos uma mágoa especial por não podermos dirigir suas versões de rua por aqui.

Por sorte, há a internet, e vídeos como este: uma batalha de igual para igual entre o Lancia Delta Integrale, o Ford Escort RS Cosworth e o Toyota Celica GT-Four.

Davide Cironi é o responsável por isso — o mesmo cara que, há algumas semanas, nos levou para um passeio em uma Ferrari 512BBi preta impecável. Morando na Itália e com os contatos certos, Cironi tem acesso a verdadeiras lendas da indústria automotiva e produz vídeos longos e detalhados com suas impressões ao volante. Este tem pouco mais de 15 minutos.

Ele consegue, e muito bem, te fazer compreender como é a experiência de guiar alguns dos carros mais icônicos e adorados já produzidos. E, certamente, o Delta, o Escort e o Celica — todos feitos para homologar carros de rali vencedores — estão bem alto nesta categoria.

Agora, chega de enrolação: recoste-se na cadeira e aperte o play!

As legendas em inglês podem ser traduzidas automaticamente

Os carros foram avaliados em sequência: primeiro o Celica, depois o Escort e, por fim, o Delta. O carro japonês é um exemplar da série ST205, baseada no Celica de sexta geração. Equipado com um quatro-cilindros turbo chamado 3S-GTE, o GT-Four ST205 foi produzido entre 1994 e 1999, e o mais potente Celica fabricado até então: tinha 255 cv a 6.000 rpm e 31 mkgf de torque a 4.000 rpm. O câmbio era manual, de cinco marchas.

davide-cironi (3)

Foto: Davide Cironi

Cironi elogia a direção do Celica, que é a mais pesada dos três. O sistema de tração integral garante estabilidade nas curvas, ainda que com um pouco de subesterço nas entradas de curva (ainda que Cironi atribua esta característica a possíveis pneus ruins). Dá para dizer que, apesar de ser o mais potente do trio, o GT-Four é o mais equilibrado quando levado ao limite e, visualmente, o que menos grita “sou um carro de rali!” — talvez por ser o mais moderno, com linhas arredondadas e rodas grandes que, com o passar dos anos, se tornaram comuns até em carros que não são esportivos.

Em contraste, o Escort RS Cosworth te faz se sentir, o tempo todo, em um estágio de rali. Não apenas pelo visual icônico, mas pela precisão da direção que, apesar de mais leve que a do Celica, é também a mais precisa; e pelo equilíbrio dinâmico: não há qualquer resquício de subesterço (algo típico dos carros de tração integral), e a suspensão é firme como a do carro de rali.

davide-cironi (2)

Foto: Davide Cironi

Sem falar no motor, claro. O brilhante quatro-cilindros turbo de dois litros YBT, equipado com um turbocompressor Garrett T3/T04B que, operando a 0,8 bar, levava a potência a 220 cv a 6.250 rpm com torque de 29,6 mkgf a 3.500 rpm. Por outro lado, os engates do câmbio poderiam ser mais precisos. Davide diz que, neste quesito, o Cossie é o pior dos três carros.

E então chega a vez do Delta. O italiano tem o projeto mais antigo dos três, afinal, o primeiro Delta foi lançado em 1979 — a longevidade é característica dos carros da península, se pensarmos bem. Não são apenas as linhas quadradas desenhadas por Giorgetto Giugiaro que deixam isto claro (até porque elas envelheceram muito bem), mas toda a experiência de guiar o Integrale: a direção é mais comunicativa, o ronco do motor (um 2.0 turbo de 215 cv e 32 mkgf) é mais audível, o para-brisas fica mais próximo do rosto e a suspensão, mais firme.

davide-cironi (4)

Foto: Davide Cironi

Talvez seja o sangue italiano falando, pois as impressões de Davide quanto ao Delta são muito mais emocionais do que com os outros carros. O motor é o menos potente mas, segundo ele, é simplesmente o melhor. Cironi também diz que é o carro mais difícil de domar, tão cheio de macetes que cada volta se parece com a primeira. Ele admite que o Delta é o mais lento dos três, mas que também é o mais divertido.

Mas qual dos três ele compraria? Para Cironi, o Escort é o que mais se aproxima de um carro de rali em termos de dinâmica, potência e visual. O Celica é o mais veloz, mas o acerto geral do carro o torna mais dócil (o que não quer dizer “sem graça”). Contudo, o Delta é o que mais agrada aos sentidos. Por isso, em vez de dar um veredito, ele simplesmente diz que não consegue decidir — limitando-se a dizer que ficaria com o Escort caso ele transmitisse a mesma emoção do Delta. Coisa de italiano, mesmo.

davide-cironi (1)

Foto: Davide Cironi

E você: com qual dos três ficaria?

Matérias relacionadas

Pegue uma carona em um sonoro Alfa Romeo GTAm de competição

Dalmo Hernandes

De carona com um Toyota Chaser de 1.000 cv na touge mais famosa do Japão

Dalmo Hernandes

Esta versão de controle remoto do General Lee de “Dukes of Hazzard” salta feito gente grande

Dalmo Hernandes