A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

Dream Route: o dia em que peguei uma carona de McLaren e andei na pista com Valentino Balboni em um Aventador

Depois de duas horas em um voo que quase perdi, uma curta caminhada pelas ruas de Porto Alegre e uma corrida de Uber com o motorista mais desastrado que o aplicativo poderia ter me enviado, lá estava eu, sentado à mesa do restaurante, discutindo as diferenças entre o churrasco dos gaúchos, dos catarinenses e dos paulistas, quando uma sequência matadora de esportivos e supercarros começou a ocupar o estacionamento.

Primeiro um Rolls-Royce Phantom Drophead Coupé branco. Em seguida uma Ferrari 458 Italia amarela. Depois um SLS AMG cinza, seguido por um Porsche 911 Turbo S azul, um McLaren MP4-12C prata, uma Ferrari 360 Modena vermelha, um Maserati GranTurismo branco, um Audi RS5 azul e uma Ferrari California vermelha. Um BMW X6 M azul, um Mustang GT preto e um Subaru WRX azul completaram as vagas restantes. A frota faria qualquer fã de carros ir à loucura, mas comigo foi diferente. Não estou sendo blasé, não. É que eu já estava esperando todos aqueles carros. Eles eram exatamente o motivo pelo qual eu me encontrava naquele domingo nublado na pequena Nova Santa Rita.

DREAM ROUTE - DIA 3 TRACK DAY E HOTEL 2017-11-25 122

 

Eles estavam todos reunidos para a Dream Route, um “rali” anual que reune esportivos, modelos exóticos e supercarros em viagens pelo sul do Brasil, passando por rodovias panorâmicas, estradinhas sinuosas, praias badaladas e restaurantes de primeira, mais ou menos como o Gumball 3000, guardadas as devidas proporções. O restaurante à margem da BR-386 era o ponto em que eu os encontraria para irmos até o Velopark, a uns poucos quilômetros dali. Isso significa que eu precisaria de uma carona até lá. Ela veio na forma de um McLaren MP4-12C prata. Ok, vamos lá.

IMG_0424

Ao fechar a porta do supercarro britânico, comecei a pensar em Gordon Murray. Ele criou o F1 para corrigir os defeitos dos supercarros da época, que eram desconfortáveis, pouco espaçosos e tinham ergonomia terrível. Em sua concepção, seu supercarro poderia levá-lo até o supermercado e depois poderia ser capaz de pegar a estrada “até o sul da França” com o máximo de conforto possível. Algo compreensível vindo de um cara de 1,93 m de altura. E foi justamente isso o que me fez pensar nele a bordo do MP4-12C: como o carro estava carregado de malas e bolsas, faltava espaço para minhas pernas enquanto meu cabelo varria o teto do carro. Deve ser por isso que eles estão fazendo um novo “sucessor” para o F1.

Mas não estou reclamando. Não é todo dia que se tem a chance de fazer uma viagem curta em um supercarro. A aceleração, as retomadas e a rodagem surpreendentemente confortável me fizeram prestar atenção nas qualidades do carro e esquecer seus defeitos. Especialmente porque aquele não era um MP4-12C comum.

IMG_0423

Conversando com o proprietário descobri que aquele foi um dos quatro carros modificados a pedido de Ron Dennis. O motor é o mesmo V8 3.8 biturbo dos demais MP4-12C, porém os carros foram modificados com novos turbos e ECUs próprias para produzir 720 cv. Dois deles foram trazidos ao Brasil por Nelson Piquet, que ficou com um exemplar, pintado de branco. O outro era este que me levou ao Velopark.

IMG_5907

Chegando ao autódromo, as grandes estrelas do dia: um Lamborghini Aventador estacionado ao lado de uma Ferrari F50 nos boxes. Os modelos mais raros e as grandes estrelas do Dream Route foram levados ao Velopark na traseira de um caminhão, depois de percorrerem algumas centenas de quilômetros entre Florianópolis/SC e Caxias do Sul/RS. Era por eles que eu fora enviado até lá. Duas pautas: uma volta e uma apresentação detalhada da Ferrari F50, e uma volta e um papo com Valentino Balboni, o icônico piloto de testes da Lamborghini.

DREAM ROUTE - DIA 3 TRACK DAY E HOTEL 2017-11-26 029

Sim: Valentino Balboni também estava participando do evento, pilotando os Lamborghini — e também supercarros que jamais imaginaríamos vê-lo pilotando. Afinal, ele ainda é funcionário da Lamborghini e grandes corporações não gostam muito de ver seus funcionários associados a outras marcas — especialmente se forem rivais.

DREAM ROUTE - DIA 3 TRACK DAY E HOTEL 2017-11-26 141

Enquanto me apresentava à Ferrari e ao proprietário para fotografar as entranhas do carro, Balboni apareceu com o restante do grupo, olhando a F50 à distância e em silêncio. Ele parecia sinceramente curioso, perguntei de qual Ferrari ele gostava, mas a resposta foi evasiva: disse que tem muito respeito por todas as marcas, mas que gosta mesmo é dos Lamborghini.

O vídeo tem legendas em português. Verifique se o recurso está ativado

Mais tarde ele acabou dirigindo a F50 e perguntei se era uma concorrente à altura do Diablo. A resposta foi lacônica: “Muito parecida com o Murciélago”. Depois da F50, Balboni ainda pilotou o McLaren MP4-12C de 720 cv — e não gostou do câmbio do carro, nem do freio aerodinâmico. Talvez seja eletrônico demais para um cara old school apaixonado pelo Miura SV.

Captura de Tela 2018-02-05 às 16.19.20

No final do dia, já com o sol se aproximando do horizonte, finalmente entramos no Aventador para algumas voltas no circuito. Balboni não desenvolveu o LP700-4. Quando os testes com o protótipo começaram ele já estava praticamente aposentado e por isso seu envolvimento com o modelo foi praticamente zero. Mas quando digo “praticamente zero” me refiro apenas à relação profissional de Balboni com o carro. Balboni conhece o Aventador e suas minúcias e seu comportamento como se tivesse sido ele próprio o test driver do carro. Como vocês verão no vídeo, ele pilotava o carro como se fosse mais um dia normal no escritório — e de certa forma aquele era mesmo.

O V12 enchendo nossos ouvidos no reta do Velopark com suas 8.000 revoluções por minuto, as alicatadas no final da reta, o esterçamento do carro com a traseira. Guardadas as devidas proporções, me senti como Jack White e The Edge em ” It Might Get Loud”, quando Jimmy Page começa a tocar o riff de Whole Lotta Love diante da dupla incrédula com o momento. Como Page compôs o solo, foi Balboni quem ditou como o Aventador deveria rodar ao desenvolver o “handling” dos Lamborghini criados nos quarenta anos em que ele esteve na ativa, após a aposentadoria de seu guru Bob Wallace.

Foram apenas três voltas e depois encostamos o carro. Agradeci, disse que os flatouters iriam adorar o vídeo e a conversa, e fui buscar minhas coisas para ir embora. Balboni ainda deu uma volta com a bicicleta elétrica de um dos patrocinadores — aliás, pedalar é um de seus hobbies e a bicicleta é seu meio de transporte até o trabalho, no Polo Storico da Lamborghini, onde ele auxilia na restauração dos carros que ajudou a desenvolver —, e depois assumiu a direção do Subaru WRX azul que ele usaria para voltar ao hotel. Saiu fazendo um burnout de quatro rodas.

DREAM ROUTE - DIA 3 TRACK DAY E HOTEL 2017-11-26 320

De volta a São Paulo, no banco de trás do Uber que me levava para casa, saquei o celular do bolso e comecei a rever algumas fotos e vídeos, mas acabei interrompido pelo salto do carro ao passar uma lombada invisível sem frear. Achei melhor guardar o telefone e ir avisando o motorista sobre as armadilhas do caminho. As caronas em supercarros te deixam mal acostumado.

Matérias relacionadas

Sung Kang pode estar fazendo um Maverick (e com inspiração Brasileira), novo Audi TT RS é lançado com 400 cv, Golf R400 foi cancelado e mais!

Leonardo Contesini

Por dentro da coleção secreta de carros de corrida da Toyota Motorsports GmbH

Dalmo Hernandes

Audi 200 Quattro Trans-Am: o carro que provou que tração integral não era só para ralis

Dalmo Hernandes