FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos Sessão da manhã

Driftland UK: conheça a pista feita exclusivamente para drift no sul da Escócia

Como você deve saber (ou ao menos imaginar), o drift surgiu e se popularizou graças aos japoneses. Nos anos 60 e 70, pilotos de motos e automóveis de competição começaram a realizar derrapagens controladas para ganhar tempo nas curvas. Não demorou para que outros começassem a fazer o mesmo e, em pouco tempo, as derrapagens controladas se tornaram uma modalidade de direção por si só.

Agora, se quando pensamos em drift, nossa mente vai direto para a Terra do Sol Nascente, não é de hoje que sua prática acontece no mundo todo. Estamos falando de competições organizadas e equipes famosas espalhadas por vários países, como as nações escandinavas, os EUA, o Brasil e o Reino Unido. E foi exatamente no Reino Unido — mais especificamente, na Escócia — que alguém decidiu que era hora de fazer um circuito dedicado exclusivamente ao drift.

Tudo começou há alguns anos, quando os entusiastas da região de Fife, no sul da Escócia, começaram a praticar o drift no circuito oval local — o Speedworth Thunderdome, no qual eram disputadas corridas de categorias monomarca regionais. Quando não estava em uso, o circuito era cedido aos drifters, que em pouco tempo começaram a realizar eventos amadores. Espalhados na base do boca-a-boca, os eventos em fins de semana começaram a atrair, logo de cara, dezenas de carros e centenas de espectadores. E tudo estava dando certo… até que o oval foi vendido.

O dono anterior não se importava em ceder a pista para os drifters, mas com o novo a história foi diferente. Contudo, ele não expulsou os caras de lá nem nada do tipo. Na verdade, ele deu uma ideia.

driftland (2)

O oval de Speedworth Thunderdome faz parte de um complexo automobilístico que também inclui um circuito offroad, uma pista de arrancada e uma arena. O novo dono do oval deu a eles a ideia de construir sua própria pista ao lado do complexo. Quem deu ouvidos foi Jeek Frederico, um dos entusiastas que utilizavam o oval para o drift. Ele acreditou que fosse possível e, com a ajuda dos amigos e até um incentivo financeiro do novo dono do circuito, deu início à construção da pista.

Com um layout que permite até dez traçados diferentes, o Driftland ficou pronto no fim de 2012 e foi inaugurado no início de 2013. Os caras do canal XCAR do YouTube foram até lá para fazer uma visita e, como dar para ver no vídeo abaixo, o empreendimento tem sido um sucesso. Se você curte drift, prepare-se para ficar com inveja:

No início de suas atividades, o Driftland abria apenas para receber eventos de drift abertos ao público, com data e hora marcada. Com o passar do tempo, porém, os organizadores do circuito conseguiram recursos para abrir a pista para que os entusiastas pudessem levar seus carros em quase todos os dias da semana, de terça-feira a domingo. O preço é razoável, para os padrões do Reino Unido: por £42 (cerca de R$ 200 em conversão direta) mais uma taxa de inscrição, você pode entrar com seu carro e praticar à vontade por quatro horas e meia.

driftland (1)

Mais recentemente o Driftland começou a oferecer “drift experiences”, nos quais qualquer um pode aprender a técnica do drift com um piloto profissional, usando carros fornecidos pelos organizadores, por £ 169 (R$ 830). Também existe a possibilidade de pegar carona com um piloto profissional por £ 49 (R$ 245).

A quem pergunta quanto custa manter um circuito de drift, os organizadores são diretos: se você precisa perguntar, é porque não pode pagar. Os drift days e as aulas de drift ajudam nas despesas, assim como o apoio de patrocinadores. Contudo, para o fundador do circuito, a principal missão é formar outros pilotos de drift verdadeiramente dedicados — caras que levam seus carros para lá, praticam o dia todo e podem ter sua evolução acompanhada e direcionada por profissionais. O que também acaba se tornando diversão, no fim das contas.

driftland (8) driftland (7) driftland (6) driftland (5) driftland (4) driftland (3)

 

 

Matérias relacionadas

É assim que um BMW M1 de corrida (com motor V8) deve ser pilotado

Dalmo Hernandes

O guia das versões especiais do BMW M3 – Parte 1: primeira geração (E30)

Leonardo Contesini

As rivalidades mais marcantes da indústria automotiva brasileira – parte 2: anos 80 e 90

Dalmo Hernandes