A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Eis a sua chance de comprar um Ford Mustang GT de quarta geração com câmbio manual no Brasil

Atualmente, o único muscle car americano vendido oficialmente no Brasil é o Chevrolet Camaro de quinta geração, equipado com um V8 de 6,2 litros e 406 cv — a chegada da sexta geração está prevista para meados de 2016. O novo Mustang, por sua vez, com visual renovado e uma nova suspensão traseira independente, tinha tudo para desembarcar em breve, mas a alta do dólar tornou esta possibilidade ainda mais distante.

No entanto, isto não significa que não existam exemplares do Mustang no Brasil, importados de maneira independente — de todas as gerações, ainda que os clássicos dos anos 1960 e os carros retrô da quinta geração sejam os mais comuns. Procurando bem, no entanto, dá para encontrar alternativas interessantes. Como este Mustang GT de quarta geração, fabricado em 1995 e equipado com um V8 de 4,6 litros e câmbio manual. Detalhe: por um preço bem mais em conta.

mustang-gt-95 (9)

A quarta geração do Mustang foi uma revolução na história do muscle car. Isto porque a terceira geração, produzida entre 1979 e 1983 e conhecida como “Fox body” (graças ao nome da nova plataforma Fox), não foi o mais popular de todos ao introduzir os motores de quatro cilindros e um visual mais europeu, que guardava semelhança até mesmo com o Ford Escort.

escortão(maldade)

De qualquer forma, o Mustang de quinta geração, de 1994, surgiu para apagar esta impressão. Ainda que não tivesse visual inspirado no Mustang dos anos 1960 — a moda dos carros retrô só começou alguns anos depois —, o novo ‘Stang tinha um visual muito mais condizente com um esportivo americano. Além disso, ele abandonou os motores de quatro cilindros: o modelo básico tinha um V6 de 3,8 litros e… 145 cv. Bem, estamos falando de vinte anos atrás, o que até nos ajuda a entender a potência digna de um quatro-cilindros moderno.

Além disso, é preciso lembrar que foi a quarta geração do Mustang que nos deu uma das versões mais épicas do Muscle Car: o Mustang SVT Cobra R, equipado com um V8 de 5,4 litros e 390 cv acoplado a uma caixa manual de seis marchas Tremec T- 56. O conjunto era capaz de levá-lo até os 100 km/h em menos de cinco segundos.

O carro que encontramos à venda no Brasil não é um básico e, infelizmente, muito menos um SVT Cobra R. No entanto, trata-se de um Mustang GT 1995 — ou seja, feito no segundo ano de fabricação da quarta geração.

mustang-gt-95 (10)

Sendo assim, o carro é equipado com um motor V8 de 302 pol³ (cinco litros) da família Windsor — não muito diferente daquele encontrado no nosso Ford Maverick, porém atualizado para entregar 218 cv a 4.200 rpm e 39,4 mkgf de torque a 3.500 rpm. Era o bastante para chegar aos 100 km/h na casa dos seis segundos e virar o quarto-de-milha em cerca de 15 segundos. Novamente, nada mau para um muscle car que, duas décadas atrás, estava em pleno renascimento.

mustang-gt-95 (12) mustang-gt-95 (7) mustang-gt-95 (13)

Detalhe: o carro em questão tem câmbio manual de cinco marchas — a grande maioria dos Mustang que entraram no Brasil na década de 1990 usava transmissão automática de quatro marchas. Sem dúvida, uma boa combinação.

Além disso, o estado de conservação também é excelente para qualquer automóvel com mais de vinte anos de idade: de acordo com o responsável, André Jacquillat, o carro tem cerca de 60% da pintura original e em bom estado. Não está livre de retoques e precisa de, ao menos, um bom polimento para ficar praticamente perfeita, mas também nunca sofreu uma colisão.

mustang-gt-95 (15) mustang-gt-95 (3)

A carroceria é 100% original e não apresenta qualquer sinal de corrosão. As rodas também são exatamente as mesmas que vieram com o carro quando ele saiu da fábrica e apresentam alguns arranhões, mas nada impossível de resolver.

A situação no interior é a mesma:  todos os itens de acabamento e revestimentos originais estão em seus devidos lugares, e só apresentam sinais de desgaste típicos de carros usados — vale investir na recuperação do couro dos bancos, que está ressecado O hodômetro marca pouco mais de 6.000 milhas, ou pouco mais de 10 mil km. Ainda que isto possa significar que o contador já deu uma volta completa (neste caso, seriam pouco mais de 106 mil milhas, ou 170 mil km), a condição em que o carro se encontra é das melhores.

mustang-gt-95 (17)

Mecanicamente, André diz que o V8 de cinco litros não apresenta sinais de cansaço, ruídos anormais ou falhas no funcionamento, e o mesmo pode ser dito do câmbio e do sistema de embreagem. De acordo com ele, freios, suspensão e direção também desempenham sua função de maneira impecável. No entanto, observa que trocar os pneus (que são originais e já passaram do prazo de validade) seria prudente.

mustang-gt-95 (18)

E qual é o valor pedido? De acordo com André, o dono quer R$ 49,5 mil, mas não está descartada a possibilidade de negociação. O Mustang está em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. Se você se interessou, pode entrar em contato pelo email [email protected] ou pelo celular (51) 9881-0690.

[Facebook]


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! na qual selecionamos e comentamos anúncios de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de uma reportagem aprofundada e não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios – todos os detalhes devem ser apurados com o anunciante.

Matérias relacionadas

Já pensou em ter uma Chevrolet SS10 com motor de Corvette? Esta é sua chance!

Dalmo Hernandes

Este Chevrolet Celta com swap para 1.8 16v é um projeto pronto para curtir – e pode ser seu

Dalmo Hernandes

Este Fiat Tipo Sedicivalvole muito inteiro e original está à venda

Dalmo Hernandes