A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
GT40 Classificados Zero a 300

Eis alguns dos clássicos dos anos 50 mais legais anunciados no GT40

Neste fim-de-semana está rolando o Brazil Classics Show, em Araxá/MG, e o FlatOut está lá! Ficamos inspirados e também decidimos separar alguns clássicos na lista de hoje do GT40. Alguns são originais, outros customizados. Há nacionais e estrangeiros. Em comum, são todos da década de 1950 – que tinham mais variedade do que geralmente se costuma lembrar. Quer ver só?

Antes de prosseguir, vale lembrar: esta é uma situação diferente das listas de anúncios de pessoa física, que seguem uma ordem cronológica: escolhemos a dedo os carros desta lista, e todos são interessantes em nossa opinião, cada um por suas razões. Entendido? Então vamos lá!

 

img_203532_4_5743e823-b38f-412d-b6c6-7471900c6a42

Começando por um ícone entre os 4×4: o Land Rover Series 1, que deu origem ao Defender. Se o Series 1 foi fabricado entre 1948 e 1958, este exemplar está para os mais antigos – foi fabricado em 1950. O proprietário diz que a estrutura do Land Rover está muito íntegra e o nível de originalidade é alto, porém é necessária uma revisão geral pois o carro ficou muito tempo parado com o dono anterior. O Land Rover acompanha algumas peças sobressalentes e um jogo extra de pneus. Nos parece um bom ponto de partida para uma restauração. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

img_240184_4_35cfc99d-b916-4542-94da-287afe0a9f74

Se você curte o visual dos carros dos anos 1950 mas gostaria de algo com mecânica mais moderna e desempenho mais empolgante, dê uma olhada neste Chevrolet Bel Air 1957: ele recebeu um V8 small block 327 (5,4 litros) retificado, com carburador Edelbrock Quadrijet e câmbio automático Turbo Hydramatic 350, de três marchas. O anunciante diz que o motor tem cerca de 50.000 km, e que diversos sistemas do carro são novos, como a tubulação do sistema de arrefecimento, os flexíveis dos freios e elétrica. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

img_313212_4_b0e0045f-f36e-4725-8e80-1e48cc2cac11

Este é um Volkswagen Fusca 1959, importado da Alemanha, originalmente com motor boxer 1200 de 30 cv, na bonita tonalidade Verde Jade com interior de lã marrom. O carro está muitíssimo bem conservado, com carroceria, faróis, lanternas, rodas e calotas originais. O motor, porém, foi trocado por um boxer 1300 de 45 cv na década de 1970. Trata-se do Fusca mais antigo anunciado no GT40 atualmente. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

img_213652_4_9dfa058e-c424-4555-8df5-f080ff070d50

Este é um Land Cruiser 1959 – nada menos que o jipe que deu origem ao nosso conhecido Toyota Bandeirante. Ele tem um motor a diesel Perkins de 3,3 litros e 70 cv e, segundo o anunciante, foi totalmente restaurado, apresentando excelente estado de conservação. Ele tem snorkel, discos de freios da Kombi na dianteira, revestimento em curvim bege e rodas de 16 polegadas. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

img_51940_4_61e01343-fd06-46d4-9bd0-253c89cf10cc

Era assim um roadster esportivo britânico retrô em 1952 – ano em que foi fabricado este MG TD Midget de quarta geração. “Retrô” porque mantinha a mesma construção básica desde a primeira geração (MG TA), lançada em 1936. O MG TD tinha melhorias incrementais, como suspensão independente na dianteira e rodas de aço estampado com pneus mais largos. O motor é um quatro-cilindros de 1,3 litro e 57 cv, acoplado a uma caixa manual de quatro marchas, que era totalmente nova no MG TD. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

img_216364_4_31eecf63-1b22-4b3c-928d-be2329805c55

A Ford F-75, versão picape da Rural, é uma visão até comum – especialmente no interior do Brasil, onde muitas ainda estão na labuta. Muito mais raro é ver uma Willys Jeep Truck, que é a primeira versão da F-75 – muito mais parecida com o Jeep Willys que lhe deu origem e apelidada “Bicudinha” por causa do formato da grade dianteira. Este exemplar foi fabricado em 1951 e, segundo o anunciante, tem a estrutura toda original e está bem conservada. O quatro-cilindros de 2,2 litros original foi trocado por um seis-cilindros de 2,6 litros BF-161 de 90 cv, motor mais comum de se encontrar nas picapes e peruas Willys no Brasil, e o câmbio é manual de quatro marchas. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

img_209872_4_e6a53bd8-7bfb-447d-a3d9-6e322e1c64d6

Este aqui está sob medida para uma coleção de banheiras norte-americanas icônicas: um Cadillac Series 62 Coupe de Ville 1957 – o primeiro modelo da Cadillac a receber esta denominação. Responsável por mover o enorme cupê de 5,5 metros de comprimento e mais de duas toneladas é um V8 de 5,4 litros com comando no bloco e 160 cv acoplado a uma caixa automática de quatro marchas. O anunciante diz que o carro foi completamente restaurado (chassi, carroceria, mecânica, elétrica, interior e acabamentos) usando componentes importados dos Estados Unidos. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

 

img_166060_4_a23ca27c-659f-407d-897a-4f98ec0762e6

Em nome da variedade, mostrando que os anos 50 não se resumiram a jipes e barcas com rabo-de-peixe, incluímos na lista este Romi Isetta 1957, versão brasileira do Iso Isetta, que no lugar do motor monocilíndrico BMW de 300 cm³ e 13 cv, recebeu o quatro-cilindros da Honda CB750 Four – a famosa Sete Galo – com todos os seus 82 cv. Este exemplar é relativamente conhecido no Brasil – há alguns anos, quando tinha a carroceira amarela, participou de programas de TV e foi tema de matérias em revistas especializadas. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

b5ce5c0cef32af7416961d741df019ea

Se você quer um clássico dos anos 50 que saia do lugar-comum, este é um bom candidato: um Mercedes-Benz 170Da W136, fabricado em 1951 e movido por um quatro-cilindros a diesel de 1,7 litro e 36 cv. O W136 foi lançado na década de 1930 e era um dos maiores sucessos da Mercedes-Benz antes da Segunda Guerra Mundial. Após o conflito, a fabricante conseguiu recuperar ferramental e componentes para relançar o modelo, que foi seu carro mais vendido até 1953. O anunciante diz que este exemplar foi totalmente restaurado recentemente seguindo os padrões originais. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

 

img_26164_4_d6aa34f5-81e1-4e72-a03e-ffde3ed8c519

Por fim, temos aqui um Plymouth Belvedere Deluxe Coupe de terceira geração, fabricado em 1959 e equipado com o motor básico – o seis-em-linha Powerflow de 3,8 litros e 136 cv, acoplado a uma transmissão automática atuada não por uma alavanca, mas por botões para seleção das marchas no painel. Segundo o anunciante, o exterior do carro foi restaurado, mas os revestimentos internos são originais. [highlight]Clique para ver o anúncio.[/highlight]

Matérias relacionadas

Maybach S650 Pullman 2019: as definições de ultra-luxo foram atualizadas com sucesso

Dalmo Hernandes

Quem disse que precisamos banir os carros das cidades?

Leonardo Contesini

Um BMW 320i quase novo, um project car francês, um Jetta TSI de 300 cv e mais no GT40

Dalmo Hernandes