A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Em tempos de Fiat Chrysler, que tal um Topolino com motor V8 Hemi?

Depois da compra de 100% do grupo Chrysler pela Fiat, as duas fabricantes formaram o grupo Fiat Chrysler Automobiles, e também foi revelado o logo da companhia. Puristas dos dois lados arrancaram os cabelos, mas a gente está aqui para mostrar que algo feito pela Fiat e pela Chrysler pode ser animal. Sério.

A Fiat Chrysler Automobiles N.V., ou simplesmente FCA, foi organizada na Holanda, com ações em comum em Nova York e Milão. O logo da companhia, mostrado hoje, não remete em nada às marcas Fiat ou Chrysler, e em vez disso traz apenas as letras F, C e A levemente estilizadas. Segundo a agência que criou a marca, a RobilantAssociati, a inspiração foram “as formas essenciais no design automotivo”. O F é derivadode um quadrado e simboliza a concretude e a solidez. O C representa um círculo, significando as rodas, movimento, harmonia e continuidade. Por fim, o A é o triângulo, que representa energia e um constante estado de evolução.

A_Pantone_Version

O novo grupo ainda não teve a localização de sua sede revelada, mas tudo indica que a FCA será baseada nos EUA por razões estratégicas, e que deverá facilitar o processo de globalização das duas marcas.

Enquanto isto acontecia, fãs da Fiat e da Chrysler acompanhavam nervosos a evolução das negociações, talvez sem imaginar que um dia, no mundo, alguém resolveu misturar Fiat e Chrysler para criar uma tipo de máquina absurdamente violenta, rápida e sensacional: o Fiat Hemi.

Trata-se exatamente do que o nome diz: um carro que um dia foi um Fiat — normalmente, a vítima é o Topolino — equipado com motor V8 Hemi de 511 pol³ (8,4 litros). É claro que de Topolino, o Fiat com motor de 569 cm³ e capacidade para levar duas pessoas, não sobra muita coisa. E se antes ele era um carro feito para servir como transporte barato, sua nova encarnação costuma ser um verdadeiro monstro que só anda em pistas de arrancada. O carro do vídeo é capaz de completar o oitavo de milha (201 metros) em 4,4 segundos a 268 km/h!

Não há muito mais informações sobre este carro, mas dá para arriscar algumas coisas: o motor provavelmente é um Hemi 426 stroker, com curso de 4,375” x diâmetro de 4,31”, num bloco de alumínio Keith Black. De acordo com o dono, rodando no álcool — sem nitrometano. Esta combinação é bastante popular na categoria Top Alcohol da NHRA. Do que temos certeza: o carro usa transmissão Cottman Powerglide, de duas marchas, a primeira delas com relação 1.89:1, e o eixo traseiro tem relação 4.30:1.

64TopolinoHemi

Talvez você já tenha visto um carro parecido, afinal este não é o primeiro Topolino com motor Hemi — existem Topolinos com motor V8 preparados para arrancada há décadas — a foto acima é dos anos 60, por exemplo. Só que, se você procurar por “Fiat Hemi” no Youtube, 90% dos resultados são vídeos de puxadas com este carro. Não que estejamos reclamando — ele é o exemplo perfeito.

Menção honrosa: Alfa Romeo Zagato TZ3 Stradale, o Viper com cuore sportivo

zagato-stradale (1)

E se você acha que o Fiat Hemi não conta como um carro feito em parceria entre Fiat e Chrysler, que tal o Alfa Romeo Zagato TZ3 Stradale? Em essência, ele é um Dodge Viper ACR-X — o que significa que, debaixo do capô, tem um V10 de 8,4 litros de 649 cv — com um cuore sportivo na dianteira e design assinado pelo estúdio Zagato. Foram feitos apenas nove deles.

zagato-stradale (2)

Sabemos que a Fiat Chrysler Automobiles nasceu com a missão de expandir as atividades de suas marcas, mas esperamos que eles não esqueçam dos gearheads como nós, e que mais “híbridos” como estes sejam feitos — pela fábrica ou pelos fãs. Afinal, agora está tudo em casa!

 

Matérias relacionadas

O espírito do Grupo B nas ruas brasileiras: o Audi S2 Sedan de 800 cv de Rodolfo Moreira

Juliano Barata

Jaguar XJ13, o rival para o Ford GT40 que jamais competiu – mas continua acelerando até hoje

Dalmo Hernandes

Nürburgring Nordschleife: minha aventura no Inferno Verde a bordo de um Toyota GT86 e um BMW M135i

Leonardo Contesini