A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Motos

Esta é a única moto de rua da Ferrari que existe no mundo

Você deve lembrar do post que fizemos na semana passada, sobre a equipe de motociclismo de Enzo Ferrari – a chamada Scuderia Ferrari Moto, que venceu venceu diversas corridas em uma meteórica trajetória de três anos, entre 1932 e 1934. As motos eram britânicas, fabricadas pela Rudge-Whitworth e pela Norton, e vinham até com o emblema do cavallino rampante pintado no para-lama dianteiro.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Acontece que, seis décadas depois, o emblema da Ferrari tornou a estampar uma motocicleta. Dessa vez, porém, era uma moto de rua: a Ferrari 900, que é também uma das mais raras do mundo – só existe uma, e ela foi feita com a bênção da fabricante.

Foi no começo da década de 1990, quando o customizador britânico David Kay escreveu uma carta para a Ferrari, pedindo autorização para colocar em prática um projeto pessoal: uma moto com a marca Ferrari, como tributo a Enzo. Sua inspiração foi exatamente o passado do Commendatore no motociclismo, incluindo suas primeiras aventuras sobre duas rodas e o sucesso da Scuderia Ferrari Moto.

David Kay é o fundador da MV Meccanica Verghera, empresa que desde 1983 especializou-se em modificar, preparar e restaurar as motos da italiana MV Agusta. Contudo, sua moto Ferrari seria diferente: ele a construiria do zero.

De acordo com o site da Meccanica Verghera, a resposta da Ferrari veio no dia 23 de maio de 1990, em uma carta assinada por Piero Ferrari, o filho mais novo de Enzo, que comandava a empresa na época. A carta dizia que a Ferrari ficava lisonjeada com a ideia, permitindo o uso da marca e dos emblemas, e desejava boa sorte na época. Não conseguimos imaginar uma atitude como esta por parte da Ferrari de 2019…

A moto foi construída sobre uma estrutura desenhada e fabricada pelo próprio Kay, usando tubos de aço-carbono-molibdênio Reynolds 351. A construção é do tipo berço duplo, com amortecedores invertidos Forcelle Italia na frente e WPS na traseira. Os discos de freio são da Brembo, com pinça de seis pistões na frente e quatro pistões atrás.

O mesmo vale para o motor, um quatro-cilindros de 900 cm³ com comando duplo no cabeçote e quatro válvulas por cilindro, todo construído em alumínio. Mais especificações a respeito do motor jamais foram reveladas, mas testes em dinamômetro acusaram 105 cv a 8.800 rpm na roda traseira. Com câmbio de cinco marchas, a moto de 172 kg tem velocidade máxima estimada em 265 km/h.

O visual da moto é interessante pois é bastante simples, na mesma pegada de algumas das Ferrari mais icônicas do planeta, como a 250 GTO ou a F40. Há uma carenagem superior envolvendo o farol duplo, um tanque alongado e baixo, e uma rabeta com entradas de ar decorativas que imediatamente remetem à icônica Ferrari Testarossa, lançada seis anos antes – e se você pensa que estamos falando de fibra de vidro, está enganado: as peças foram moldadas em alumínio, de forma artesanal. As lanternas traseiras redondas também são referências imediatas ao design da Ferrari na época – como na F355, por exemplo. No geral, é uma mistura interessante de influências ao longo da história da Scuderia. As rodas de liga leve são Astralites de 17 polegadas, fabricadas no Reino Unido.

A Ferrari 900 ficou pronta apenas em 1995, após mais de 3.000 horas de trabalho – todo ele feito pelo próprio Dave e do artesão Terry Hall, que ajudou a dar forma à carenagem, ao tanque de combustível e ao sistema de escape, feito em aço inox sob medida.

De acordo com a MV Meccanica, a Ferrari 900 foi muito bem recebida quando foi revelada, sendo capa de revistas e tema de programas de TV. No entanto, de lá para cá sua história parece ter se perdido no tempo – não são muitos os que lembram de sua existência, talvez por ela ter ficado nas mãos de Dave por 13 anos. Em 2008, ele decidiu vender a motocicleta em um leilão, mas o preço reserva de £ 180.000 foi considerado alto demais pelo público e os lances não atingiram o valor esperado. Em 2016, porém, a motocicleta foi vendida por £ 85.000 em 2016.

Matérias relacionadas

Este Escort Mk1 tem um motor F20 de Honda S2000 – e nós definitivamente não vamos reclamar

Dalmo Hernandes

A evolução e o significado do sistema de nomes da Audi

Leonardo Contesini

NSX, Prelude, e a ressurreição de um Civic VTi: Kazuhiko Kobayashi e as histórias da chegada da Honda ao Brasil em 1992

Juliano Barata
error: Direitos autorais reservados