A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos

Esta Ferrari 335 S Scaglietti foi vendida por quase US$ 36 milhões – mas ainda não é a mais cara de todos os tempos

Esta é uma das quatro Ferrari 335 S Spider Scaglietti produzidas entre 1957 e 1958. Só isso seria suficiente para que ela valesse uma pequena fortuna, mas ela foi usada por Mike Hawthorn, Peter Collins, Wolfgang Von Trips e depois por Sir Stirling Moss. É por isso que ela foi arrematada em um leilão realizado na última sexta-feira (5) em Paris por nada menos que 32 milhões de euros — ou US$ 35,7 milhões e R$ 140 milhões.

Sim, parece muita grana — e de fato é —, mas ainda está longe de ser a Ferrari (e o carro) mais cara do mundo.

CockpitCockpit

Você talvez tenha visto por aí que esta é a nova Ferrari mais cara da história, mas na verdade ela está a US$ 16,31 milhões dessa marca. A Ferrari mais cara do mundo (e também o carro mais caro do mundo) é uma 250 GTO 1963 usada por Stirling Moss, e foi vendida em 2013 por um colecionador espanhol a um comprador não identificado — e em transação particular — por nada menos que US$52 milhões. Há quem esteja dizendo também que esta Scaglietti é o carro mais caro já vendido em leilão, mas em 2014 alguém comprou uma Ferrari 250 1962 por US$ 38,1 milhões no Concours D’Elegance Pebble Beach. E ela nem foi usada por nenhum grande piloto, nem em uma competição famosa.

O único recorde que esta Ferrari 335 S Scaglietti bateu foi o de carro mais caro leiloado em euros. O valor exato pago por ela foi 32.075.200 euros, equivalente a US$ 36,2 milhões, ou R$ 148,23 milhões. Quem pagou? Segundo o canal CNBC, que ouviu fontes ligadas ao leilão, o comprador supostamente foi um investidor americano chamado Brian Ross, que atua no ramo imobiliário com sua Ross Developments. Na Europa, contudo, corre o boato de que o novo comprador da Ferrari seria ninguém menos que Lionel Messi.

TopView

 

Painel

Apesar do valor milionário, se você analisar friamente os fatos, essa Scaglietti tem potencial para valer ainda mais. Veja só: embora a 250 GTO seja bem mais famosa, foram feitos 39 exemplares do modelo e apenas quatro da 335 S Scaglietti. Sim, ela não tem a mesma aura das 250 GTO, mas também é uma Ferrari da era de ouro da Scuderia — e uma das mais raras delas — e equipada com um belo V12 de quatro litros e 395 cv a 7.400 rpm. Aliás, este motor foi o primeiro que o lendário projetista Vittorio Jano desenvolveu na Ferrari — ele ainda desenvolveria os primeiros V8 e o famoso V6 “Dino”, que inaugurou a era dos modelos de motor central-traseiro na Ferrari.

ferrari-335-s-spider-scaglieti-003Carbs

Depois, a 250 GTO de US$ 38,1 milhões não tem histórico nas pistas e nem foi usada ou pertenceu a um piloto famoso. Ela é uma das 250 GTO mais plebeias das 39. Esta 335 Scaglietti, por sua vez, estreou nas 12 Horas de Sebring de 1957 com Peter Collins, depois foi para a Mille Miglia com Wolfgang Von Trips, e encerrou seu ano nas 24 Horas de Le Mans daquele mesmo ano com Mike Hawthorn. Com esta Ferrari 335 S Scaglietti o britânico completou a primeira volta abaixo dos quatro minutos na história de La Sarthe. Segundo a Ferrari, o carro era capaz de chegar aos 300 km/h na Hunaudières (aquele retão que antecede a curva Mulsanne e é quase sempre confundido com ela). Depois, em 1958, o carro foi levado para o GP de Cuba (sim, isso existiu e vamos contar a história nos próximos dias), onde Stirling Moss a conduziu à vitória na segunda edição do evento.

ferrari-335-s-spider-scaglieti-001 copy

Mille Miglia 1957

ferrari-335-s-spider-scaglieti-000

GP de Cuba de 1958

Na época, depois que os carros encerravam suas temporadas e eram substituídos por modelos mais novos, eles eram considerados obsoletos e normalmente eram vendidos a quem quisesse um carro obsoleto ou simplesmente desmanchados — e isso torna a sobrevivência desse exemplar ainda mais incrível.

ferrari 335S Fronte copy

Em 1960 o carro foi cedido a um arquiteto chamado Robert N. Dusek, que vivia nos EUA. Ele ficou com o carro até 1970, quando o vendeu a um colecionador francês chamado Pierre Bardinon, que formou uma coleção com 50 Ferraris de corrida. Bardinon enviou o carro a Modena, para uma restauração na carrozerie Fantuzzi, e desde então manteve o sua posse. Isso também ajuda a explicar o alto preço atingido: o carro ficou praticamente inacessível por mais de quatro décadas. Quem quisesse uma dessas precisaria esperar o carro aparecer à venda. Quando ele finalmente apareceu, o resultado foi esse: 32 milhões de euros.

Captura de Tela 2016-02-09 às 17.22.04

Agora, do jeito que o mercado de clássicos está valorizando essas Ferrari das décadas de 1950 e 1960, não ficaríamos surpresos se em alguns anos esta mesma 335 S Spider Scaglietti se tornar o carro mais caro do mundo de verdade.

Matérias relacionadas

Acredite: isto é um motorhome “Porsche”

Dalmo Hernandes

La Principessa: monoposto Fiat Abarth com motor 1.0 correu a 200 km/h por 12 horas – há quase 50 anos!

Dalmo Hernandes

Como seria a perseguição de Bullitt se ela tivesse sido gravada em Silverstone?

Leonardo Contesini