FlatOut!
Image default
Car Culture

Esta senhorinha de 87 anos é a única dona deste Nissan 180SX – e nem pensa em parar de usá-lo

Quem gosta de carros sabe: todos nós temos aquele carro favorito, que habita nossos desejos mais profundos. Aquele carro que, uma vez em nossas mãos, jamais será vendido. Alguns têm sorte de conseguir realizar este sonho e colocar na garagem um carro para curtir a vida toda – e para estes, fica registrada nossa admiração. Para quem ainda não conseguiu: às vezes é questão de tempo.

Hoje, vamos falar sobre uma história de sucesso neste sentido – de alguém que encontrou o carro perfeito e não largou mais.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

A questão é que este alguém é uma mulher de 87 anos, June Bouwer, que mora na África do Sul. E o carro é algo totalmente inesperado, considerando quem é sua dona: um Nissan 180SX da geração S13, todo original. Sim: esta simpática senhora dirige todos os dias um ícone JDM, favorito dos adeptos do drift, amplamente coberto pelo aftermarket e lembrado com carinho por qualquer um que tenha perdido centenas de horas jogando Gran Turismo nos anos 1990 e 2000.  Detalhe: com câmbio manual.

Geralmente, quando vemos uma história envolvendo de algum velhinho ou velhinha com um carro, o modelo em questão é algum clássico de sua juventude. Um exemplo marcante é o do americano Allen Swift, que morreu em 2005 aos 102 anos de idade e dirigiu o mesmo carro por 82 anos – um Rolls-Royce Picadilly P1 Roadster que ele ganhou de seu pai como presente de formatura em 1928.

June Bouwer, porém, prefere o seu esportivo com faróis escamoteáveis, fabricado em 1991 e importado do Japão. Mas, afinal, qual é a história deste carro? Qual é a relação especial de uma quase nonagenária com ele?

Para entender, é preciso voltar 27 anos no tempo. Em 1991, vivia em Joanesburgo, a capital da África do Sul, com o marido. O casal já estava chegando perto dos 60 anos, e por isto os dois decidiram mudar-se para um lugar mais tranquilo e silencioso. Quer dizer, o marido de June decidiu, mas ela mesma não estava tão a fim. Então, ele lhe fez um acordo: se os dois se mudassem, ela poderia escolher um carro novo, do modelo que quisesse.

Então, ela aproveitou a oportunidade para comprar um carro completamente diferente daqueles que estava acostumada a dirigir – e foi assim que o Nissan 180SX entrou em sua vida para não sair mais. Foi preciso ir até uma concessionária Nissan, fazer a encomenda e esperar algumas semanas.

June não diz exatamente o que a atraiu no Nissan 180SX, mas não é difícil deduzir. Lançado em dezembro de 1988, Nissan 180SX é um modelo derivado do icônico Silvia S13 – com a mesma plataforma e a mesma mecânica, porém uma carroceria completamente diferente. Enquanto o Silvia era um três-volumes com formas retilíneas, o 180SX era um cupê com linhas mais suaves, traseira fastback, dianteira em forma de cunha e faróis escamoteáveis.

Mecanicamente, os carros eram idênticos, incluindo o motor – o quatro-cilindros de 1,8 litro CA18DET, de 171 cv a 7.100 rpm e 23,4 kgfm de torque a 4.000 rpm, acoplado a uma transmissão manual de cinco marchas. Há um leve parentesco entre este motor e o seis-em-linha RB da Nissan, e ambos compartilham alguns componentes do cabeçote e do trem de válvulas. Com isto, o Nissan 180SX era capaz de ir de zero a 100 km/h em 7,5 segundos, com máxima de 220 km/h. E a suspensão também era idêntica, com um sistema MacPherson na dianteira e eixo traseiro do tipo multilink – o que significa que o comportamento dinâmico do 180SX também era excelente.

Uma curiosidade: nas fotos, divulgadas pela agência sul-africana Prestige Media, nota-se o emblema “200SX” na traseira. É normal: as unidades vendidas em outros países de mão inglesa além do Japão, como o Reino Unido e a própria África do Sul, receberam o 180SX com o nome 200SX – ainda que o motor fosse o mesmo quatro-cilindros de 1,8 litro vendido no Japão. Curiosamente, na Terra do Sol Nascente ocorreu a situação oposta: em 1991 o 180SX japonês recebeu um motor de dois litros, o SR20DET, com 205 cv a 6.000 rpm, mas continuou sendo chamado de 180SX.

Em todo caso, o pacote do 180SX era tão atraente, com visual, desempenho, potencial de preparação e desenvoltura nas pistas, que o modelo seguiu em produção mesmo depois de o Nissan Silvia mudar de geração, passando a S14. E continuou à venda até 1998.

O carro de June Bouwer foi mantido totalmente original desde que ela o comprou, com os serviços de manutenção todos feitos em dia e sem abusos. Ela conta que só chegou aos 160 km/h com o carro uma vez. E o Nissan fica sempre guardado na garagem para evitar o desgaste da pintura.

Isto não significa, porém, que o carro seja uma garage queen. Apesar de ser bem conservado, o carro apresenta sinais de uso, em especial no interior, e nas fotos ele sequer está impecavelmente limpo. Não vemos nenhum problema. Pelo contrário – carros foram feitos para serem guiados. Ainda mais um esportivo purista como este.

Agora, se você está pensando “sorte do próximo dono!”, pode esquecer: June diz que não planeja vender seu 180SX nunca – ela quer ficar com o carro até o fim de sua vida e deixá-lo de herança para os netos. Dezenas de entusiastas já bateram em sua porta ou a procuraram na Internet para fazer uma oferta, mas a aposentada garante que não vai mudar de ideia tão cedo.

Fotos: Prestige Media

Matérias relacionadas

Os melhores hot hatches do universo: a lista definitiva (bem, por enquanto)

Dalmo Hernandes

Golf R ABT Sportsline: 370 cv e tração integral para caçar o Mercedes-Benz A45 AMG

Juliano Barata

Escolha impossível: você vai de Mercedes-Benz CLK DTM ou CLK63 AMG Black Series?

Dalmo Hernandes