A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Este 944 à venda no Brasil pode ser seu primeiro Porsche alternativo

Assim como nem todo álbum do Pink Floyd precisa ser o The Dark Side of the Moon (dica: ouça o Animals) para ser uma obra prima, nem todo Porsche bacana precisa ser o 911 para ser um belo carro. Prova disso é o 944, que não é o mais conhecido ou idolatrado, mas certamente é capaz de te arrancar um sorriso ao volante. Ele tem motor dianteiro, tração traseira, é bonito e, veja só, este exemplar bem cuidado está à venda no Brasil por um preço bem razoável. Que tal entrar no mundo dos Porsche de uma maneira não-convencional?

Talvez o Porsche de motor dianteiro mais conhecido de todos seja o 928, grand tourer com um motor V8 na dianteira que foi apresentado em 1978 para substituir o 911 mas que, como sabemos, não o fez. Dois anos antes, porém, a fabricante de Stuttgart apresentou o Porsche 924. Sua missão ser o novo modelo de entrada da Porsche, substituindo o 912 – que, em essência, era um 911 com motor boxer de quatro cilindros (e era um carro bem legal).

porsche_924_coupe_1 porsche_924_coupe_2

A fórmula do 924 mostrou-se bem sucedida com o passar do tempo: capô longo, traseira curta, lugar para quatro pessoas (era um 2+2) e um visual bastante característico permaneceram presentes na linha da Porsche até 1994.

Nestes quase vinte anos, o Porsche 924 se transformou no 944 e, finalmente, no 968, com algumas alterações estéticas por dentro e por fora e motores cada vez mais potentes. Então, em 1996, foi apresentado o Porsche Boxster, roadster de motor central-traseiro que, em 2005, deu origem ao cupê Cayman. O resto, como sabemos, é história.

944-founds-kinda-lost (10)

 

 944-founds-kinda-lost (6) 944-founds-kinda-lost (5)

O fato é que o Porsche 944 é a fase intermediária da linhagem. Ele foi apresentado em 1982 e permaneceu até 1991, quando deu lugar ao 968. O estilo oitentista fica por conta dos faróis escamoteáveis e dos para-lamas alargados, que deram ao carro um aspecto mais musculoso em relação ao 924. Já o motor era um quatro-cilindros em linha que teve versões de 2,5, 2,7 e três litros ao longo dos anos, com aspiração natural ou turbo. A versão mais potente veio em 1988 — o Porsche 944 Turbo S, cujo motor de 2,5 litros entregava 250 cv e 35,7 mkgf de torque, suficientes para chegar aos 100 km/h em 5,5 segundos, com máxima de 260 km/h.

944-founds-kinda-lost (11)

O carro que encontramos à venda no Brasil não é um Turbo S. Trata-se de um 944 1983, modelo básico, com motor de 2,5 litros naturalmente aspirado. Sendo um modelo de especificação americana — o que é evidente pelos para-choques de impacto (o carro não podia ser danificado em colisões a até 8 km/h) — o carro tem 163 cv. Na prática, o quatro-cilindros do 944 era um V8 de 928 dividido ao meio, com injeção mecânica de combustível e comando simples no cabeçote.

O 944 em questão pertence ao atual dono desde 2010. É importante frisar desde já que não se trata de um carro impecável, em condição de concurso: o 944 é utilizado regularmente, e hoje marca cerca de 65 mil milhas no hodômetro — quilometragem que, no caso deste tipo de carro, pode ser encarada como um bom sinal.

944-founds-kinda-lost (7) 944-founds-kinda-lost (8)

Desde que comprou o carro, o proprietário foi exigente na manutenção mecânica: depois da obrigatória revisão inicial, ele nunca se descuidou com as peças sujeitas a desgaste – não apenas em termos de motor e câmbio, mas também suspensão, freios e elétrica.

Visualmente, não é um carro perfeito: há um ralado no para-choque e algumas marcas na pintura. Esta, aliás, é totalmente original, bem como todo o resto do carro do ponto de vista estético, interna e externamente. Apenas as rodas “phone dial”, de 16 polegadas, foram restauradas e calçadas com pneus novos.

944-founds-kinda-lost (2)

Além do para-choque ralado (que, de acordo com o dono, não custa uma fortuna para ser reparado e só não o foi por questão de prioridade), outro detalhe a resolver é o ar-condicionado, que funciona mas está sem gás.

[ NOTA: Este veículo não está mais à venda ]


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! na qual selecionamos e comentamos anúncios de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de uma reportagem aprofundada e não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios – todos os detalhes devem ser apurados com o proprietário.

Matérias relacionadas

Este Alfa Romeo 2300 TI de uma só família é nosso Achado Meio Perdido de hoje

Gustavo Henrique Ruffo

Este Maverick 1975 preparado por Camillo Christófaro correu na Turismo 5000 — e está à venda!

Dalmo Hernandes

Saleen vai a leilão: eis a sua chance de começar a fabricar supercarros

Dalmo Hernandes