A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Este Acura Integra com câmbio manual pode ser um belo project car – e está à venda

Já faz algum tempo que a cultura JDM está em alta, o que naturalmente contribuiu para um aumento considerável na quantidade de project cars feitos com modelos da Honda, em boa parte porque eles são os mais comuns no Brasil (mesmo que alguns não sejam exatamente “JDM”, tendo vindo do mercado americano… mas isto é detalhe). E, se você curte a cultura automotiva japonesa, é bem capaz que já tenha procurado um Honda mais antigo por aí. Sabe como é, só de curiosidade…

O nosso Achado meio Perdido de hoje, anunciado no GT40, é um carro mais raro que um Civic VTi inteirinho ou um EX cupê com câmbio manual. Trata-se de um Acura Integra GS 1.8 16v 1991. Precisa de um pouco de dedicação, claro, mas está íntegro e nos parece cheio de potencial. Vamos dar uma olhada melhor nele!

Se você está achando este Integra meio quadradão, é porque se trata de um exemplar da segunda geração, vendida entre 1989 (como modelo 1990) e 1993 – as formas mais aerodinâmicas vieram em 1993.

img_109400_4_2967901f-dce5-4368-8bd8-76436b86b7aa

Caso tivesse vindo do Japão, este este seria um Honda Integra. É um Acura pois veio dos EUA, onde eram oferecidos motores de quatro-cilindros 1.6, 1.7 e 1.8, sendo que apenas o 1.7 de 160 cv BA17A1, encontrado no Integra GS-R vendido a partir de 1992, vinha com comando variável VTEC.

No caso do Integra GS 1.8 16v anunciado no GT40, o motor é o B18A1, com 1.834 cm³ de deslocamento e comando duplo no cabeçote, porém sem sistema variável VTEC. O resultado são 140 cv a 6.300 rpm e 17,4 mkgf de torque a 5.000 rpm, moderados por um câmbio manual de cinco marchas. O que, aliás, é uma das coisas que tornam este Integra interessante: a maioria esmagadora dos exemplares rodando no Brasil é de carros pretos com câmbio automático, até porque eram mais comuns nos EUA. É bem provável que este seja o único Acura Integra branco e com câmbio manual à venda no País hoje.

img_109404_4_2967901f-dce5-4368-8bd8-76436b86b7aa

Kaled conta que o Integra foi importado novo para o Brasil em 1991. Ele comprou o carro em 2013, e afirma que seu dono anterior o havia comprado em 2003. Kaled é franco: diz que, na época da compra, o carro já tinha diversos detalhes a acertar, e que ainda é um projeto em andamento. Não é um carro impecável e ainda precisa de alguns reparos.

No entanto, ele tem a estrutura íntegra e conta com alguns serviços já feitos, a maioria deles no ano passado.  Correias dentadas e tensor foram trocados, além das velas, cabos, junta da tampa de válvulas e correia do alternador. Um par de trizetas dianteiras também foi trocado, e a elétrica foi revisada por completo. A suspensão, por sua vez, passou por uma revisão completa em 2013, incluindo a troca das buchas originais por peças de PU.

16730431_1258384260909149_7681975714249177914_n

O sistema de escape é todo feito com tubulação de inox de 2,5 polegadas de diâmetro, e traz um abafador Luzian Cannon, também de inox. Foi instalado, ainda, um filtro esportivo K&N lavável. O Integra também recebeu espelhos externos que são réplicas de um dos modelos da Spoon (os originais estão guardados), estepe temporário original Honda, e traz todos os manuais de fábrica e nota fiscal de compra de 1991.

Como já foi dito, porém, este Integra é um projeto em andamento. Kaled diz que, entre os problemas do carro está o motor, que precisa ser revisado internamente; e a pintura, que já traz bastantes marcas do tempo e merece ser refeita por completo. Também é preciso trocar o radiador.

img_109412_4_2967901f-dce5-4368-8bd8-76436b86b7aaimg_109436_4_2967901f-dce5-4368-8bd8-76436b86b7aaimg_109444_4_2967901f-dce5-4368-8bd8-76436b86b7aa

Por outro lado, o acabamento interno está completo, e o anunciante diz que o carro está estruturalmente perfeito, sem jamais ter sofrido um acidente. Diz também que todos os equipamentos funcionam perfeitamente, incluindo os cintos de segurança automáticos que eram comuns em carros americanos da época.

Nossa conclusão é que este é um carro para iniciados. O valor não é uma pechincha, mas compra um carro bastante exclusivo no Brasil, que tem tudo para ser um belo JDM-look ou carro de track day – todos sabemos que o B18 tem muito a oferecer se preparado corretamente.

img_109408_4_2967901f-dce5-4368-8bd8-76436b86b7aa

Só é preciso saber o que fazer, conhecer canais para conseguir peças mais difíceis, conhecer um bom mecânico e ter disposição para abrir a carteira. Não é um carro barato e nem fácil de fazer, mas pode ser bastante recompensador para quem busca um Honda/Acura mais incomum. Além disso, o vendedor estuda trocas e negocia propostas à vista. Quem sabe, não é?

Se você se interessou, pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos e detalhes.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

A história do Mazda RX-7, parte 1: a gênese do ícone com motor Wankel

Dalmo Hernandes

Chevrolet SSR: a picape hot rod conversível retrô com motor de Corvette de que o mundo não precisava

Dalmo Hernandes

Quando uma perua Fiat derrubou o presidente do Brasil

Leonardo Contesini