Edição diária: 19/06/2019
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos

Este Audi 100 é na verdade um Porsche 928

Hoje em dia encaramos com naturalidade a existência de modelos da Porsche com motor dianteiro, e não poderia ser diferente – eles já existem há décadas, e alguns deles, como o Cayenne, o Panamera e o Macan, são o alicerce que sustenta financeiramente o desenvolvimento dos ícones que conhecemos e adoramos.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Mas nem sempre foi assim. Na década de 70, enquanto se preparava para lançar o primeiro deles – o grand tourer 928 – a Porsche ainda não estava totalmente convencida de que era uma boa ideia. E sabe quem ajudou o pessoal de Stuttgart a se decidir? A Audi, mesmo sem saber (na época).

Lançado em 1976, o Porsche 924 foi lançado primeiro, para substituir o malfadado 914 como modelo de entrada da Porsche. O 928 apareceu no ano seguinte, mas seu desenvolvimento começou antes do 924 – ele só demorou mais para ficar pronto, pois a Porsche estava realmente preocupada em torná-lo perfeito. Afinal, inicialmente, sua missão era substituir o 911 como modelo principal da gama (algo que, como sabemos bem, felizmente não aconteceu).

A questão era que a Porsche tinha experiência nula em carros de motor dianteiro – afinal, eles nunca haviam feito um. O motor V8 já estava pronto, mas não havia meio de saber como um cupê equipado com ele se comportaria sem construir um protótipo do zero, algo inviável àquela altura do processo. Por isso, eles decidiram pedir uma mãozinha ao pessoal de Ingolstadt.  A colaboração culminou no carro da foto que abre este post: um Audi 100 Coupé que, por baixo da carroceria, é um Porsche 928 quase pronto.

O Audi 100 era a melhor opção da Porsche para construir as mulas de testes usadas no desenvolvimento do 928. Não apenas pela relativa proximidade das duas fabricantes, por conta de sua associação com a Volkswagen, mas também por suas dimensões – ele era o maior dos Audi, com 4.399 mm de comprimento, 1.727 mm de largura e 2.675 mm de entre-eixos.

A versão definitiva do Porsche 928 ficaria um pouco maior, com 4.520 mm de comprimento e 1.890 mm de largura, porém seu entre-eixos seria mais curto, com 2.500 mm. Mas era o bastante para acomodar o motor V8 de 4,5 litros e o transeixo traseiro que a Porsche estava desenvolvendo.

Foram feitos, no total, três protótipos do 928 usando o Audi 100 como base. Todos eles partiam da versão  Coupe S, cujo motor era um modesto quatro-cilindros de 1,9 litro com módicos 115 cv. O primeiro deles, denominado “V2”, foi feito em 1973 e manteve o visual externo praticamente inalterado. As mudanças forma estruturais – as caixas de roda dianteiras foram deslocadas, bem como os pontos de ancoragem da suspensão, para dar espaço ao V8 e ao transeixo traseiro.

Foto: Σούλης Μαυρουδής via Road & Track

Os dois protótipos seguintes, construídos em 1974, passaram por alterações mais radicais. Lembra do Porsche 928 disfarçado de Golf Mk1 feito pela Nordstadt, do qual falamos em 2014? Pois a Porsche fez mais ou menos a mesma coisa com os Audi 100 “V3” e “V4”: cortou os carros ao meio, longitudinalmente, enxertou alguns centímetros a mais de metal entre as duas metades e as juntou novamente.

Como o Audi 100 não é um carro que vemos com frequência, é fácil ignorar suas dimensões mais robustas. O que não acontece com as demais modificações: além da carroceria no geral, os para-lamas também foram alargados, as caixas de roda aumentadas para acomodar os pneus mais largos, e a suspensão mais baixa dava ao carro uma postura bem mais esportiva.

A ideia era fazer quem visse o carro acreditar que se tratava apenas de um Audi 100 modificado com muito bom gosto – por isso, a Porsche se deu o trabalho de fabricar uma grade e para-choques sob medida.

Foto: Oldtimer Parade

É claro o que o ronco do motor V8 devia entregar o jogo – especialmente em comparação ao ronco do motor 1.9. Aliás, aqui vai uma curiosidade gratuita: de acordo com a Audi foi especialmente afinado para ser sujo, grave e áspero. O motivo? Não causar muito estanhamento em ex-proprietários dos Volkswagen a ar, que poderiam ser desencorajados pelo silêncio de um quatro-cilindros em linha; ou naqueles que porventura oferecessem, como entrada, um Mercedes-Benz a diesel.

De acordo com o livro Project 928: A Development History of the Porsche 928 from First Sketch to Production (“Projeto 928: A História do Porsche 928 do Primeiro Esboço à Produção”), de Julius Weitmann e Rico Steinemann, a Porsche ainda não havia se decidido completamente, àquela altura, que o 928 realmente chegaria à linha de produção. Era uma mudança muito radical de direcionamento, especialmente porque a Porsche pensava no carro como um sucessor do 911. E esta foi uma das razões para que o 924 tenha sido lançado um ano antes, em 1976: testar a reação do público.

Como se sabe hoje em dia, o público em geral foi muito bem receptivo: enquanto os mais os puristas criticavam a configuração mecânica e o compartilhamento de peças com a Audi, o Porsche 924 foi um sucesso de vendas. Com isto, a Porsche ficou mais confiante com o 928, que já estava praticamente pronto.

Isto posto, antes disto os protótipos feitos com base no Audi 100 também ajudaram a convencer a cúpula da companhia de que o 928 valia a pena. Segundo relatos da época, os carros eram bem divertidos, e foram testados em circuitos como Ehra-Lessien, nas estradas do Monte Ventoux, nos Alpes franceses, e também no complexo de testes da Porsche em Weissach.

O que aconteceu com estes carros depois da nobre missão é um mistério, em parte. O V4 – carro que aparece nas fotos – estava guardado em um galpão nos arredores de Hamburgo, junto com outros protótipos.

O galpão foi destruído em um incêndio em 2011, assim como todos os carros dentro dele.

Os outros dois desapareceram. Existe a possibilidade de ambos ainda estarem em poder da Porsche, que ocasionalmente revela alguns de seus tesouros escondidos em seu acervo – especialmente pela importância destes carros no rumo que a Porsche começou a tomar no fim dos anos 70.

(Via Road&Track)

Matérias relacionadas

A incrível Ferrari Testarossa biturbo de de 800 cv da Koenig Specials ainda existe – e será leiloada em janeiro

Dalmo Hernandes

Este cara transformou dois motores 1JZ em um V12 biturbo — e vai usá-lo em um monoposto de rua!

Dalmo Hernandes

A evolução do Civic Type R: de leveza e agilidade à selvageria turbinada

Dalmo Hernandes