A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Este BMW 2002 com o motor do M3 E30 é o M2 que a gente sempre quis

Já falamos várias vezes aqui no FlatOut sobre restomods — restaurações que não se limitam a devolver a um carro antigo toda a glória de sua forma original, incorporando componentes e soluções mais modernos para garantir melhor desempenho e mais conforto.

Hoje, vamos mostrar um dos restomods mais legais que já vimos: o BMW M2 da oficina americana Bavarian Workshop. Trata-se de um BMW 2002 (que, por si só, é um dos maiores clássicos da marca) com o motor do M3 E30. Incrível, para dizer o mínimo.

bmw-m2

Foto: Retromodmag.com

O BMW 2002, como você já deve saber se nos acompanha regularmente, faz parte da linhagem Neue Klasse, lançada nos anos 70. Os sedãs e cupês compactos eram bonitos, robustos, confiáveis, acessíveis e, talvez o mais importante, eram muito bons de guiar. Com motor dianteiro, tração traseira e suspensão independente, os modelos da Neue Klasse que definiram como deve ser um BMW moderno e, por isso, entraram para a história.

O BMW 2002, movido por um quatro-cilindros de até 130 cv na versão tii, foi o mais emblemático dos Neue Klasse. E se totalmente original ele já devia ser uma delícia de guiar, imagine o que um dos motores mais incríveis já concebidos pelos alemães faria por ele!

Estamos falando do quatro-cilindros S14 que, antes, habitava o cofre de um BMW M3 E30 — a primeira geração do M3, criada para homologar o carro de corrida para a DTM, o campeonato alemão de turismo. Se o M3 moderno é um verdadeiro canhão (a recente geração passada era movida a um V8 aspirado de quatro litros e 420 cv, enquanto a atual usa um seis-em-linha biturbo de 430 cv), o E30 tinha verdadeiro pedigree de corrida: o quatro-cilindros, chamado S14, era uma versão amansada daquele usado na versão de competição.

E, mesmo amansado, estamos falando de um quatro-cilindros que, em seus anos finais, deslocava 2,5 litros e entregava 238 cv, sendo capaz de levar o M3 E30 até os 100 km/h na casa dos seis segundos. Mas mesmo a versão menos potente, de 2,3 litros e 195 cv (a 6.750 rpm), já era bem veloz, sendo capaz de chegar aos 100 km/h em cerca de sete segundos, com máxima de 235 km/h.

Pois bem. Quando John Rosenfeld procurou a oficina de Marc Norris, a Bavarian Workshop, ele só queria uma restauração bacana no BMW 1976 que era de seu pai. Trabalho de responsa, pois o carro estava na família desde zero-quilômetro. Contudo, não demorou para que a restauração se transformasse em um restomod completo. Aconteceu depois que Rosenfeld fez uma visita à oficina para conferir o trabalho e avistou um 2002 com motor biturbo e perguntou a Norris se eles poderiam fazer algo assim em seu carro..

bmw-oficina (3)bmw-oficina (2)

bmw-oficina (1)

O BMW “M2” em ótima companhia

“Claro que é possível, é só ter o dinheiro”, foi a resposta de Norris. E ele sabia o que estava dizendo: a Bavarian Workshop, na Califórnia, é uma das mais famosas oficinas especializadas em BMW da região. Apesar de não lidar exclusivamente com modelos da BMW (a oficina também trabalha com Mercedes-Benz, Audi, Porsche, Mini e VW), Norris é apaixonado pelos carros da marca e já restaurou e preparou dezenas deles, dos clássicos série 3 E21 aos mais modernos e potentes M3, M5 e M6.

bmw-m2 (3)

Foto: Retromodmag.com

Depois de conversar bastante com o dono, Norris conseguiu convencê-lo a colocar um S14 no cofre em vez de turbinar o motor original. Segundo ele próprio, a cirurgia cardíaca, neste caso, não é das mais difíceis — as dimensões do conjunto mecânico são semelhantes, assim como sua disposição na estrutura do carro. Foi uma questão de modificar a carcaça da transmissão para adaptá-la ao monobloco, retirar o motor e o câmbio original e instalar o S14, tomando o cuidado de fazer parecer que ele sempre esteve ali.

Mas a troca do motor foi só o começo. Para garantir o visual, Marc optou por instalar molduras nos para-lamas, parecidas com as do BMW 2002 Turbo, um novo para-choque e rodas de 15 polegadas do BMW E30 Alpina (de acordo com Marc, as últimas fabricadas). Além disso, a carroceria recebeu uma pintura novinha, na mesma cor prata “Polaris Silver” com a qual deixou a linha de montagem há 39 anos. Sob as rodas, freios Wilwood com discos slotados de 30 cm de diâmetro mordidos por pinças de quatro pistões.

bmw-wilwood

O acabamento do interior recebeu uma ligeira atualização com alguns componentes do Série 3 E30, como o console central e o couro perfurado dos bancos Recaro (que vieram de um 320i E21), mas no geral é bem próximo do original. O que, examinando o desenho e a ergonomia, está longe de ser um defeito.

bmw-m2 (1)

Foto: Retromodmag.com

Em termos de chão, o carro recebeu novos amortecedores ajustáveis do tipo coilover, visto que a suspensão independente nas quatro rodas (McPherson na dianteira e braços semi-arrastados na traseira) já tem um projeto muito bom. Contudo, Marc fez questão de usar as carcaças dos amortecedores originais — novamente, preocupando-se em deixar o visual com cara de stock, mesmo não sendo. Falando nisso, a traseira traz um emblema “///M2” feito especialmente para o carro.

bmw-m2 (2)

Foto: Retromodmag.com

Também foram instaladas barras estabilizadoras nas extremidades e uma strut bar no cofre do motor. De acordo com Marc, a rolagem da carroceria foi praticamente neutralizada, garantindo um comportamento dinâmico ainda melhor. Além disso, sendo um carro mais leve que o M3, o 2002 agora chega aos 100 km/h em pouco mais de cinco segundos. Isto sem falar na sinfonia do S14 girando alto e berrando com gosto — ou seria girando com gosto e berrando alto? O fato é que o primeiro dono deste carro ficaria orgulhoso ao vê-lo assim, temos certeza.

Matérias relacionadas

Quais são os carros mais icônicos da série Grand Theft Auto?

Dalmo Hernandes

O dicionário Inglês-Português de termos automobilísticos do FlatOut – Parte 1 de 3

Leonardo Contesini

Os segredos do Porsche 919 Hybrid, vencedor das 24 Horas de Le Mans de 2015

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados