A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Este bonito Ford Maverick Super Luxo marrom com motor V8 está à venda

Tal como seu maior rival no mercado, o Chevrolet Opala, o Ford Maverick é um daqueles carros que todo entusiasta brasileiro já desejou em algum ponto da vida – com o motor V8 302 de 199 cv debaixo do capô, por favor. E este é um dos fatores que tornam cada vez mais raros os exemplares bem cuidados por menos de R$ 100.000. De vez em quando, porém, surgem exemplares como nosso Achado meio Perdido de hoje, anunciado no GT40.

Em sua terra natal, os Estados Unidos da América, o Ford Maverick “compacto” foi criado como uma resposta aos carros compactos europeus e japoneses – um segmento que crescia rapidamente na segunda metade dos anos 60, como reflexo de uma mudança de mentalidade do consumidor em direção aos carros menores, mais simples e econômicos. Seus rivais eram o Toyota Corona, o Honda N600 e até o VW Fusca.

img_263236_4_8582461b-e251-4603-a97a-9106bc8d62c2

Lançado em 1969 nos EUA, o Maverick aproveitava a plataforma do Ford Falcon – assim como o bem-sucedido Mustang, de quem tomava certa inspiração nas formas da carroceria. Aliás o design era um dos pontos fortes do Maverick, que parecia um carro bem mais caro e sofisticado do que o Falcon, embora compartilhasse com ele a maioria dos componentes mecânicos. Para a Ford, mesmo que fosse feito para custar menos e rivalizar com compactos importados, um carro norte-americano deveria se parecer com tal.

Como resultado, o Ford Maverick foi um sucesso absoluto nos primeiros anos, superando até mesmo o Ford Mustang em vendas. Em 1971, com a introdução do motor V8 302 e incorporação de recursos como dianteiros a disco, ar-condicionado e direção hidráulica, o Maverick tornou-se um modelo consolidado no mercado norte-americano como uma alternativa local mais do que digna aos importados.

Screenshot_20180625-131921_2

Dois anos depois, em 1973, o Maverick era lançado no Brasil. Por aqui, sua missão era bem diferente – enquanto o Ford Corcel enfrentava o Fusca, o Maverick iria encarar o Opala. Foi uma reação tardia: o Opala, primeiro carro de passeio que a Chevrolet produzia no Brasil, fez sucesso desde o lançamento, em 1968, enquanto naquele ano a Ford absorvia a Willys Overland e herdava modelos antiquados, com raízes nos anos 50. Foi preciso tempo para traçar um plano e colocá-lo em prática.

O Maverick foi lançado com motores de seis-em-linha de três litros, um antiquado projeto com comando no bloco e 112 cv que, segundo a opinião popular, “andava como quatro-cilindros e bebia como V8”; e o já citado V8 302 de 199 cv brutos (143 cv líquidos), importado de Windsor, no Canadá (que por isso ficou conhecido como motor Windsor – leia mais a respeito aqui). O desempenho do motor V8, com torque abundante em baixas rotações e funcionamento suave, carregou o Maverick nas costas. As versões mais baratas, que a partir de 1975 passaram a contar também com um quatro-cilindros de 2,3 litros e 99 cv) jamais atingiram a mesma popularidade.

IMG_20180120_152531559_HDR

O motor V8 não estava disponível apenas na versão esportiva GT, mas também como opcional para as versões Super e Super Luxo – que é justamente o caso do nosso Achado meio Perdido de hoje, um Maverick Super Luxo 1976 anunciado no GT40.

O carro pertence a Lucas Munoz, de Bragança Paulista/SP. Ele conta que o carro foi restaurado há cerca de três anos e que passou por algumas modificações estéticas e de performance – nada muito radical, apenas para dar um toque personalizado.

img_263228_4_8582461b-e251-4603-a97a-9106bc8d62c2

Assim, a carroceria foi repintada na cor marrom metálico original, porém recebeu faixas laterais e retrovisores do Maverick GT. Há um spoiler na dianteira, e a grade vem do Ford Maverick norte-americano. O friso traseiro do Maverick Super Luxo foi mantido. As rodas são as famosas “gaúchas”, com pneus Hankook 235 na dianteira e 255 na traseira.

img_263224_4_8582461b-e251-4603-a97a-9106bc8d62c2

O interior, segundo Lucas, teve os revestimentos restaurados nos padrões originais, porém recebeu o conta-giros do Maverick GT e uma barra de mostradores auxiliares acima do console central (amperímetro, temperatura, pressão do óleo e pressão da linha de combustível) feitos com a mesma grafia dos relógios originais.

Screenshot_20180625-131936_2 img_263220_4_8582461b-e251-4603-a97a-9106bc8d62c2

De acordo com o proprietário, o motor do Maverick foi refeito do zero e “funciona como um relógio”. Lucas diz que o V8 passa por manutenção preventiva a cada seis meses e é alimentado por um carburador de corpo duplo. Além disso, recebeu novas polias e radiador de alumínio com ventoinha elétrica. O câmbio manual de quatro marchas e a suspensão foram restaurados nas especificações originais, e o sistema de escape é dimensionado com tubulação de 2,5 polegadas.

Nos parece um carro honesto, com modificações de bom gosto e um preço bastante interessante, abaixo da média do mercado. Se ficou interessado, você pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos do proprietário.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Ferrari clássica abandonada em pátio no Brasil, o “Ariel Atom” da Honda, Bentley lança seu SUV Bentayga, Hyundai apresenta novo Elantra e mais!

Leonardo Contesini

Um Jetta TSI bem conservado, um Corcel II “daily driver”, um BMW de seis cilindros dos anos 90 e mais no GT40

Dalmo Hernandes

Porsche 911 Turbo S conversível chega ao Brasil por R$ 1,2 milhão, a primeira Ducati Senna, BMW M2 em Nürburgring e mais!

Leonardo Contesini