A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Este Cadillac Sedan De Ville 1961 é um belo colecionável – e está à venda

Você tem pouco mais de 200 mil para comprar um V8 norte-americano. Você pode comprar um Chevrolet Camaro de segunda mão, importado oficialmente desde o início desta década, ou… você pode optar por algo completamente diferente, como nosso Achado meio Perdido de hoje. É um caminho bem menos óbvio e mais difícil, mas talvez você esteja começando uma coleção. Ou talvez só queira algo diferente para curtir aos fins de semana.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Se você está nesta posição, achamos que vai se interessar pelo nosso Achado meio Perdido de hoje: um Cadillac Sedan De Ville fabricado em 1961, no final da era dos “rabos-de-peixe” – quando os sedãs grandes, extravagantes e luxuosos ainda eram muito presentes nas ruas e rodovias dos Estados Unidos. Ele está anunciado no GT40, e nós vamos conhecê-lo melhor neste post.

Cadillac De Ville foi o nome dos modelos de luxo da fabricante de 1959 a 2005 – um dos modelos de luxo, na verdade, visto que também havia o Cadillac Eldorado, com quem o De Ville dividia o topo. Certamente o modelo mais conhecido é o De Ville 1959, tanto como Coupe De Ville quanto como Sedan De Ville.

Cadillac Sedan De Ville 1959

 

Em ambas as versões de carroceria, o aspecto mais marcante do carro era a traseira, com suas enormes barbatanas adornadas por lanternas duplas, em formato de projéteis. O para-choque trazia embutidas as outras luzes da traseira e também uma falsa grade abaixo da tampa do porta-malas. Não havia coluna “B”, nem no cupê e nem no sedã. Era exagerado mas, no contexto da época, fazia sentido.

O modelo 1961 marcou a chegada da segunda geração, que trouxe um estilo mais contido sem perder a identidade ou a imponência do De Ville. A carroceria trazia linhas mais limpas, com menos vincos, e mais parcimônia nos elementos cromados. O rabo de peixe ainda estava presente, porém era mais estilizado, com refletores nas barbatanas, e as lanternas ficavam no para-choque, menores e mais funcionais.

Em termos de equipamentos, o Cadillac De Ville 1961 tinha direção hidráulica, freios com assistência hidráulica, ar-condicionado, lavador de para-brisa, vidros elétricos e bancos ajustáveis. A suspensão vinha com molas helicoidais emborrachadas – a geração anterior contava com um sistema de suspensão a ar auto-nivelante que era meio problemático.

O motor era sempre um V8 com carburador de corpo quádruplo, com 6,4 litros e 330 cv, acoplado à transmissão automática Hydra-Matic de quatro marchas, com alavanca na coluna. Era um conjunto adequado para que um sedã de quase 5,7 metros de comprimento, mais de dois metros de largura e peso mínimo de 2.100 kg, se movesse com graça na cidade e conseguisse encarar as longas interstates de forma ágil e sem sustos.

O exemplar anunciado no GT40 está sob os cuidados de Bird Clemente Jr., da Vintage Garage Curitiba. De acordo com ele, o carro nunca foi restaurado por completo, mas passou por um banho de tinta há alguns anos.

É um veículo de coleção, com placa preta, e ótima apresentação. Todos os itens de acabamento – faróis e lanternas, para-choques, grades, cada friso e emblema – estão em seus lugares e com ótimo aspecto. As calotas são originais e, adequadamente, os pneus possuem a icônica banda branca.

Do lado de dentro a situação é exatamente a mesma – o acabamento está muito bem conservado, tanto no painel quanto nos revestimentos das portas e bancos, em um elegante veludo bordô. Segundo Bird, todos os equipamentos são originais (incluindo o rádio) e todos funcionam perfeitamente.

Por fora e por dentro, há algumas poucas marcas do tempo, mas nada que não se possa perdoar em um carro de quase 60 anos. A manutenção básica está em dia, incluindo suspensão, freios e pneus – embora, como sempre, recomendemos uma revisão completa após a compra de um antigo.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos do vendedor.


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Quer um hatchback de tração traseira? Este BMW 318ti Compact conservadíssimo está à venda!

Dalmo Hernandes

Um BMW M3 E36 americano bem cuidado, modificado com bom gosto e à venda

Dalmo Hernandes

À venda: Audi A6 Allroad quattro com motor V6 biturbo de 315 cv e tração integral

Dalmo Hernandes