A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Este cara dirige seu Dodge Dart pelas ruas de Manhattan todos os dias há 40 anos

Para muitos donos de antigos a maior prioridade é manter o carro no melhor estado possível. Alguns gostam de carros impecáveis, outros até curtem as marcas do tempo (eu sou destes). Mas uma coisa é certa: não dá para medir o tamanho do amor que um dono tem por seu carro com base no estado de conservação. Uma prova é este Dodge Dart GTS americano, que transporta seu dono e suas histórias diariamente há 40 anos.

O carro é uma espécie de tradição de East Village, em Manhattan. Jornalistas automotivos da região contam histórias sobre eles, pessoas começam conversas dizendo “ei, hoje eu vi o Dart GTS da 4th Street!”, e o Instragram e o Flickr estão cheios de fotos do carro.

dodge-dart-manhattan-2-640x426

O dono dele, Alex, também é um fotógrafo. Ele tem 70 anos que comprou o Dart em 1974. “Comprei por US$ 500. Ele estava em péssimo estado. Fui dirigindo para casa para descobrir o que estava ruim com ele. Tudo estava ruim”, Alex contou para a revista Hot Rod. “Levei dez anos para… não restaurá-lo, mas deixá-lo a ponto de me levar para onde eu precisava ir.”

dodge-dart-manhattan-6-640x426

Depois que o carro ficou pronto, Alex passou a usá-lo para transportar sua arte e seus amigos artistas até sua galeria. O carro ficou famoso e ganhou até um apelido: “Direct Connection” — Conexão Direta, em uma tradução literal. “Meus amigos diziam ‘a gente precisa ir para tal lugar, vamos pegar a Conexão Direta’”, Alex se diverte contando. Um adesivo quase desaparecido na lataria do Dart GTS deixa claro o apelido.

dodge-dart-manhattan-4-640x426

O motor é um V8 340, que em seus distantes dias de glória rendia algo entre 240 e 250 cv. Depois de 40 anos com Alex e, segundo ele, rodando 300 km por semana, o motor já teve várias peças, como cabeçote, coletores e radiador, trocadas, mas funciona muito bem. Não se engane pela aparência do cofre — os caras da Hot Rod ficaram impressionados ao ver o Dart pegar de primeira, algo que “restaurações de US$ 100 mil sofrem para fazer”. Nada como rodar todos os dias para deixar um carro em forma.

Alex poderia ter trocado de carro, certamente. Mas ele prefere rodar com seu Dart GTS preto, com portas amassadas, para-choques enferrujados e fibra de vidro cheia de caroços nos para-lamas. É um carro de personalidade, carisma e reputação em Manhattan. E, se ele serve seu dono tão bem há 40 anos, por que se livrar dele agora?

De uma coisa temos certeza: este cara ama seu Dart tanto quanto nosso editor-chefe, o Juliano, ama o Dart Games. São dois muscle cars de mundos diferentes, unidos pela cor e pelo nome, mas esta é a graça da cultura automotiva: ver um cara feliz com seu carro, fazendo o que quer e o que gosta de fazer com ele.

Alex e seu Dart guerreiro merecem todo o nosso respeito.

dodge-dart-manhattan-5-640x426

dodge-dart-manhattan-1-640x426

Matérias relacionadas

Russos malucos fizeram um Nissan “Juke-R” de 850 cv – e ficou demais

Dalmo Hernandes

Além da Fórmula 1: a trajetória de Niki Lauda nas corridas de turismo

Dalmo Hernandes

Como é dirigir o clássico Lamborghini Countach, afinal de contas?

Dalmo Hernandes