A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos Projetos Gringos

Este cara está transformando um Dodge Charger SRT-8 2006 em um Daytona 1969

Você deve lembrar que, recentemente, vimos um incrível projeto feito pela americana Piper Motorsport, que está colocando a carroceria de um Mercedes-Benz 190E sobre um C63 AMG da geração passada. Pois hoje vamos trazer algo parecido, porém com muito mais apelo para a galera dos muscle cars. Que tal um Dodge Charger 2006 com a carroceria de um clássico Charger Daytona, um dos famosos Winged Warriors que competiram na NASCAR em 1970?

É exatamente isto que um cara chamado Steve Mirabelli está fazendo desde 2013. Estamos em 2016 agora e o carro ainda não está pronto, mas sua empreitada é tão impressionante que fica difícil não mostrá-la aqui. Prepare-se para uma avalanche de fotos!

dodge-charger (1)

O projeto começou com um Dodge Charger SRT-8 2006 acidentado, que não podia mais rodar, porém conservava sua estrutura e mecânica íntegras. O motor é um V8 Hemi de 6,1 litros, 430 cv e 58 mkgf de torque e, acoplado a uma caixa automática de cinco marchas, é capaz de levar o carro até os 100 km/h em 5,4 segundos. Steve pagou US$ 8,5 mil pelo carro (cerca de R$ 34 mil em conversão direta).

SRT Wing 5 SRT Wing 4

 

A outra metade do projeto era um Dodge Charger 1968 bastante danificado, porém com diversos painéis de metal íntegros, comprado por US$ 1,5 mil, ou cerca de R$ 6 mil. Nos parece um bom valor para começar.

De qualquer forma, o investimento financeiro inicial ficou pequeno diante de todo o trabalho que Steve teve desde então. Porque seria mais simples transplantar os painéis do Charger 1968 sobre o monobloco do Charger 2006, mas ele decidiu ir além e recriar um Dodge Charger Daytona. Sendo assim, ele também comprou uma asa traseira e um bico em forma de cunha autênticos antes de começar a transformação.

dodge-charger (16)

Steve é um daqueles caras que gastam todo o tempo livre que têm trabalhando em seus projetos. Mesmo assim, ele se deu ao trabalho de postar fotos detalhadas do processo no Facebook, na maioria das vezes, com uma breve descrição do que está acontecendo. Isto já nos dá uma boa ideia da mão de obra.

dodge-charger (2) dodge-charger (3) dodge-charger (4) dodge-charger (6)

Como você deve saber, ainda que o Dodge Charger Daytona seja baseado em um exemplar comum, há algumas mudanças em relação às carrocerias. Além dos aparatos aerodinâmicos, o especial de homologação tinha o vidro traseiro rente à carroceria, e não recuado como no Charger comum. Sendo assim, Steve preferiu realizar as modificações com o carro montado antes de remover os painéis e transplantá-los para o novo “paciente”.

dodge-charger (7) dodge-charger (8) dodge-charger (9)

Além do vidro traseiro, outros detalhes tiveram que ser acertados, como o desenho das lanternas traseiras, os reforços estruturais e os arcos das rodas. Tudo, absolutamente tudo, foi feito em metal e de maneira artesanal — muitas vezes, por tentativa e erro.

Uma vez retrabalhada a carroceria do carro antigo, chegou a hora de desmontar o carro moderno, removendo toda a carroceria. Além da mecânica, o carro forneceria todo o interior — painel, bancos, revestimentos de porta e sistema de som e acabamentos. Antes disso, porém, a nova carroceria precisou ser instalada, em um processo que levou quase dois anos.

dodge-charger (5) dodge-charger (10) dodge-charger (11) dodge-charger (13)

As medidas dos dois carros, separados por quase 40 anos, são surpreendentemente parecidas. Steve diz que o entre-eixos do Charger 2006 é apenas seis centímetros mais longo do que o original do Charger Daytona. Sendo assim, primeiro ele posicionou o restante da carroceria — das colunas “A” para trás, e depois adaptou os para-lamas dianteiros (genuínos do Charger Daytona) e o capô.

dodge-charger (14)

Para isto, ele precisou fabricar extensões sob medida para o para-lama dianteiro, alargá-lo um pouquinho (as bitolas do Charger 2006 são cerca de nove centímetros mais largas) e tomar cuidado para que, com maiores dimensões, a dianteira não ficasse “inchada”. Aparentemente, ele conseguiu — dá só uma olhada. Há alguns poucos toques modernos, como os retrovisores e maçanetas externas, que acabaram caindo bem ao projeto.

dodge-charger (56) dodge-charger (55) dodge-charger (54) dodge-charger (53)

Com tudo no lugar, chegou a hora de adaptar o interior. O painel do Dodge Charger 2006 teve boa parte aproveitada, mas precisou de uma nova cobertura, feita em metal e revestida com couro. Os bancos também foram utilizados, bem como mecanismos dos cintos de segurança e partes do revestimento das portas.

dodge-charger (57) dodge-charger (66) dodge-charger (78) dodge-charger (76)

Ao ver o carro montado, porém, fica fácil esquecer de outros detalhes que exigiram muito tempo e trabalho para a adaptação: o capô precisou ser remodelado, os motores dos limpadores de para-brisa e dutos de ventilação exigiram diversas modificações na área abaixo do para-brisa e nas colunas A. Lembramos: tudo feito em metal, sem fibra ou massa. Espetacular.

dodge-charger (79) dodge-charger (87)

Atualmente o carro está montado e a carroceria está no primer, mas já dá muito bem para admirar o projeto até agora. Além disso, já está bem mais interessante do que estes caras aqui:

28618310.jpeg 34015146

Estes Winged Warriors apareceram em 2010, e foram feitos adaptando componentes aerodinâmicos sobre exemplares então novos do Dodge Charger. Eles eram feitos pela Heide Performance Products, e os kits que incluíam uma nova dianteira e a icônica asa traseira custavam, na época, cerca de US$ 15 mil. Como vemos, as proporções não funcionam direito e os carros parecem realmente inchados.

Ficamos com o trabalho de Steve, e estamos loucos para vê-lo pronto!

[ Sugestão de Rodrigo Leite ]

Matérias relacionadas

715 cv em uma perua para surfistas com segundas intenções: conheça o Triple Eight Project Sandman

Dalmo Hernandes

Alguém tentou transformar um Corvette 2013 em um clássico de 1967 e a gente não sabe direito o que pensar

Dalmo Hernandes

Encontro de antigos marca novo endereço da Universo Marx, em São Paulo

Juliano Barata