FlatOut!
Image default
Car Culture

Este Citroën 2CV viajou 25.000 km para assistir à Copa do Mundo no Brasil

Não é exagero dizer que o Citröen 2CV representa para a França o mesmo que o Fusca para a Alemanha — o “guarda-chuva sobre rodas” motorizou o país no pós-Guerra e é dotado de um carisma impressionante. Até suas formas lembram, de leve, o besouro, embora o motor e a tração fiquem na frente.

Sendo assim, não surpreende que o 2CV tenha sido o carro escolhido pela dupla de franceses Eric Carpentier e Pierre Pitoiset para uma aventura impressionante: uma road trip atravessando as Américas para assistir à Copa do Mundo no Brasil.

O carro foi comprado no fim de 2013 por Eric, que encontrou o 2CV em uma congregação de freiras na França. Uma das irmãs guardava o carro havia mais de 20 anos e o hodômetro marcava apenas 53 mil km — uma quilometragem baixa para um carro fabricado em 1988. Depois de alguma negociação vieram a compra e uma promessa: eles usariam o carro para visitar uma das unidades da congregação na América do Sul — mais precisamente na cidade de Vallenar, no Chile.

???????????????????????????????

Ao desejo de viajar juntou-se o compromisso com a ONG “A Cup of the World“, que incluiu a viagem no projeto “Pan American Futbol”. A ONG usa a popularidade do futebol para arrecadar fundos para projetos sociais e entidades beneficentes, e a viagem do 2CV se tornou uma maneira de divulgar o trabalho da organização.

Foi assim que, em 180 dias, o carro percorreu mais de 25 mil km, começando com uma viagem de navio da França ao Canadá. Já em terra, o 2CV rodou até Nova York, de onde partiu rumo ao hemisfério Sul, passando pelo México, Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica e Panamá. De lá, partiram de barco para a Colômbia, de onde tornaram a atravessar o continente pelas estradas.

???????????????????????????????

Depois de atravessar Equador e Peru, Eric e Pierre chegaram ao Chile, onde subiram a cordilheira dos Andes — “boa parte da subida em primeira marcha devido ao ar rarefeito”, conta Pierre. A dupla ainda atravessou a Argentina antes de chegar ao Brasil.

??????????????????????????????? 2cv-copa (12)

Por cada cidade que passavam, Eric e Pierre usaram o futebol para se aproximar dos locais e conviver com diferentes culturas. “Um desafio era jogar futebol todos os dias com as pessoas que encontrávamos. Fizemos o possível, jogando em média uma partida a cada três dias”, eles explicam. “Para nós, era um meio eficaz de encontro, uma forma única de convergência e troca com as pessoas”. O carro, caracterizado como uma bola de futebol da década de 70, foi decorado com as assinaturas das pessoas que recebiam os aventureiros franceses.

???????????????????????????????

Depois de chegar ao Brasil, entrando pela cidade de São Borja no Rio Grande do Sul, o 2CV passou por Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. E eles elogiaram nossa hospitalidade, nossa diversidade cultural e o bom humor. “A recepção e a hospitalidade das pessoas é surpreendente! Evidentemente, o país respira o futebol, não havendo pessoas indiferentes: conhecemos todos os times e campeonatos do Brasil somente perguntando para as pessoas qual o seu time do coração”, contou Eric.

Ao chegar em Porto Alegre, a dupla se tornou um trio ao juntar-se Marec Ludovic, que também é francês mas está morando na Guiana Francesa.

2cv-copa (14)

Além do lado social e cultural da viagem, o que nos fascina é o trajeto em si: uma road trip atravessando as Américas com um carro francês de quase 30 anos de idade não é para qualquer um. Por sorte, o Citroën 2CV é mundialmente famoso por sua simplicidade e robustez. Dos carros populares do pós-guerra, ele é notadamente o mais frugal — o motor é um boxer de dois cilindros que, no carro da dupla, tem 602 cm³ e 33 cv — a versão mais potente a equipar o 2CV.

“Tivemos que realizar alguns acertos e adaptações na carroceria, uma troca de bobina, regulagens na marcha lenta e uma reparação do freio de mão (na travessia Panamá – Colômbia). Também tivemos trocas de pneus: duas vezes cada pneu da frente, nunca atrás (mas vamos ter que trocar). Mas nunca tivemos um pneu furado!” Não duvidamos.

Agora, com o carro no Rio, falta definir o roteiro do resto da viagem depois da Copa”Vai depender do tempo que teremos”, eles dizem. “Talvez conhecer as regiões centrais, como a cidade de Belo Horizonte e a capital Brasília”. Mas um desejo está bem definido: eles querem estacionar o 2CV dentro do Maracanã. Será que pode rolar na final?

 

Matérias relacionadas

Este Renault 8 “Gordini” é a melhor herança que um entusiasta pode receber

Dalmo Hernandes

Quando Alain Prost e Ayrton Senna decidiram o campeonato de F1 batendo seus carros

Leonardo Contesini

Como Luca di Montezemolo salvou a Ferrari da falência

Leonardo Contesini