Este Corcel II 1979 está na medida para ser seu primeiro carro antigo

Dalmo Hernandes 16 novembro, 2016 0
Este Corcel II 1979 está na medida para ser seu primeiro carro antigo

Não é nenhuma novidade ou fato desconhecido: o antigomobilismo é um hobby caro – e ainda mais em tempos de especulação, com preços subindo vertiginosamente e gente disposta a pagar por eles mesmo em tempos de crise. E isto é especialmente verdade quando se trata dos carros mais procurados, como a família “BX” da Volkswagen, o Fusca e seus derivados, o Chevrolet Opala ou o Ford Maverick.

A nossa sorte é que, a medida que o tempo passa, mais carros se tornam antigos – e, felizmente, demoram um pouco para “pegar preço”, tornando-se colecionáveis mais acessíveis. E, ao mesmo tempo, como não são tão antigos e caros, podem ser curtidos com mais frequência e sem tanta preocupação. É o caso, por exemplo, deste Ford Corcel II 1979.

deusnoceu (16)

É fácil pensar no Corcel II e seus derivados (a perua Belina, a picape Pampa e até o Del Rey, sua versão “de luxo”) como carros baratos, muitas vezes usados para trabalho e, por isso, bastante abusados. Mas esta é uma visão superficial: com a idade chegando, os exemplares bem conservados estão começando a ser reconhecidos no mercado de antigos, e ainda podem ser boas oportunidades para quem quer comprar um clássico sem gastar muito na hora da compra.

Este carro, anunciado por Alexandre Mesquita, só teve um único dono desde que foi fabricado, e encontra-se extremamente original – com exceção de um banho de tinta “a portas fechadas” (isto é, o carro não foi desmontado) para corrigir pequenas falhas. No mais, interior, mecânica e todos os detalhes de acabamento são os mesmos há 37 anos.

deusnoceu (5)

Lançado em 1977, o Corcel II aproveitava a plataforma da primeira geração, porém com linhas retas, que davam um aspecto mais moderno e a impressão de que era um carro maior, ainda que a carroceria tivesse o mesmo comprimento da anterior (4,47 metros). O motor era o quatro-cilindros com comando no bloco e 1,4 litro de origem Renault, com 72 cv brutos. Em 1979, chegou o motor de 1,6 litro e 90 cv brutos – ou 71 cv líquidos, medida que começou a ser utilizada no Brasil naquela época – acoplado a um câmbio de cinco marchas (antes eram quatro). Não era um carro emocionante de acelerar, levando 17 segundos para chegar aos 100 km/h, mas era competente. A velocidade máxima era de 150 km/h.

deusnoceu (3)

Mesquita afirma que o carro está completamente em ordem em termos de mecânica, elétrica e suspensão, e que uma revisão foi feita recentemente para conferir tudo. É possível ver algumas marcas do tempo, especialmente no interior, mas dá para notar que o carro está realmente muito íntegro e bem cuidado.

Trata-se de um Corcel II L, o modelo mais simples da linha na época. Isto dito, o acabamento da cabine é caprichado, ainda que o painel de instrumentos seja bastante simples e existam bem poucos equipamentos de série – ainda que existam alguns detalhes interessantes, como a luz no porta-luvas. Tem até veludo nos bancos! A cor da carroceria, Vermelho Cordovan, é bastante rara.

deusnoceu (15)

O carro foi comprado zero-quilômetro na concessionária Cia. Santo Amaro, que fica em Santo André, São Paulo, e acompanha manual do proprietário e chave reserva. Mesquita também diz que o Corcel está 100% apto à placa preta.

O valor é bastante razoável para um carro tão original e bem conservado, especialmente neste momento do mercado: R$ 16.500. Para entrar em contato com Mesquita, caso se interesse, você pode ligar para (11) 99324-3688, com WhatsApp.

deusnoceu (1)

[ Facebook ]


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! na qual selecionamos e comentamos anúncios de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial, tampouco de uma reportagem aprofundada. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios – todos os detalhes devem ser apurados com o anunciante.