FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos Car Culture

Este é o primeiro Mustang Boss 302 a vencer nas pistas — e ele pode ser seu

Carros de corrida históricos sempre aparecem à venda em sites de classificados, mas de tempos em tempos a gente cruza com exemplares ainda mais preciosos. É o caso deste Mustang Boss 302 que competiu na Trans-Am nos anos 70. Ele não é só um Mustang de corrida antigo: ele foi encomendado pela própria Ford, e serviu de referência a todos os outros Boss 302 que vieram depois dele.

Em 1966 o SCCA (Sports Car Club of America) inaugurou a Trans-Am Series, na qual pilotos profissionais e amadores podiam com carros de rua transformados em bólidos de corrida. A Ford destacou-se logo de cara, sagrando-se campeã logo na primeira temporada na categoria “Acima de 2 Litros” com o Mustang, bem como na temporada seguinte.

Depois de passar dois anos sem títulos — que ficaram com a Chevrolet —, a Ford tinha um novo Mustang em 1969: o Boss 302, desenvolvido especialmente para combater o recém-lançado Camaro na Trans-Am. Sua maior estrela era o motor V8 de 302 pol³ (cinco litros) — uma espécie de motor “híbrido”, que usava um bloco Windsor reforçado, com quatro parafusos por mancal, e cabeçotes do motor Cleveland 351. Era um motor girador — ia até os 8.500 rpm! —  com componentes forjados e, em configuração de corrida, entregava pelo menos 470 cv.

Para que pudesse ser homologado, a Ford precisou produzir versões civis deste motor e oferecê-lo como opcional. Em configuração de rua, o motor Boss 302 produzia entre 290 e 310 cv e tinha os giros limitados a 6.150 rpm.

1970-Ford-Mustang-Boss-302_247413_low_res

Voltando ao carro de corrida, ainda em 1969 a Ford colocou o Boss 302 para competir na Trans-Am e, apesar de não ficar com o título, foi um carro bastante popular entre os fãs da Trans-Am. Muitos deles procuraram a Ford para pedir “a receita” do carro de corrida e a companhia decidiu atendê-los — mas faria do jeito certo: primeiro, teria um carro vencedor, e depois publicaria um manual com as modificações realizadas nele e o venderia através de sua própria rede de concessionárias.

Para dar conta do carro, a marca chamou a preparadora Kar Kraft, da cidade de Livonia, no Michigan, e deu a eles um Boss 302 novo em folha. O carro, pintado de Grabber Orange, não era um muscle car depenado, mas sim um Mustang bem equipado, com diferencial blocante, direção assistida e até rádio. A Kar Kraft não mexeu no motor — não era necessário —, mas deu ao Mustang uma nova suspensão, sistema de arrefecimento mais eficiente, freios maiores, gaiola de proteção e reforços estruturais para a temporada de 1970.

1970-Ford-Mustang-Boss-302_247416_low_res

Naquele ano o carro foi para as pistas com Parnelli Jones e George Follmer ao volante e, vencendo seis das onze corridas, o Mustang Boss 302 foi o campeão da Trans-Am, superando os Plymouth Barracuda, Chevrolet Camaro, Dodge Challenger e AMC Javelin. Com o bom resultado, além de vitórias em corridas regionais e nacionais, a Ford pode listar as modificações feitas pela Kar Kraft em dois manuais: Boss 302 Chassis Modification Guide Boss 302 Engine Modification Guide for Strip and Track.

Infelizmente, ainda em novembro de 1970, a Ford decidiu retirar suas equipes de fábrica do automobilismo. Contudo, o Boss 302 laranja continuou correndo por vários anos — começando já em 1971, quando foi comprado por Martin Birrane, dono da Lola Cars, e enviado para o Reino Unido. Na Europa, começou competindo no Grupo 2 (equivalente do Velho Mundo para a Trans Am) e trocou de mãos alguma vezes, chegando até mesmo a competir em provas de subida de montanha, antes de ser colocado sobre cavaletes e restaurado em 1990.

1970-Ford-Mustang-Boss-302_247435_low_res

Desde então, o carro passou por algumas modificações e recebeu alguns componentes modernos para permanecer competitivo em provas históricas. Seu motor atual foi montado em 1994 e usa bloco e cabeçotes SVO (Special Vehicle Operations, antiga divisão de alto desempenho da Ford), cárter seco, comando especial e outros componentes para entregar cerca de 500 cv.

Os detalhes de acabamento, como os círculos de metal que estão no lugar dos faróis, grade e lip dianteiro, trazem marcas do tempo e do uso nas pistas, adicionando toneladas de personalidade ao visual do carro, enquanto o interior mistura peças originais de fábrica com componentes de competição — mostradores, cintos de segurança e rollcage.

1970-Ford-Mustang-Boss-302_247444_low_res

E, como dissemos no começo do post, ele está à venda — o anúncio do eBay estipula um preço de US$ 279,9 mil, o que equivale a pouco mais de R$ 632 mil em conversão direta. É um preço até razoável por um carro que correu pela equipe de fábrica da Ford na Trans Am e ainda ajudou outros fãs e donos de Mustang a preparar seus próprios carros — é uma verdadeira relíquia do automobilismo americano sobre rodas, que ainda é capaz de correr e nos ensurdecer com o ronco do V8.

 

Matérias relacionadas

Extintor ABC? No futuro você talvez possa apagar incêndios com… o som do carro!

Leonardo Contesini

Das berlinetas 250 à LaFerrari: a evolução do design das Ferrari de rua

Juliano Barata

Pegue carona em um Fusca Okrasa neste belo onboard nas estradas alemãs

Dalmo Hernandes