A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Este Escort XR3 1992 recheado de fábrica e muito conservado está à venda!

O Escort XR3 foi objeto de desejo de muitos entusiastas brasileiros nos anos 80 e 90 – talvez até seu, mesmo. Talvez você fosse criança quando, no auge da Autolatina, o XR3 ganhou o motor AP 1.8 Volkswagen, ou talvez você já tivesse idade para dirigir e ficasse namorando o carro nos comerciais de TV, nas revistas ou nas concessionárias.

Se você não podia comprar um Escort XR3 há vinte e cinco anos, por ser moleque demais ou por ter dinheiro de menos, talvez agora as coisas tenham mudado. E, caso tenham, este carro aqui pode vir a calhar!

Este Escort XR3 prata está anunciado no GT40.com.br. É um exemplar de 1992, último ano de fabricação da versão esportiva naquela geração (o Mk4 seguiria em produção na configuração básica Hobby). Isto significa que a oferta de opcionais era grande, e este carro tem todos eles.

img_67336_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf

Vamos recordar brevemente a cronologia parcial do Escort XR3. Em 1987 foi lançado o modelo conhecido como Mk4, que na verdade é uma ampla reestilização do Mk3, lançado em 1983. O XR3  ganhou para-choques envolventes, de plástico e aerofólio preto. Em 1989, veio a parceria da Ford com a VW, e com isto o Escort XR3 ganhou o motor AP de 1,8 litro no lugar do CHT Formula de 1,6 litro – além da a oferta da cor Amarelo Citrino, com frisos amarelos acompanhando.

Também ganhou molduras pretas nos para-lamas. Em 1990 vieram os para-choques na cor do carro, assim como as molduras. Em 1991, foi lançado o Escort XR3 Fórmula, série especial com cerca de 750 exemplares dotados de amortecedores com controle eletrônico de rigidez, sobre o qual falaremos adiante. O Fórmula também estreou os bancos Recaro no Escort XR3  – estes, a partir de 1992, assim como os amortecedores eletrônicos, se tornaram opcionais para o XR3 a partir de 1992, ano em que a asa traseira passou a vir na mesma cor da carroceria.

img_67392_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf

Lucas Lessa, o proprietário deste exemplar, mora em Gravataí/RS e comprou o carro em novembro de 2016, com o intuito de utilizá-lo regularmente. Profundo admirador dos Escort esportivos, ele já teve um Escort RS (o Zetec “esportivado”, com motor 1.8 16v de 115 cv igual ao das outras versões). Ele conta que seu XR3 saiu da fábrica com todos os opcionais possíveis: teto solar, bancos Recaro (de série, são bancos esportivos com bom apoio, porém visual mais comum que os Recaro e sem ajustes para a região lombar e as coxas) e amortecedores eletrônicos. O motor AP de 1,8 litro era uma das exigências de Lucas: com 97 cv a 6.000 rpm e 16 mkgf de torque às 3.000 rotações, é mais potente que o CHT, que em seu último ano tinha 86 cv.

img_67356_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf

img_67380_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf img_67384_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf

Lucas trabalha com mecânica de automóveis e, segundo ele, fez questão de comprar um XR3 Mk4 que fosse o mais íntegro e original quanto possível. Ele diz que, de fato, muita coisa é original, porém que há algumas adaptações, como a mangueira principal do sistema de direção hidráulica, que foi fabricada sob medida; e também alguns retoques na pintura, porém bem feitos e praticamente imperceptíveis, segundo ele. Farois e lanternas já foram substituídos, Lucas acredita que por desgaste das originais, pois o carro jamais sofreu um acidente.

Ele só faz uma ressalva aos amortecedores eletrônicos. O sistema do Escort é composto por um solenoide e um sensor de velocidade que capta os sinais e tem sua rigidez alterada de acordo com a velocidade do carro. A partir de 80 km/h, os amortecedores ficam mais rígidos – abaixo disto, é preciso ativar o sistema por um botão.

img_67396_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf img_67348_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf img_67376_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf

Acontece que, como a produção do Escort XR3 Fórmula era limitada e os amortecedores eram um opcional caro e pouco escolhido, a Ford não fez questão de manter muitas peças de reposição. Com isto, na hora de trocar os amortecedores, foi preciso colocar peças comuns, que não são compatíveis com o sistema eletrônico. Este funciona perfeitamente, mas seus sinais não podem ser lidos pelos amortecedores instalados no carro.

img_67344_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf

Um detalhe interessante é o emblema Ford “light blue”, com um tom de azul mais claro. Em 1996, foi adotado um logo mais escuro, quase preto.

img_67340_4_70bd14b8-bf85-4bf0-84b6-733e9f758fcf

Apesar destes detalhes, nos parece um negócio interessante. Se você concorda e quer saber mais, pode acessar aqui o anúncio no GT40 e pegar todos os detalhes e os contatos do dono.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Frente do Corvette C8 pode ter sido revelada, Novitec lança kit para McLaren 600LT, Golf GTI Mk8 aparece camuflado e mais!

O Rei do Pop em duas rodas: você sabia que Michael Jackson era fã de motos?

Dalmo Hernandes

Velozes e Furiosos em Forza Horizon 2, volante do Fox pode se soltar e VW anuncia recall, Mercedes apresenta AMG GT3 e mais!

Leonardo Contesini