A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos Zero a 300

Este Ford Fiesta XR2 com motor Duratec supercharged de 200 cv é um monstrinho que sobe montanhas

Não falta muito para que entremos na década de 2020, mas parece que foi ontem que chegamos aos anos 2000 – o tempo passa rápido, não? Nos anos 2000 a “fauna” automotiva brasileira era bem diferente, e um exemplo disto é a existência do Ford Fiesta Supercharger, lançado em 2002 como uma das versões do então novo Fiesta. Com motor 1.0 Zetec RoCam e compressor do tipo Roots fornecido pela Eaton, ele entregava 95 cv a 6.000 rpm e 12,6 mkgf de torque a 4.250 rpm – uma boa vantagem em relação à versão naturalmente aspirada e seus 66 cv, e quase a mesma potência da versão 1.6, que tinha 98 cv.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Acontece que o Fiesta Supercharger tinha alguns problemas. Surgido como uma resposta ao VW Gol 1.0 turbo 16v, o hatch sobrealimentado da Ford custava quase a mesma coisa que o Fiesta 1.6 e oferecia desempenho semelhante, mas consumia mais combustível, e o nível de ruído do motor não era agradável para o consumidor médio. Além disso, o receio quanto à manutenção do supercharger (do qual a Ford recomendava a verificação do lubrificante a cada 120.000 km) e a existência da versão 1.6 acabaram tornando o Fiesta Supercharger um “mico” no mercado. Ele saiu de linha em 2006.

motor

O supercharger Eaton fica meio escondido, no canto inferior esquerdo, ao 

É preciso, contudo, dar o crédito ao Fiesta Supercharger porque, assim Gol 1.0 16v Turbo, ele foi um dos primeiros exemplos de downsizing no mercado brasileiro – algo que é a norma na indústria automotiva atual. Na época havia um bom motivo: os carros com motor de até 999 cm³ tinham 10% de desconto no IPI (o Imposto sobre Produtos Industrializados).

É realmente uma pena que o Ford Fiesta no Brasil não tenha a mesma veia entusiasta que tem na Europa, em especial no Reino Unido, onde as duas primeiras gerações são ícones entusiastas – em boa parte graças a suas versões esportivas, como o XR2 de segunda geração. Originalmente ele era movido por um motor 1.6 CVH, com comando no bloco de 1,6 litro e 96 cv. Não parece muito, mas estamos falando de um carro fabricado entre 1983 e 1989. Além disso, o comportamento dinâmico e o visual típico dos esportivos da época, com faróis auxiliares, molduras nos para-lamas e para-choques mais volumosos, eram dois excelentes argumentos.


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Liam Stolton (@liamstolton) em

E é justamente um Ford Fiesta XR2 o tema deste post. Trata-se de um projeto feito pelo britânico Liam Stolton, que trocou o motor original por algo bem mais forte: o Duratec de dois litros utilizado pelo Ford Focus ST170 – outro carro que adoraríamos ter visto no Brasil. Detalhe: Stolton instalou nele um supercharger da Eaton. Foi por isto que lembramos do Fiesta Supercharger brasileiro.

Liam Stolton já está tocando o projeto há mais de três anos – as primeiras imagens do carro em seu perfil no Instagram datam de agosto de 2015. No Reino Unido é relativamente a adoção do motor Duratec nos Fiesta antigos – é uma forma prática de adicionar potência a um veículo naturalmente leve, agradável aos olhos, fácil de encontrar e barato de comprar.


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Liam Stolton (@liamstolton) em

Além disso, o motor Duratec cabe no cofre do Fiesta Mk2 sem maiores modificações – não é preciso fazer nenhum corte no carro, e existem suportes feitos sob medida para a conversão à venda (embora seja possível adaptar os suportes originais). Até mesmo o câmbio original do Fiesta XR2 Mk2 é plug and play com o motor Duratec, o que facilita bastante o processo.

modified-fiesta-engine-mount-for-zetec

Suporte do motor original adaptado para a instalação do motor Duratec. Note o buraco no canto inferior direito – a placa de metal onde ele se encontra foi soldada ao suporte, sendo esta a única adaptação necessária

I_cmX0eQSmqwfz0G0lgdmA

Desenvolvido em parceria com a Cosworth, originalmente o motor do Focus ST170 entrega 172 cv a 7.000 rpm, mas o supercharger instalado por Stolton eleva este número para 200 cv a 7.500 rpm – ao mesmo tempo em que adiciona um zumbido frenético à massa sonora produzida pelo sistema de escape direto. ]


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Liam Stolton (@liamstolton) em

A saída de escapamento foi deslocada para a lateral, à frente da roda traseira esquerda, como forma de evitar que a tubulação raspe contra o piso. O motor é ligado a uma transmissão Quaife IB5 sequencial, que leva a força do motor para as rodas dianteiras através de um diferencial de deslizamento limitado.


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Liam Stolton (@liamstolton) em

Sendo este um projeto de pista, o interior foi aliviado com a remoção de boa parte dos acabamentos internos, e pesa cerca de 850 kg. O Fiesta recebeu também uma gaiola de proteção integral, e o tanque de combustível selado foi instalado atrás dos bancos dianteiros, a fim de melhorar a distribuição de peso. O XR2 teve a geometria da suspensão refeita com a instalação de amortecedores ajustáveis do tipo coilover. O aspecto do carro faz estilo murdered out, com carroceria e rodas pretas, e ganhou uma dose extra de agressividade com um body kit feito sob medida em fibra de vidro.

Embora faltem mais detalhes sobre o projeto (como as medidas das rodas e pneus e a origem dos componentes da suspensão, por exemplo), é inegável que este Fiesta Mk2 “ST170 Supercharger” parece um verdadeiro deleite – e que tem um belo ronco para um quatro-cilindros. Não é à toa que o swap com o motor Duratec nas gerações Mk3, Mk4 e Mk5 também vem se popularizando no Brasil – e o carro de Liam Stolton pode, sim, lhe servir de inspiração.

Matérias relacionadas

Este Dodge Viper de 620 cv foi preparado pela “McLaren”. Mas… como?

Dalmo Hernandes

Mercedes CLA Shooting Brake, Veloster de motor central, Circuito de Kyalami à venda, e mais!

Leonardo Contesini

Este Volvo 850 T5 2.3 turbo é todo original, tem 50.000 km rodados e está à venda

Dalmo Hernandes