FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Este Kadett 2.4 está prontinho para track days e para as ruas – e está à venda, claro

Dual-purpose – o desejo de muitos entusiastas. Um carro capaz de se sair bem no autódromo depois de ir rodando até lá, e depois voltar rodando pra casa, mesmo que aceitando alguns desconfortos trazidos pelo acerto dinâmico mais adequado pra pista. No Brasil, por questões de disponibilidade e custo, os hatchbacks mais acessíveis são uma escolha comum – e a partir daí, podem nascer projetos extremamente interessantes, mesmo que a muito custo (afinal, não existe carro preparado bom que saia barato). O nosso Achado meio Perdido de hoje é um belo exemplo disto: trata-se de um Chevrolet Kadett GL que foi totalmente restaurado, caracterizado como GSi, recebeu no cofre um motor GM de 2,4 litros preparado – mesmo projeto básico do 1,8-litro original, o Família II – e teve seu conjunto dinâmico redimensionado. O carro está anunciado no GT40, e nós vamos ver mais alguns detalhes sobre ele.

Agora, se você é leitor de longa data, certamente reconheceu o Kadett. Trata-se do Project Cars #16, de Weiler Júnior, que participou da seção entre setembro de 2014 e setembro de 2017 – três anos de upgrades, em uma transformação que pode ser acompanhada neste link (vale a pena ver, ou rever).

img_91604_4_9bdfb722-ca4f-4b19-99fa-e812fe5972cb

Vamos ao carro em si. Weiler comprou um Kadett GL 1.8 até que inteiro, escolhendo a versão básica sem opcionais por duas razões: 1) o carro seria todo modificado de qualquer jeito e 2) menos peso. Além disso, um Kadett GSi em bom estado teria custado bem mais caro.

De início, a ideia era montar um carro para track days que pudesse rodar nas ruas e concentrar as modificações na mecânica, mas um acidente na pista em novembro de 2014 que danificou o para-lama dianteiro esquerdo fez com que Weiler optasse pela caracterização como Kadett GSi, usando os para-choques originais, lanternas do Opel Kadett GSi alemão e setas Hella, made in Germany. Por dentro, o carro tem o mesmo painel digital usado no GSi brasileiro, bancos concha Sparco na dianteira e volante Momo Champion. Por fora, a carroceria foi pintada de Azul Pacific, tonalidade original do Nissan March (que lembra bastante o Azul Almirante da Chevrolet, diga-se).

img_91620_4_9bdfb722-ca4f-4b19-99fa-e812fe5972cb

É claro que, para muitos aqui, o que interessa mesmo é o que há debaixo do capô. Na contramão da receita mais comum para o Kadett, que consiste na adoção do motor 2.0 16v C20XE usado no Calibra e no Vectra GSi, Weiler partiu para um 2.4 Flexpower da Chevrolet Blazer, atraído pela mecânica mais simples e pelo torque em baixa. Original, o quatro-cilindros tem 147 cv a 5.200 rpm e 21,9 mkgf de torque já a 2.800 rpm. Dito isto, o motor do Kadett de Weiler recebeu diversas modificações. Para começar, pistões forjados Iapel e bielas forjadas Ancona, com diâmetro x curso de 88×100 mm. Com isto, o deslocamento foi ligeiramente ampliado de 2.405 cm³ para 2.435 cm³. O bloco ainda recebeu um virabrequim do Vectra 2.4, aliviado e balanceado. O cabeçote é do Astra, com oito válvulas e tuchos hidráulicos, e teve o fluxo retrabalhado. O comando é um Kent Cams feito sob medida, enquanto o coletor de admissão é feito de alumínio com borboletas individuais.

img_91616_4_9bdfb722-ca4f-4b19-99fa-e812fe5972cb

O motor é alimentado por um sistema de injeção programável Megasquirt MS2 Racing, sequencial, com injetores Siemens Deka de 80 lb/h e duas bombas de combustível, sendo uma delas externa e ligada a um reservatório externo de aço inox. O resultado: 173 cv nas rodas a 6.000 rpm e 22 mkgf de torque a 4.750 rpm, moderados por um câmbio manual de cinco marchas F16CR com marchas mais curtas e um diferencial Quaife autoblocante e relação final de 3,94:1. O trambulador, com acionamento por cabo, veio do Chevrolet Prisma.

img_91628_4_9bdfb722-ca4f-4b19-99fa-e812fe5972cb img_91636_4_9bdfb722-ca4f-4b19-99fa-e812fe5972cb

Completam o conjunto do carro freios redimensionados para a potência e aplicação em pista, com discos ventilados de 284 mm na dianteira e sólidos de 260 mm na traseira, além de pinças Wilwood na frente e pastilhas Powerbrakes nas quatro rodas; amortecedores ajustáveis Bilstein e barra estabilizadora mais grossa na dianteira; e rodas de 15 polegadas Scorro S242 calçadas com pneus Bridgestone Potenza G3 de medida 195/55. Por fim, a direção tem assistência eletro-hidráulica, usando a caixa original GM e a bomba do Mercedes-Benz Classe A.

img_91632_4_9bdfb722-ca4f-4b19-99fa-e812fe5972cbimg_91624_4_9bdfb722-ca4f-4b19-99fa-e812fe5972cb

A história deste carro é bem conhecida de muitos leitores do FlatOut, e o fato de ele já estar pronto e acertado pode torná-lo uma opção bem interessante para quem quer comprar um carro de track day e ir direto para a pista. Lembrando que este é um carro que foi preparado em seu conjunto dinâmico, algo que é muito mais caro do que fazer apenas o upgrade de motor, caminho mais comum para carros de rua.

Se você se interessou, é só acessar o anúncio aqui e pegar os contatos do dono.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Os clássicos brasileiros dos anos 60 e 70 mais legais à venda no GT40

Dalmo Hernandes

O BMW Série 7 no qual Tupac Shakur foi assassinado está à venda por US$ 1,5 milhão

Dalmo Hernandes

É assim que se vende um Suzuki Vitara do jeito certo

Dalmo Hernandes