A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos Zero a 300

Este Lincoln Continental com motor V12 Flathead é raríssimo no Brasil – e está à venda

Já reparou que os motores V12 são quase sempre europeus? E mais: se você tiver que falar agora o nome de um carro com motor V12, muito provavelmente ele será italiano ou alemão. McLaren F1; os supercarros da Lamborghini — do Miura ao Aventador —; a maioria esmagadora das Ferrari de rua. Sedãs super luxuosos da Mercedes-Benz. e BMW. Versões radicais dos Aston Martin. Uma das exceções à esta regra é o V12 japonês que equipou o Toyota Century por sécul… digo, décadas.”

Os americanos preferem os V8, e quando precisam de mais potência apelam para compressores mecânicos. Então o simples fato de o nosso Achado meio Perdido de hoje ser um carro com motor V12 fabricado nos Estados Unidos já o torna extremamente interessante. Trata-se de um Lincoln Continental, fabricado em 1946 e equipado com um motor V12 Flathead de 4,8 litros na dianteira, anunciado no GT40.

img_246496_4_1ff8547c-c2d5-460d-b5a4-47d15dcf934c

Sim, caro leitor que talvez esteja com um olhar admirado: um V12 Flathead. E não por acaso que ele é chamado assim: trata-se de um motor introduzido pela Lincoln em 1936, cujo projeto foi de fato inspirado pelo V8 Flathead da Ford, de 1932.

Como contamos neste post, o V8 Flathead da Ford foi criado para enfrentar a Chevrolet e seu ótimo motor de seis cilindros em linha que, potente, robusto e relativamente econômico, era anunciado como “um seis pelo preço de quatro”. Ainda que as primeiras unidades tenham sido colocadas nas ruas com o desenvolvimento do motor ainda em curso, causando problemas de superaquecimento e até trincas no bloco, o motor V8 Flathead era robusto, potente e confiável. Na versão inicial, de 3,6 litros, o motor entregava 65 cv, mas melhorias ao longo dos anos seguintes (aumento na taxa de compressão, mais deslocamento, melhor fluxo de ar) fizeram com que, em 1939, a versão de 3,9 litros chegasse aos 110 cv.

img_246516_4_1ff8547c-c2d5-460d-b5a4-47d15dcf934c

Não por acaso o V8 Flathead se tornou extremamente popular após a Segunda Guerra Mundial, quando muitos jovens ex-combatentes voltaram para casa cheios de adrenalina e conhecimentos em mecânica adquiridos em serviço. Eles compravam cupês com motor V8 Flathead e trocavam caburadores, colocavam válvulas maiores e faziam outras artimanhas para aumentar a potência, e ainda aliviavam os carros arrancando partes da carroceria. Foi o que ocasionou a explosão da cultura hot rodder nos anos 50.

Segundo relatos da época, o motor V12 Flathead era praticamente idêntico a um V8 Flathead em concepção  – com válvulas no bloco, ao lado dos cilindros, e cabeçotes que abrigavas apenas as câmaras de combustão e velas de ignição e por isso eram planos (flat head = “cabeçote plano”) – apenas tinha quatro cilindros a mais. Com isto a curva de torque do V12 era praticamente idêntica à do V8, bastante linear. O V12 de 4,8 litros girava a até 3.900 rpm, e boa parte do torque, pelo menos 24 mkgf, estava disponível entre 800 e 3.500 rpm. Já imaginou como seria transformar, então, um Lincoln com motor V12 em hot rod?

img_246544_4_1ff8547c-c2d5-460d-b5a4-47d15dcf934c

O nosso Achado meio Perdido de hoje é um exemplar da primeira geração do Continental, que foi produzida entre 1939 e 1948 e, ao longo de dez anos (exceto entre 1943 e 1945, por causa da Segunda Guerra Mundial), usou sempre o mesmo V12 de 4,8 litros acoplado a uma transmissão manual de três marchas, todas sincronizadas para garantir engates suaves. Afinal, o Continental era o carro mais luxuoso da Lincoln já naquela época. E, como o carro mais luxuoso, ele também tinha bancos de couro, rádio no painel com alto-falante embutido e estepe guardado em compartimento fora do porta-malas. Para um carro de luxo do pós-Guerra em 1946, não estava nada mau.

img_246540_4_1ff8547c-c2d5-460d-b5a4-47d15dcf934c img_246532_4_1ff8547c-c2d5-460d-b5a4-47d15dcf934c img_246536_4_1ff8547c-c2d5-460d-b5a4-47d15dcf934c

O anunciante diz que este exemplar tem todos os itens de acabamento originais – instrumentos, volante, detalhes cromados do interior, para-choques, faróis, lanternas e emblemas. Ele diz que, no entanto, há alguns anos a pintura e os revestimentos internos foram restaurados nos padrões originais. A mecânica do carro também foi restaurada e em funcionamento – incluindo o sistema elétrico original de 6 volts.

img_246512_4_1ff8547c-c2d5-460d-b5a4-47d15dcf934cimg_246504_4_1ff8547c-c2d5-460d-b5a4-47d15dcf934c

Dito isto, estamos diante de um carro de coleção, com preço de acordo com seu bom estado de conservação e bastante raro de se encontrar no Brasil. Assim, por mais tentadora que fosse a ideia de transformá-lo em um hot rod – não faltam componentes nos EUA para preparar os motores V8 e V12 Flathead –, para nós seria meio que um sacrilégio.

Mas se você clicar aqui, acessar o anúncio, entrar em contato com o vendedor e fechar negócio, não seremos nós que iremos te impedir.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

O primeiro protótipo do Lancia 037 que competiu no Grupo B de rali vai ser leiloado

Dalmo Hernandes

Chris Evans está fora de Top Gear, Chevrolet Onix flagrado em testes, a rede social de Clarkson Hammond e May e mais!

Leonardo Contesini

Bullitt “para inglês ver”: Ford Mustang e Dodge Charger do filme se reencontram em Goodwood 50 anos depois

Dalmo Hernandes