A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Este Mercedes-Benz W114 é um clássico quase pronto – e pode ser seu

O antigomobilismo não é um hobby fácil e barato, mas pode ser extremamente recompensador. Pegar um clássico judiado pelo tempo, recuperar cada detalhe, fazer tudo do seu jeito e poder curti-lo depois de pronto é um prazer que exige tempo, dinheiro e disposição, e dizem que só quem passa por tudo isto entende como é gratificante.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Agora, se você acha que não está preparado para todo o processo, pode ser que nosso Achado meio Perdido de hoje seja uma boa alternativa: trata-se de um Mercedes-Benz 250 W114, clássico da estrela de três pontas que foi o precursor do hoje icônico Classe E. Ele está anunciado no GT40, obviamente, e nós vamos conhecê-lo um pouco melhor agora.

Lançado em 1968, o Mercedes-Benz W114 era o modelo mais barato entre os sedãs da marca – posicionado abaixo do W108, que era equivalente ao que chamamos hoje de Classe S. Embora mantivesse as proporções clássicas do W110, seu antecessor, o Mercedes W114 era mais retilíneo e moderno, com faróis “empilhados” e traseira mais simples, sem as “barbatanas” pelas quais os Mercedes eram conhecidos até a década de 1960.

Todas as versões do W114 utilizavam motores de seis cilindros, com deslocamento entre 2,3 litros e 2,8 litros e potência que variava entre 120 e 160 cv. Os carros equipados com motor de quatro cilindros eram iguais por fora, mas recebiam o código W115. A carroceria podia ser sedã de quatro portas ou cupê de duas portas.

O exemplar anunciado no GT40 é um W114 sedã, fabricado em 1969 – ou seja, ele completa exatos 50 anos em 2019. O proprietário, Rodrigo, de São Caetano do Sul/SP, diz que comprou o carro há 15 anos com o intuito de restaurá-lo por completo. E o serviço está praticamente concluído, segundo ele.

Rodrigo conta que, quando comprou a Mercedes, o carro estava com uma pintura na cor vinho. Foi quando começou o trabalho de funilaria que a cor original apareceu – o azul bebê clássico da Mercedes na época. No entanto, como o intuito nunca foi uma “restauração de placa preta”, o entusiasta optou pelo prata utilizado nas Mercedes mais novas. Que, se nos permitem o comentário, caiu bem às formas clássicas criadas por Paul Bracq.

Da mesma forma, o interior também foi restaurado por completo – o couro preto deu lugar a um revestimento azul, tonalidade típica da virada dos anos 1970, que também combinou bem com a cor da carroceria. Tanto os bancos quanto os revestimentos de porta, o carpete, os tapetes e o revestimentos do porta-malas foram refeitos em azul.

Diversos elementos estéticos do carro são originais de fábrica – faróis, lanternas, frisos, emblemas, grade e para-choques. Bem como as rodas de liga leve e os os detalhes de acabamento internos.

O carro é equipado com o motor M114, seis-em-linha de 2,5 litros, com taxa de compressão de 9:1 e dois carburadores Zenith de corpo duplo para entregar 146 cv. Este motor é acoplado a uma caixa manual de quatro marchas com alavanca na coluna. Rodrigo diz que a mecânica já foi toda refeita e, segundo ele, o o carro só precisa de uma revisão na elétrica e pneus novos – os atuais são antigos, e estão ressecados.

O valor pedido por Rodrigo é interessante, considerando a idade do carro, o serviço de restauração já realizado e o potencial deste Mercedes como colecionável. Pode ser uma boa opção para quem quer entrar no mundo dos antigos, e gosta da ideia de ter um carro diferente do que se costuma encontrar por esta faixa de preço.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos do proprietário!


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Este Volkswagen Santana 1990 com câmbio automático e bastante original está à venda

Dalmo Hernandes

Este Bora é na verdade um Jetta com coração de Golf GTI — e está à venda!

Dalmo Hernandes

Afinal, como o VW Up GTI se sai em Nürburgring Nordschleife?

Dalmo Hernandes