A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Este Mini Cooper clássico bastante íntegro e cheio de potencial está à venda no Brasil

Há uma parcela dos entusiastas que até curte carros grandes, barulhentos e potentes (poxa, quem não curte?), mas que tem um carinho especial pelos carros menores e ágeis, mesmo que não tão potentes assim. E quando se pensa em um carro clássico pequeno, esperto e emblemático, difícil não pensar no Mini Cooper original. Se você sempre quis comprar um desses, talvez a hora esteja perto de chegar: este Mini Cooper 1981 está à venda no GT40, e é nosso Achado Meio Perdido de hoje.

Só para recapitular: o Mini original foi a solução dos britânicos para enfrentar uma crise no fornecimento de petróleo. Em 1956, o Reino Unido estava em conflito político com o Egito e, por causa disso, o Canal de Suez, por onde o petróleo vindo do Oriente Médio chegava aos britânicos, foi fechado.

Sem petróleo para produzir gasolina, o combustível começou a ser racionado para a população, criando uma demanda por carros menores e mais econômicos. Por isso, ainda naquele ano, a British Motor Corporation começou a projetar um automóvel que fosse compacto por fora, espaçoso por dentro e não tivesse sede de gasolina. Era importante que fosse um carro de verdade, com quatro lugares e espaço para bagagem, pois na época a melhor opção que os ingleses tinham para comprar algo parecido eram os minicarros alemães. Um dos mais populares era o BMW Isetta – que, francamente, estava mais para uma moto com carroceria e lugar para duas pessoas. Sem bagagem.

img_173816_4_e00f5e40-f8d5-4437-a0ec-5acfaf721cd7

Suas dimensões eram reduzidas, 3,05 m de comprimento, 1,40 m de largura e 1,35 m de altura. Mas as rodas bem nas extremidades da carroceria, com balanços quase inexistentes, permitiam que o entre-eixos tivesse pouco mais que dois metros – e assim, um carro minúsculo como aquele conseguia o feito de levar quatro adultos com relativo conforto, ou um casal e toda a sua bagagem. A suspensão era bastante rígida, com cones de borracha no lugar de molas helicoidais.

img_173852_4_e00f5e40-f8d5-4437-a0ec-5acfaf721cd7

O efeito colateral era uma dirigibilidade bastante divertida, mesmo com um pequeno motor quatro-cilindros de apenas 850 cm³ e 33 cv – até porque estamos falando de um carro apenas 580 kg em seus primeiros anos. Mais tarde, a desenvoltura do pequeno sedã dois-volumes (não, não era um hatch!) nas curvas lhe rendeu versões esportivas preparadas pela Cooper, que na época participava ativamente de corridas de Fórmula 1 e até ajudou a popularizar a construção de monopostos com motor central-traseiro.

img_173820_4_e00f5e40-f8d5-4437-a0ec-5acfaf721cd7

img_173800_4_e00f5e40-f8d5-4437-a0ec-5acfaf721cd7

Tais qualidades renderam ao Mini uma longevidade notável: o pequeno britânico foi fabricado até o ano 2000, com diversas atualizações ao longo das décadas que conservaram seu visual e seu espírito clássico, mas garantiram melhor desempenho e confiabilidade.

O Mini anunciado no GT40 é um exemplar de 1981. O carro está à venda na loja JS Autos Antigos, de São Paulo/SP, e nos parece um verdadeiro diamante bruto: está bastante íntegro e possui algumas modificações aparentes, porém que não desabonam o estado geral do carro.

img_173828_4_e00f5e40-f8d5-4437-a0ec-5acfaf721cd7

Levando em conta o ano de fabricação, este Mini tem tudo para ser um Mark IV, o que significa que seu motor quatro-cilindros desloca 1,1 litro (1.098 cm³) e entrega 46 cv, acoplado a um câmbio manual de quatro marchas. A pintura está bastante apresentável, assim como o acabamentos cromados, faróis e lanternas – que são originais. As rodas são as clássicas Minilites, de 10 polegadas.

O interior é onde se concentram as modificações. Os bancos receberam revestimento de couro bicolor, que está em bom estado mas tem um visual mais moderno que destoa do restante do carro. Os forros das portas forma furados para receber alto-falantes (o carro foi equipado com um rádio moderno), e os instrumentos são Auto Meter.

img_173840_4_e00f5e40-f8d5-4437-a0ec-5acfaf721cd7 img_173836_4_e00f5e40-f8d5-4437-a0ec-5acfaf721cd7

De acordo com João Siciliano, responsável pela venda, o Mini pertence a um de seus clientes há pelo menos dez anos, e estava parado havia algum tempo. O dono resolveu vender o carro e colocou o motor para funcionar, revisou os freios e trocou os pneus. João recomenda que, após a compra, seja feita uma revisão mais abrangente. Também observa que o adesivo na face dos instrumentos descolou com o tempo, além da cobertura preta do painel.

img_173812_4_e00f5e40-f8d5-4437-a0ec-5acfaf721cd7

Por mais que existam elementos não-originais, consideramos que pelo estado de conservação e pelo valor pelo menos R$ 10 mil abaixo da média, este Mini pode ser uma boa opção para quem estava procurando um exemplar do clássico britânico.

Se você ficou interessado, basta clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos do vendedor.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Qual é o melhor game de corrida para o PlayStation 2?

Dalmo Hernandes

Viper de volta a Nurburgring, Honda Fit de cara nova em setembro, Volkswagen pode ter modelo Skoda no Brasil e mais!

Leonardo Contesini

Um Fiat Bravo T-Jet preparado, um Gol Copa bastante íntegro, um BMW 318Ti com motor 1.9 e mais no GT40

Dalmo Hernandes